FANDOM




Caro(a) leitor(a), está pagina possui todos os diálogos ditos no jogo, tanto as escolhas e até mesmo bate-bocas.

Ao iniciarmos o jogo, começamos no cenário onde Chloe está em pé, fardada de moletom preto com detalhes de caveira na manga, uma camisa por baixo da Firewalk — vermelha escura, colar, uma calça jeans azul rasgada, tênis e pulseiras, fumando um cigarro nos trilhos do trem. O trem a vê, e começa a buzinar com farol alto. Chloe vê e pula antes do trem passar. Ela olha a serraria e vai em direção a um caminho o qual possui uma cerca.

Chloe: (pensando) Nem acredito que o Firewalk tá tocando na antiga serraria. Que foda!
Minha mãe me mata se souber que eu tô aqui.

Ao olhar para a placa, ela lê: "Não pode passar? Não fode." Ela pula a cerca.

Chloe caminha, e a câmera irá abrir o cenário para visualizar maior como é a serraria. Após isto, irá focar em Chloe de volta.

Chloe: Puta merda. Este lugar é irado.

Chloe visualiza o galpão e poderá explorar o cenário.

Chloe: (pensando) Se eu quiser entrar, vou ter que passar por aquela porta.

Antiga Serraria - Externo

Discussão entre dois caras

Primeiro argumento


Primeiro homem: Esse é exatamente o seu problema. Significa você. Sim, seu problema. Não é meu. [burla] Eu sei o seu tipo. Conheço suas desculpas de besteira também. [burlescas] Talvez eu devesse te dar um tapa destas desculpas de você.

Segundo homem: Mas... R-realmente não é a minha culpa.

Primeiro homem: Você está sempre culpando todo mundo, menos você.

Observar a discussão


Chloe: (ao observar a discussão de dois caras) Esses caras tão prestes a dar uns pegas. Ou não. Caramba.
(ao observar novamente): É melhor eu não arrumar problemas com esse cara.

Segundo argumento


Segundo homem: Eu entendo, entendo, realmente e--e isto não vai acontecer de novo. Eu juro! Você pode confiar em mim, eu prometo. Eu realmente entendi agora, eu vou fazer.

Primeiro homem: Irá? Porque confiança pra mim é dada pelo que você faz, não por palavras. Entendeu?

Segurança do galpão

Chloe (pensando): Preciso pensar em como passar por esse cara.

Segurança: Pois não, senhorita?

Chloe: Me deixa entrar, olha! É de verdade. (Ela mostra a sua identidade ao segurança).

Segurança: (analisa) Não está mal falseado, pirralha. Mas você está abusando. Acho bom você se mandar. (ele joga no chão a sua identidade falsa)

Chloe sai frustada e pensa: Ele não manda em mim. Será que eu volto e confronto ele? Ou será que algo por aqui pode me ajudar a convencê-lo?

Chloe volta e fala novamente com o segurança.

Segurança: Caramba, de novo? O que você quer, pirralha?

A serraria

Chloe: Essa é a antiga serraria, né? Ouvi dizer que o Firewalk tá tocando aí. Essa banda é irada.

Segurança: (olha para a porta) Não.

Chloe: Tá brincando, né?

Segurança: É melhor você sumir e acabou.

Sua moto

Chloe: Aquela moto ali é sua?

Segurança: É.

Chloe: Ah, é... bem bacana.

Segurança: Puxa, obrigado... Algo mais?

Ir embora

Chloe: Deixa pra lá (Chloe sai andando)

Segurança: Isso aí, circulando.

Me deixa entrar, agora!

Ao escolher a opção "Me deixa entrar, agora", o jogador irá experimentar pela primeira vez a opção do desafio de bate boca.
[desafio 1][desafio 2]
Neste para Chloe ganhar, ela deverá responder corretamente cinco vezes.

Nota: Em alguns diálogos, se tiverem apenas a resposta de Chloe, isto é uma definição de que a mesma venceu a discussão ou perdeu.

Chloe: (pensando) Tenho que convencer esse brutamontes que não vou desistir até ele me deixar entrar.

Chloe: Não se lembra como é ser adolescente? Só quero ver a banda.

Segurança: Achei que já tivessemos falado disso. Não tá na sua hora de dormir?

Sua hora de dormir?

Chloe: Awww, pra você já tá tarde?

Segurança: Que fofa. Mas eu não conheço você.

Nada de dormir.

Chloe: Eu não durmo. Isso é pros fracos.

Segurança: Que fofa. Mas eu não conheço você.

Me quebra essa.

Chloe: Qual é, cara! Me quebra essa!

Segurança: Para de tentar ser fofinha e cai fora.

Que mal tem?

Chloe: Ah, qual é. Que mal tem?

Segurança: (irritado) Pirralha, você não entendeu. Cai fora!

"Fofinha" não é comigo.

Chloe: Olha bem pra mim. Eu pareço "fofinha"? Ou pareço que vou acabar com você?

Segurança: Tá bom, pirralha. Já saquei, você é durona.

Fofura é relativa.

Chloe: Gatinhos andando de lambretinhas são fofinhos. Eu tô mais pra... Red Sonja pilotando um Panzer.

Segurança: Tá bom, pirralha. Já saquei, você é durona.

Isso não é um parquinho?

Chloe: Talvez eu seja mesmo pirralha, porque esse lugar parece um maldito parquinho.

Segurança:: Uma garota como você... Não posso te proteger lá dentro.

Beleza. Vou entrar escondida.

Chloe: Sabe de uma coisa? Não preciso da sua permissão. Vou achar um jeito de entrar.

Segurança: Garotas como você acabam desfeitas lá dentro.
... Tá, você é engraçada. Mas não importa.

Não sou pirralha!

Chloe: Pirralha é o cacete! Outras coisas que não sou: Senhorita. Mocinha. Amor. Docinho.

Segurança:: Uma garota como você... Não posso te proteger lá dentro.

Uma garota como eu?

Chloe: Você quer dizer uma garota que não tem medo de um monte de músculos ambulante como você? É isso?

Segurança: A chefia me mata se eu te deixar entrar.

As garotas que mandam

Chloe: Garotas? São as garotas que mandam, idiota. Eu sei me virar.

Segurança: A chefia me mata se eu te deixar entrar.

Flores na sua moto?

Chloe: Uma garota como você cheia de florzinhas na moto não deveria vir de moral pra cima de mim.

Segurança: Isso é uma arte tradicional de Samoa--! (risos) Olha. Meu chefe decide quem entra, tá ok?

Não tô preocupada

Chloe: Isso é problema meu. Deixa que eu me preocupo com isso.

Segurança: A chefia me mata se eu te deixar entrar.

Quem é sua chefia?

Chloe: Sua mãe que é sua chefia? Continuação: Você mora na cave da sua "chefia"?

Segurança: Olha. Meu chefe decide quem entra, tá ok?

Faz vista grossa.

Chloe: E só fazer vista grossa. Ninguém vai saber! Além do mais, todo me adora. Eu sou engraçada.

Segurança: Gente engraçada acaba apanhando por aqui.

Que chefia, o quê.

Chloe: Que chefia, o quê. Foda-se ele e fodam-se as regras, cara!

Segurança: Olha. Meu chefe decide quem entra, tá ok?

Toc-Toc

Chloe: Toc-Toc. Quem é? (imitando uma voz de Mickey Mouse) Vira homem. Para de ser um babaca medroso e deixa essa garota super-irada aqui entrar logo.

Segurança: Essa atitude não vai funcionar comigo.

Vai se foder.

Chloe: Sabe... eu nem queria mesmo entrar. Vai se... FO-DER!

Segurança: Essa atitude não vai funcionar comigo.

Você tá muito tenso.

Chloe: Cara, relaxa aí. Você tá tão tenso que vai acabar explodindo.

Segurança: (olhando mais sério) Continua me provocando pra ver o que vai acontecer.

Sinto muito

Chloe: Desculpa, tá? É que eu quero muito entrar.

Segurança: (zombando) Não interessa. O Damon não gosta de gente nova, tá bom?

Deixa de ser fresco.

Chloe: Eu te magoei? Você vai pra casa agora comer um pacotão de biscoito e chorar no escuro em posição fetal?

Segurança: Sabe, o Damon até que era capaz de gostar de você...

É sério esse bracelete.

Chloe: Ah, olha, o Bowser ligou. Ele quer as joias dele de volta.

Segurança: Sabe, o Damon até que era capaz de gostar de você...

Quem é Damon?

Chloe ganha.

Chloe: Quem é Damon? O cara que te fez de putinha dele na cadeia?

O segurança deixa Chloe entrar.

Me ajuda aí, vai!

Chloe perde.

Chloe: Ahn... já tô ficando sem tiradas sarcásticas, então, que tal: você fede. Agora sai da minha frente!

O segurança não deixa Chloe entrar

Que se dane o Damon.

Chloe ganha.

Chloe: Damon? Será que devo me importar com o que ele acha? Vejamos... não!

O segurança deixa Chloe entrar

Chloe ganhou

Segurança: Você não vai aceitar um "não" como resposta, né?

Chloe: Não

Segurança: Você acha mesmo que pode me encarar?

Chloe: Sim

Segurança: E se eu tiver uma faca?

Chloe: Disponha.

Segurança: Uma arma?

Chloe: Não importa.

Segurança: E se eu tiver-

Chloe: Você poderia ter um lança-chamas, um exército de robôs ninjas e um puta dragão de estimação aí, e ainda assim eu acabaria com você.

Segurança: (risos)Eu desisto! (suspiro) Você venceu, pirralha. Pode entrar. (Ele deixa Chloe passar).

Chloe perdeu

Segurança: Porque não bota nessa sua cabecinha dura que você não---

Chloe: O que foi? Não sabe como--

Segurança: Se me deixar terminar, vai entender que--

Chloe: Entender o quê? Que você é patético--

Segurança: (irritado)Você não vai entrar! Agora dá o fora daqui!

Chloe sai andando e pensa: Ótimo. E agora, como faço pra entrar?

Ela pega uma caixa de transporte para cachorros e arrasta até uma segunda porta da serraria. Com isto, ele sobe e destranca. E entra na serraria.

Antiga serraria - Interna

Chloe entra na serraria após passar pelo segurança na lábia ou pela segunda porta, na lateral da principal. Ela observa ao redor e fica eufórica.

Chloe: (pensando) Que irado!

Cadela late para Chloe.

Homem estranho: Ei, Delia! Junto.

Chloe: (para o homem) Cadela fofa.

Chloe: (pensando) E só seguir as luzes e o som. Mal posso esperar para entrar lá e aloprar!

Pessoas da serraria

Homem estranho e a cadela

Chloe poderá interagir com a cadela do homem estranho

Chloe: (olhando para a cadela) Que cadela brava.

Chloe: (ao fazer carinho) Qual o nome dela?

Homem estranho: Delia. (comenta) Ela não costuma gostar de gente.

Chloe: É, eu também não.

Garota na mesa

Chloe: (pensando) Fica sóbria, garota! Tá perdendo o show!

Ao ir para a próxima mesa, há um homem e mulher (sabe-se lá se é casal).

Chloe: (pensando) Como consegue ficar aí de boa, enquanto o Firewalk tá arregaçando ali do lado?

Vendedor de camisas

Se o jogador decidir escolher a opção, "olhar", Chloe irá pensar: Que camiseta irada.

Chloe: Ei, tá vendendo--

Vendedor: Vinte pratas!

Chloe: Que?

Vendedor: Vinte pratas pela camiseta.

Chloe: Isso é... bem caro. ela sai andando e (pensa): Babaca.

Na segunda interação novamente.

Vendedor: Se não tem vinte pratas, cai fora.

Chloe: (pensando) Que babaca.

Ao interagir novamente com o vendedor pela terceira vez.

Vendedor: Ei! Já falei que são vinte pratas. Quer tomar uma surra?

Chloe: (pensando) Que cara babaca. Se eu quiser uma camiseta, vou ter que ser criativa.

Ao caminhar um pouco a frente, Chloe nota a porta do carro aberta e o freio de mão.

Chloe: (pensando) Se eu soltar o freio de mão, o carro vai começar a descer. Será que eu quero uma camiseta do Firewalk tanto assim? Acho que sim.

Chloe: (indo soltar o freio de mão) Lamento, cara. Talvez não devesse cobrar em demasia.

Após soltar, o carro começa a andar e o vendedor nota e lamenta.
Vendedor: (ao notar, que seu carro começou a andar)Ah, caralho, não, não, não, não, não! (suspiro) Qual é!

Chloe: (pensando) Obrigado por tudo. Babaca.

A partir disto, Chloe poderá pegar a camisa do Firewalk.

Chloe: (pensando) Isso aí. O doce sabor da vitória.

Ao notar uma caixa com dinheiro, ela comenta Isso é tipo... duzentas pratas!

Roubar

Puta merda. Tô rica!

Não roubou

Não vale a pena. É capaz desses caras me queimarem viva.

'Interação alternativa com o vendedor'

Se o jogador decidir escolher a opção, "olhar", Chloe irá pensar: Que camiseta irada.
Caso Chloe for direto tentar pegar a camisa, o vendedor irá bater na sua mão e irá falar.

Vendedor: Vinte pratas, boneca.

Chloe: (com a mão esquerda sob a sua mão direita) Vinte pratas! Que roubo. E não me chama de "boneca".

Vendedor: Beleza. Vinte pratas, ladra.


Frank Bowers

Chloe: (ao olhar) Frank Bowers? O que ele tá fazendo aqui?

Chloe: (ao interagir) E aí, Frank!

Frank: (Não muito surpreso) Oi...

Chloe: Chloe.

Frank: Eu sei o seu nome, idiota. Eu te vendi maconha todo mês durante um ano.
E esse visú? Tachinha? Acho que tá forçando a barra.
O que cê tá fazendo aqui?

Chloe: (eufórica) Vim ver o Firewalk, cara. Eles são foda.

Frank: Como cê ficou sabendo dessa parada?

Chloe: (surpresa) Ué, pela internet. Não é óbvio?

Frank: Sério? Maldita criançada...

Tem uma erva aí?

Chloe: Então, tem algum aí? Seria ótimo ter uma brisa agora pra relaxar.

Frank: Claro. Assim que você pagar as 175 pratas que me deve.

Aqui tá a grana

Caso você tenha pego o dinheiro do vendedor
Chloe tira do bolso o dinheiro fazendo com que Frank se espante.

Chloe: Me descola uma erva, e ficamos quites?

Frank: Pra que você tá andando com tanto dinheiro assim? Você não pensa antes de fazer as coisas, né?

Chloe: Não. Cadê minha ganja?

Frank dá para a ela.

Frank: E chega de fiado. Não faço trabalho de caridade.

Chloe: (alegre) Você é gente boa, Frank.

Frank: (discorda de cara fechada) Não sou, não.
Agora cai fora, Price. Tá queimando meu filme.

Chloe: Te vejo depois.

Frank: Que se dane.

Faz fiado?

Chloe: (esperançosa) Não dá pra me fazer fiado? Você sabe que eu pago.

Frank: Sem essa. Eu já aprendi da última vez. A grana primeiro.

Você vem sempre aqui?

Chloe: Então... você vem sempre aqui ou...

Frank: (seco) Sim.

Chloe: É, bacana.

Frank: (seco) Que bom que você aprova.

Deixa pra lá

Chloe: Te vejo depois.

Frank: Que se dane.

Acesso ao palco

Chloe: (ao observar e pensar) Cacete, tem muita gente aqui.

Chloe: (ao acessar) Lá vamos nós

Ao tentar entrar, Chloe não consegue e acaba sendo empurrada e esbarrando em dois caras estranhos.

Caras estranhos

Chloe: (pensando) Ah, merda

Cara estranho: Ei, você tá bem?

Chloe: Tô de boa.

Chloe tenta sair mas o cara estranho a impede.

Cara estranho: Relaxa. Você que trombou em mim, lembra?

Insultar

Chloe: Cai fora, cara.

Cara estranho: Você não sabe quem eu sou, né?

Chloe: Ahn, não. E tô cagando pra isso.

Chloe vai caminhando e o cara estranho vira para trás.

Cara estranho: Vamos ver se tá com essa moral toda, então.

Segundo cara estranho: Vaca.

Chloe mostra o dedo do meio e sai do tumulto.

Chloe: (pensando) É, já vi que não vai rolar bate-cabeça pra mim. Beleza.

Desculpar-se

Chloe: É, foi mal, cara.

Cara estranho: Você não sabe quem eu sou, né?

Chloe: Não. E nem quero saber.

Chloe vai caminhando e o cara estranho vira para trás.

Cara estranho: Vamos ver se tá com essa moral toda, então.

Segundo cara estranho: Vaca.

Chloe mostra o dedo do meio e sai do tumulto.

Chloe: (pensando) É, já vi que não vai rolar bate-cabeça pra mim. Beleza.

Chloe: (pensando) Talvez eu consiga uma visão melhor do show lá de cima.

Um novo dialogo é desbloqueado, ela poderá usar para obter alguma informação extra com Frank Bowers

Segunda interação com Frank Bowers

Quem é o cara que eu irritei?

Chloe: Viu aquele cara com quem eu trombei? Ele achou que eu devia saber quem ele é.

Frank: Ah, sim. Eu conheço ele. Trabalha pro Damon.

Chloe: Damon Merrick?

Frank: Então já ouviu falar nele. É o dono daqui. O Damon é... um amigo meu.

Onde essas escadas vão dar?

Chloe: (pergunta) Onde essas escadas vão dar?

Frank: (irônico) Ahn... lá em cima?

Chloe: Puxa, obrigada, Frank. Quero dizer, será que dá pra ver a banda lá de cima?

Frank: Como que eu vou saber?
O piso de cima tá todo fodido, tá? Ninguém sobe lá.

Chloe: (se despede) Deixa pra lá.

Frank: (se despede) Que se dane.

Chloe começa a subir as escadas, após pisar em uns dos degraus, ela verifica o piso podre mas ignora.

Chloe: Isso aí! Finalmente consegui, não acredito!
Chloe começa a curtir o show, ela dança, se senta e depois deita. Mas logo em seguida, ela é interrompida pelos mesmos dois caras estranhos.

Segunda interação com os caras estranhos

Cara estranho: (Apontando o dedo na cara de Chloe e irritado) Você derramou a minha cerveja. Vaca.

Chloe se levanta e vai em direção aos dois caras estranhos.

Chloe: Você devia ter mais cuidado. O lugar tá cheio.

Cara estranho: Não gosto dessa sua atitude.

Ir embora

Chloe tenta ir embora mas o cara estranho não deixa.

Cara estranho: Ah, não acabamos ainda.

Pedir desculpas

Chloe: Ei, me desculpa pela cerveja, tá?

Cara estranho: Isso não basta.

Insultar

Chloe insulta e aponta o dedo para o cara estranho.

Chloe: Então que tal eu dizer o quanto vocês são patéticos, fazendo essa ceninha por causa de uma cerveja derramada?

Segundo cara estranho: Acho que ela tá desafiando a gente, cara.

Cara estranho parte lentamente pra cima de Chloe, fazendo ela recuar lentamente e o segundo cara estranho o acompanha.

Cara estranho: Ela vai engolir cada palavra. Cada. Palavra.

Segundo cara estranho: Isso vai ser bom.

Cara estranho: (apontando o dedo para Chloe) Vou ensinar boas maneiras pra essa pirralha.

Chloe vai recuando e olha para trás e vê que está sem saída.

Chloe: (Insegura) Falando sério! Vai querer me ver zangada aqui? Por que eu tô ficando. E não vai ser legal. Não vai!

Segundo cara estranho: (botando pilha) Ela acha que pode contigo!

O cara estranho quebra a garrafa, e pronto para apunhalar Chloe com a garrafa quebrada, quando de repente é interrompido por uma garota.

Garota estranha: Ei, Otário!
Agora entramos na primeira escolha de maior impacto do jogo.

Atacar

Chloe irá aproveitar a distração dos caras estranhos e pegará a garrafa da mão e baterá com a mesma na testa do cara. O segundo cara estranho acerta um soco em cheio no seu olho direito (da perspectiva de Chloe) e ela coloca a mão no local atingido e vai para a garota estranha.

Chloe: Rachel?
Rachel olha zangada pros dois caras e puxa Chloe pela mão, descendo as escadas rapidamente.

Fugir

Chloe irá aproveitar a distração dos caras estranhos e irá correr para a Rachel. Ela irá jogar uma garrafa na testa do cara estranho, acertando-o em cheio e derrubando-o. Chloe corre em direção a garota estranha.

Chloe: Rachel?
Rachel olha zangada pros dois caras e puxa Chloe pela mão, descendo as escadas rapidamente.

Ambas começam a correr, rapidamente, até a entrada da platéia. Frank, sentado no sofá, irá notar e verá que teve um tumulto lá em cima. Ele impedirá dos caras estranhos irem atrás delas.

Os caras estranhos tentam passar por Frank.
Cara estranho: (com pressa) Me solta, Frank!

Frank: Não vai rolar. Se acalma!

Cara estranho: Qual é, cara!

Chloe e Rachel ficam observando a cena.

Frank: Vai embora.

Cara estranho: Que merda. (levanta a mão pra cima) Não fode.

Frank: Dá o fora daqui.

Elas esboçam um sorriso, e num ato de sarcasmo, Rachel manda um beijo e Chloe manda um beijo e logo em seguida mostrando o dedo do meio. Elas vão para a plateia e começam a curtir, dançar a noite inteira do concerto da Banda Firewalk.

Casa dos Price (2º andar)

Quarto da Chloe

O alarme da Chloe toca e começa a tocar música e ela acorda. Ela se vira na cama para pegar seu cinzeiro, coloca sob o peito e começa a fumar. Após alguns momentos ela para de fumar, coloca o cinzeiro onde estava e senta em sua cama.

Chloe: (pensando) Às vezes... eu só queria fechar os olhos e mandar o mundo todo pro inferno.

Chloe: (olhando seu diário) Rituais diários são importantes, mesmo quando envolvem escrever cartas ignoradas para amigas que se esqueceram de você...

Chloe: (olhando para uma foto dela com William e Max) Ei, Max. Ei, pai. Mais um dia no paraíso, né?

Joyce: (do térreo) Chloe! Hora de acordar e vir papar!

Chloe: (pensando) Noite passada... O show do Firewalk... Aqueles caras escrotos... Aquela... garota... Será que era mesmo a Rachel Amber?

Chloe levanta da cama.

Chloe: (pensando) Tô cheirando a cigarro e cerveja. Melhor trocar de roupa.
Chloe vai até sua cômoda e troca de roupas.

Chloe: (pensando) Não posso sair sem minhas vitaminas.

Chloe vai até uma bandeja ao lado de sua cama e pega a maconha, guardando no bolso da calça.

Chloe: (bocejando) Eu preciso ir logo.

Chloe vai abrir a porta mas para.

Chloe: (pensando) Porra, cadê meu celular? Não tá aqui. Eu fiquei tão bêbada assim ontem?

Joyce (do térreo) Chloe! Já te chamei!

Chloe: (pensando) Melhor eu ligar pro meu celular do telefone da minha mãe.

Chloe sai de seu quarto.

Quarto da Joyce

Chloe: (pensando) Tá, o telefone da minha mãe deve estar no quarto dela. Posso usar pra ligar pro meu e descobrir onde diabos deixei ele.

Chloe entra e explora o quarto de Joyce. Ela pega o celular de sua mãe do criado-mudo e desbloqueia a tela.

Chloe: (vendo a foto de fundo de Joyce com David) Como a minha mãe consegue olhar pra isso todo dia e não perceber que tá saindo com um idiota?

Chloe liga para seu celular e ouve ele tocando, e coloca o celular de sua mãe de volta no criado-mudo.

Chloe: (pensando) Parece que meu celular tá por perto...

Banheiro

Chloe segue o som e encontra seu celular no chão do banheiro, debaixo de uma toalha, ao lado da privada.

Chloe: (pegando o telefone) Prontinho. Quantas ligações será que eu perdi?

Chloe poderá ver uma mensagem de sua mãe e outra de Eliot em seu celular.

Joyce: (do térreo) Chloe, vem tomar café! E traz a minha bolsa, por favor!

Chloe: (guardando o celular no bolso) Tá bom, tá bom. [pensando] Acho que vi a bolsa da minha mãe no quarto dela.

Chloe volta para o quarto de Joyce e pega a bolsa dela.

Joyce: (do térreo) Ah, pode trazer meu celular também? Chega de enrolar, preciso falar com você!

Chloe: (pensando) É, agora sim estou com pressa.

Chloe coloca o celular de Joyce dentro de sua bolsa e sai do quarto. Ela começa a descer as escadas.

Chloe: Tô indo, mãe!

Casa dos Price (Térreo)

Sala de Estar

Joyce: Finalmente! Deixa a bolsa em cima da mesa de jantar. Se correr, ainda dá tempo de comer alguma coisa.

Chloe: (pensando) Mesa de jantar, aí vou eu.

Chloe vai até a mesa de jantar e coloca ali a bolsa de Joyce.

Joyce: Chloe, não tenho o dia todo. Dá pra você vir logo aqui?

Chloe: (pensando) É melhor eu ver o que minha mãe quer, antes que ela tenha um treco.

Cozinha

Diálogo com Joyce

Chloe: Oi, mãe. Queria falar comigo?

Joyce: Chloe! O que aconteceu com você?

Chloe: Não foi nada. Trombei numa porta.

Joyce: Você parece estar trombando em muitas portas ultimamente.

Joyce: Sabe quando te mando uma mensagem de texto? Tipo ontem à noite? Eu espero uma resposta.

Chloe: É só falar "mensagem". Não precisa falar "mensagem de texto".

Joyce: E espero uma resposta sem essa atitude.

Chloe: Foi mal. Entendi. Vou tentar responder sempre.

Joyce: Obrigada.

Chloe: Eu tava dormindo. Só recebi suas mensagens agora.

Joyce: Assim fica difícil confiar em você.

Chloe: É sobre isso que você queria falar?

Joyce: Por que você e o David são assim? Sempre direto ao assunto. Por que não podemos ter uma conversa agradável antes de você ir pra escola?

Chloe: Ah, tá. Escola. Meu lugar favorito.

Joyce: Você adorava aprender.

Chloe: É. E eu falava mal de quem usava drogas.

Joyce: Não brinca com essas coisas.

Chloe: Você percebe que odeio seu namorado com todas as minhas forças, não?

Joyce: Chloe! Você não odeia ele.

Chloe: Ele me chama de "mocinha". É um babacão.

Joyce: Ele é meio antiquado.

Chloe: É. Um babacão antiquado.

Chloe: Achei que você odiava carne assada.

Joyce: Você não é obrigada a comer se não quiser.

Chloe: Não, você odeia carne assada. Pra mim, tanto faz.

Joyce: Eu não odeio. E o David gosta. E não diga que pra você tanto faz.

Chloe: Então agora é assim? Você faz tudo que seu namorado gosta?

Chloe: Vai vender seu anel de noivado?

Joyce: Chloe, há muitos motivos para avaliar joias. Pra fazer um seguro, por exemplo.

Chloe: Bela resposta.

Joyce: Que tal você não entrar no meu quarto quando eu não estiver lá?

Chloe: Que tal não me pedir para pegar sua maldita bolsa, então?

Joyce: Não vamos brigar. Fiz café da manhã pra você!

Chloe: Não, depois... eu como alguma coisa.

Joyce: Ah, você vai rir dessa. Outro dia eu fiz quatro ovos, dois pro David, dois pra mim. E aí quando eu ia servir, ele pergunta "O que você vai comer?"

Chloe: Era pra eu rir, é?

Joyce: Firewalk. Foi dessa banda que você falou semana passada?

Chloe: Ainda tô chateada por você não ter me deixado ir.

Joyce: Uhum.

Chloe: O quê?

Joyce: Cansada, é? Isso é pra você aprender a chegar cedo.

Chloe: O quê?

Joyce: Eu sei a hora que você chegou ontem. E não pense que vai matar aula só porque perdeu o ônibus outra vez.

Chloe: Por que você acha que--

Joyce: Pra quem você acha que o diretor liga quando você mata aula? Acha que gosto de mentir, dizendo que você tá doente, pra não ser expulsa?

Joyce: E fique sabendo que eu conheço o cheiro de maconha.

Joyce: Vejo suas notas e seu desdém pelas minhas regras... Está cada vez pior. Fico preocupada.

Chloe: Mas, mãe... Meu objetivo é baixar as expectativas pra que você nunca mais se decepcione comigo.

Joyce: Você está feliz com essa vida? Ótimo. Continue assim. Só me avise para eu parar de lutar com a Blackwell pra manter a sua bolsa. Já estamos sem dinheiro, de qualquer forma.

Chloe: Eu acho que só preciso ficar sozinha.

Joyce: Eu acho que você tem dezesseis anos e não sabe do que precisa.

Chloe: Eu acho que o David podia pagar aluguel. Ele tem dormido bastante aqui.

Joyce: Como você sabe? Nunca está aqui.

Joyce: O David acha que você precisa de disciplina.

Chloe: O David devia tomar conta da vida dele.

Joyce: Eu acho ótimo o David se interessar. Ele é uma boa pessoa. Talvez possa ajudar.

Chloe: Meu pai era uma boa pessoa.

Joyce: Isso não é justo. Eu... fico feliz que seu pai ainda tenha um lugar no seu coração. Mas temos que abrir espaço para novas pessoas.

Chloe: E, às vezes, quando estamos incrivelmente desesperadas e solitárias, escolhemos abrir espaço pro tipo mais errado de pessoas... Mãe.

Chloe: Seu namorado é um babaca.

Joyce: Ele tem sido bom pra mim. Talvez vocês não tenham se entendido porque você tem sido rude.

Chloe: Ele ainda tá vivo. Então não tem do que reclamar.

Joyce: O David também já teve momentos difíceis. Se ele decidir compartilhar isso com você, espero que escute--

Chloe: Como se eu fosse deixar ele chegar perto de mim.

Joyce: ...quando ele te levar pra escola hoje.

Chloe: Muito engraçado.

Joyce: Você vai ser gentil. Vai agir com respeito. E vai agradecer.

Chloe: Tá falando sério? Isso é a maior...

Joyce: O quê, Chloe? A maior o quê?

Chloe: (pensando) Urgh! Ela tá tentando, né. Talvez eu também devesse tentar. Mas de que adianta ficar de boa tendo que fingir que tá tudo bem, se não tá?

Chloe: Mãe, eu sei que você lida com muita coisa.

Joyce: Obrigada. Entendo que você não precise mais de mim. Mas eu preciso de você.

Chloe: Eu preciso de você, sim. Você é minha mãe.

Joyce: Tenho orgulho da sua autossuficiência. Mas nem todo mundo é seu inimigo.

Chloe: Diz isso pro mundo.

Joyce: Você é impossível! Mas eu te amo.

Chloe: Eu também te amo.

Joyce: Uhum. Ok, o David está esperando. Leva as chaves dele que estão no cinzeiro. Tentem não se matar.

Chloe: Tá bom. A não ser que ele tente me dar conselhos. Ou me olhe esquisito.

Joyce: Chloe!

Chloe: Ou só olhe pra mim.

Joyce: Chloe.

Chloe: Mãe.

Joyce: Tenha um bom dia.

Chloe: Você também.

Chloe: Você quer que eu finja que gosto do David, que tá tudo bem? Não tá. Ele é um chauvinista merdalhão, francamente, e--

Joyce: Chloe! Se o seu pai te ouvisse agora...

Chloe: Não, tem razão. O papai e o Bigode iam se dar muito bem. A cama é grande. Tem espaço suficiente pra vocês três.

Joyce: Já chega! Eu só peço um pouco de respeito. Por que isso é pedir demais? Eu amo você, Chloe. E sinto sua falta. Ninguém poderia substituir seu pai. Eu fiz o melhor que pude.

Chloe: Mãe...

Joyce: Eu não sei quando perdi você.

Chloe: Você não me perdeu.

Joyce: Ok. O David tá esperando. Ele vai precisar das chaves. Estão no cinzeiro que você fez. Vai lá dar trabalho pra ele.

Chloe: (pensando) Levar a chave do carro pro David é a coisa mais humilhante que a minha mãe poderia me pedir.

Chloe olha para trás pra ver se Joyce não está vendo e rapidamente coloca o dinheiro na bolsa dela.

Chloe: De nada.

Chloe vai até o cinzeiro e, hesitando um pouco, pega as chaves que estão nele.

Chloe: (pensando) Melhor levar isso pro David, aí ele pode ir embora. Não adianta tentar evitar a tortura de ir pra escola com o David. Melhor eu ir logo.

Garagem com David

Chloe sai da casa e vê David.

Chloe: (pensando) Mas que merda. O carro também.

Ela dá um salto no chão e David percebe a presença dela.

David: Por que as mulheres sempre demoram tanto para se arrumar?

Chloe: A gente espera que vocês desistam de esperar.

Chloe joga as chaves para David e ele consegue pegá-las a tempo, guardando-as em seu bolso. Ele faz um sinal para que ela venha até onde ele está.

Chloe: (pensando) Não, mãe, juro que ele mesmo se espancou com uma chave de roda. Até a morte.
Ela se aproxima dele.

David: Chloe, isso é um olho roxo?

Chloe: Não.

David: Insubordinação. Não é à toa que sua mãe está preocupada com você.

Chloe: Ah, que beleza.

David: Quando eu tinha sua idade, também me metia em problemas. Mas isso não é responsável. Você deve à sua mãe um comportamento melhor.

Chloe: (pensando) Por que acha que devo algo à ela, seu nojento?

David: (analisando o carro) O isolador do eletrodo deve ter partido. Você sabe o que uma vela de ignição faz?

Chloe: Sim.

David: Ela liga a--

Chloe: Não me ouviu? Eu disse que sei o que ela faz.

David: Então pega meu jogo de chaves de soquete na garagem pra gente agilizar isso.

Chloe: (pensando) Ele acha que vai ser divertido? Melhor eu trazer a ferramenta dele e acabar logo com isso.

Chloe poderá pegar o chave de soquete que está ao lado direito de David.

David: Você é surda ou só preguiçosa?

Chloe: (irônica) Você disse que queria sua chave de soquete.

David: Essa é de 5/8. Preciso da extensão de 13/16. Que está dentro da caixa. Na garagem, como eu disse. Não é possível.

Chloe poderá falar com David antes de entrar na garagem.

Chloe: Onde tá o jogo de chaves de soquete mesmo? Só achei coisas da família na garagem. Sabe? Nada seu?

David: Não é hora de fazer onda. Está na caixa de ferramentas. Na garagem. Não vou deixar você se atrasar para a aula.

Chloe entra na garagem e vê algumas coisas de David guardadas lá.

Chloe: (pensando) Por que o David tá deixando as coisas dele na nossa garagem? Ele acha que já mora aqui ou algo assim?

Ela vai até a caixa de ferramentas dele e se abaixa para abri-la. De lá, ela pega a chave de soquete.

Chloe: (pensando) Cinquenta por cento de chance de eu tacar isso na cara dele. Talvez 60%. Ou 90%.

Chloe volta para David e mostra a ele a chave de soquete.

David: Não custava nada ter um pouco mais de pressa.

David estende a mão para pegar a chave de soquete mas Chloe move a mão para o lado. David franze as sobrancelhas para ela e ela dá a ele a chave de soquete. Ele pega e começa a consertar o carro.

David: Tá vendo essa sujeira bem aqui? Isso é um sinal de--

Chloe: Acúmulo de fuligem? Não brinca.

David: Sabe, você poderia ser boa de verdade nisso se melhorasse essa atitude.

Chloe: Minha atitude é o que me torna especial, David.

David: Prontinho.

David termina de consertar o carro e fecha o capô. Ele estende seu punho para Chloe em forma de cumprimento.

Chloe: Tá, que se dane.

Ela dá um soquinho no punho dele e depois limpa sua mão nas calças.

Chloe se afasta mas David pega o pulso dela e dá um soquinho no punho dela.

Chloe: Que por--

David: Suas ações são o que constroem o seu caráter.

Chloe: (pensando) Agora eu preciso de um banho.

David vai para a garagem e coloca a chave de soquete de volta em sua caixa de ferramentas. Ele pega a caixa de ferramentas do chão e vai em direção à uma mesa no canto.

Chloe: Ei, você vai levar essas ferramentas embora, né?

David: (colocando a caixa de ferramentas na mesa) Toda casa precisa de uma boa caixa de ferramentas.

Chloe: (suspira) Já temos uma. Mas obrigada.

David olha para Chloe e para a pequena caixa de ferramentas ao lado da sua na mesa e ri. Logo depois, ele e Chloe entram no carro.

David: Pronta pra ir?

Chloe: (pensando) Por favor, não tente puxar conversa. Por favor, não tente puxar--

David: Queria falar com você sobre um assunto.

Chloe: (pensando) Porra!

David: Não temos que gostar um do outro, mas você vai ter que me respeitar. Você já passou muito tempo sem uma figura paterna. Então eu queria muito esclarecer algumas coisas...

Chloe: Uhum.

David: A Joyce... sua mãe... está magoada, Chloe. Sofrendo por você. Entendo que você passou por maus bocados. Mas isso de passar a noite fora, ignorar o que ela diz, beber... usar drogas? Você tá dificultando tudo. Pra ela. Você precisa melhorar, tomar jeito e começar a pensar nos outros, não só em você mesma, pra variar. Estou sendo claro?

Chloe: (pensando) Seria doideira admitir que parte do que o David tá dizendo faz sentido?

Chloe: Entendi. Obrigada. Temos que ir agora.

David: (levemente surpreso) Que bom que nos entendemos.

Chloe permanece em silêncio.

David: Você não sabe como é sortuda por ter uma mãe como a Joyce. Ela é uma mulher incrível. Ela te mima, é verdade. Mas só porque ela te ama. O problema é que ninguém aprende a ter disciplina assim. Me dê uma chance de mostrar a ela como as coisas podem ser, e você vai mudar rapidinho. Escreva o que estou dizendo...

Chloe: (pensando) Respeitar? Vou ter que mostrar pra esse cuzão que não tô interessada em nada que ele tem a dizer.

Chloe: Quero esclarecer também: vá se foder.

David: Olha a linguagem! Você precisa de limites, mocinha.

Chloe: Linguagem?

Chloe: Je m'appelle cagué e andé!

David: Você é metida a espertalhona, não é?

Chloe: Olha só, deixa eu falar numa língua que você entenda: Vaia. Sentado. Fuligem.

David: Você é metida a espertalhona, não é?

Chloe: Desculpa, não dá pra te levar a sério com esse bigode.

David: Você é esperta. Pena que não sabe com quem está lidando aqui.

Chloe: Não me acho esperta. Só acho que você é idiota. Tipo, é óbvio.

David: Ei! Olha essa -- A minha merda é maior que você, entendeu?

Chloe: Você não me ameaça. Sabe como eu sei? Porque você acabou de tentar e vá se foder.

David: A minha merda é maior que você. Não se esqueça.

Chloe: Deixa eu simplificar pra você. Quer dizer... foi mal. A palavra "simplificar" é muito grande?

David: Ei! Olha essa -- A minha merda é maior que você, entendeu?

Chloe: Aaah, então isso explica o cheiro. Um monte de merda.

David: Você--! Sua mãe... Você tá partindo o coração dela!

Chloe: Espero que você desentupa privadas melhor do que conserta carros.

David: Você--! Sua mãe... Você tá partindo o coração dela!

Chloe: Pode me dar logo um tiro e acabar com meu sofrimento? Ou em você mesmo, pelo mesmo motivo?

David: Partiria o coração da sua mãe ver você falando assim.

Chloe: Pode parar de fingir que se preocupa e vai se foder.

David: Se você falasse assim no exército, teria que lavar latrinas por um mês.

Chloe: Deixa minha mãe fora disso. O lance é entre nós dois, e você ser um cuzão.

David: Eu estive no exército! Você vai me respeitar!

Chloe: Pelo menos ela tem coração. Você só tem... Nem sei explicar, um bigode de ator pornô e zero noção?

David: Eu estive no exército! Você vai me respeitar!

Chloe: Não me lembro de ter me alistado. Então não me trate como sua nova recruta.

David: Escuta. Nessa casa -- Eu tenho um trabalho pra fazer e... você também!

Chloe: Você não é meu pai. Você nem vive no mesmo planeta que o meu pai.

David: Meu trabalho é garantir que você e sua mãe tenham um lar seguro e tranquilo.

Chloe: A constituição não impede que soldados ocupem a casa de civis sem consentimento? Porque, que eu me lembre, não te dei consentimento.

David: Escuta. Nessa casa -- Eu tenho um trabalho pra fazer e... você também!

Chloe: Por que não vai embora e finge que nada disso aconteceu? Finge que "você" nunca aconteceu.

Chloe perde.

Chloe: Que tal manter nosso lar seguro à distância? Tipo, a gente aqui, e você lá na Flórida.

Chloe vence.

Chloe: Por acaso, eu passo no seu trabalho e -- ah, verdade, você não trabalha.

Chloe vence.

Chloe: Se o seu trabalho é foder com a minha vida, você merece um aumento. E uma porra de uma sala melhor.

Chloe vence.

David: Se você fosse homem, eu...

Chloe: Tudo bem. Se você fosse homem, eu também não pegaria tão leve.

David: Nem sei por que eu ainda tento.

Chloe: (pensando) Missão cumprida.

David: Já chega! Não vou tolerar seu desrespeito. O respeito à autoridade nos une, nos dá dignidade. E somos melhores unidos, não divididos.

O diálogo da parte Ignorar e Resistir terminará a cena.

Chloe se encosta no banco e dorme.

Primeiro Sonho

Chloe acorda no carro de William.

Chloe: (pensando) Música... country? O papai adorava essa música... [balançando a mão pela janela e cantando] Eu liguei para dizer que sinto sua falta, meu velho amigo. Acordado até tarde de novo. [pensando] Que dia lindo.

Primeira conversa com William

Chloe: Aumenta o som, pai!
William aumenta a música.

Segunda conversa com William

Chloe: Pra onde a gente tá indo, pai?

William não responde.

Chloe olha para a chave de soquete em sua frente.

Chloe: (pensando) Eu sei o que uma vela de ignição faz, imbecil.

Chloe olha para a bolsa ao seu lado.

Chloe encontra a mesma foto de família, com David no lugar de William.

Chloe: (pensando) Isso... Isso tá zoado...

Chloe não encontra nada na bolsa.

Chloe: (pensando) Será que a minha mãe deixou a bolsa aqui?

William: (cantarolando) Buscando meu amorzinho do mercado.

Chloe ouve uma buzina três vezes e se aproxima de William em pânico.

Chloe: (gritando) PAI!

Um caminhão bate no lado esquerdo do carro atingindo William, e tudo fica preto.

Blackwell

Carro do David

David: Ei!

Chloe: (acordando) ...que porra?

David: Sai do carro, Chloe. Você vai se atrasar.

Chloe abre a porta, sai do carro e fica parada segurando a porta e olhando para David.

Chloe: Que se dane.

David: De nada!

Chloe: Merda. Valeu.

David: Não me venha com esse tom sarcástico, mocinha. Eu vi você girando os olhos.

Chloe: Mas hein? Eu só tava agrad--

David: Você não me engana.

Chloe: Eu aviso, não engano.

Chloe fecha a porta do carro e David vai embora.


Campus Principal

Chloe: Oi, BlackHell.

Chloe entra no campus. Eliot vê ela, fecha o livro que está lendo e chama ela.

Conversa com Eliot

Eliot: Oi, Chloe.

Chloe: E aí, Eliot.

Eliot: Ei, o que houve com o seu rosto? Precisa ir no médico ou algo do tipo?

Chloe: Isso aqui? Você precisava ver o outro cara.

Eliot: Ah, então é verdade.

Eliot: Fiquei sabendo que você teve uma noite e tanto. Digo, as pessoas tão comentando.

Chloe: E quem exatamente tá falando mal de mim?

Eliot: Ah... os invejosos. Nas redes sociais.

Chloe: Que ótimo. Todo mundo tinha que ir cuidar da própria vida.

Chloe: As pessoas podem ir chupar uma pica. Nenhum troll pode estragar uma noite incrível como a de ontem.

Eliot: E o que você acha da Tempestade... cúmulo da pretensão do Teatro da Blackwell.


Chloe: (olha para um cartaz da Tempestade em um quadro de notícias ali perto) Total.

Eliot: Eu sei que vai ser ridículo, mas tava pensando... quer ir ver junto comigo amanhã?

Chloe: De jeito nenhum. Prefiro que arranquem os meus olhos com um garfo enferrujado.

Eliot: É, pois é. Acho que eu também.

Chloe: Eu tento seguir uma regra de não ir à escola mais que o necessário. Mas ficar zoando esses atorezinhos da última fileira pode ser divertido.

Eliot: Não é? Era nisso que eu estava pensando.

Chloe: Certo, te vejo na aula de química.


Eliot: Ah, com certeza!

Chloe dá tchau pra ele antes de se afastar e Eliot volta a ler seu livro.

Chloe: (pensando) Preciso achar a Steph pra pegar o meu DVD. A aula não começou ainda.


Conversa Opcional com Justin

Justin: Caraca, garota. Esse olho tá bizarro! O que houve?

Justin: Ei, Price! Se meteu em alguma furada ultimamente?

Chloe: Noite passada, eu fui numa festa irada naquela serraria antiga, no norte. Uma parada tipo "faça você mesmo".

Justin: Caraca, sério? Achei que lá fosse tipo o paraíso da metanfetamina. O meu primo conheceu uma puta lá e--

Chloe: Cara, esquece. Foi legal, falou? Você não vai entender.

Chloe: Ei, uma pergunta aleatória... o que você acha da Rachel Amber?

Justin: Ela é foda, principalmente se você gosta de menina que é gostosa, inteligente e gostosa. Digo, ela me ajudou há um tempo, quando eu tava me ferrando em álgebra.

Chloe: Acredito.

Justin: Pois é. Tomei bomba no último outono, e ela me deu aula particular até o final do semestre. Aí eu detonei! Tirei 8.

Chloe: Hum.

Chloe: Cara, esse teu cheiro tá tenso.

Justin: Tá dizendo que eu tô fedendo a maconha?

Chloe: Exatamente.

Justin: Falou. Muito bem notado, Price. Quer um trago?

Chloe: Tipo, aqui?

Justin pega um desodorante e borrifa em si mesmo e depois na Chloe.

Chloe: (balançando a mão em frente do rosto) Valeu.

Chloe: Beleza, a gente deve se ver na aula.

Justin: Falou.


Conversa Opcional com Skip

Chloe: Ei, Skip. Tem impedido muita guerra de gangues ultimamente?

Skip: Hoje não.

Skip: Você, por outro lado, parece que sim!

Chloe: Ahn? Ah, tá. Tanto faz.

>Skip: Eu pedi pra mãe do Justin Williams tirar a Mercedes da vaga de deficientes.

Chloe: Irado.

Skip: É, você me conhece.

Chloe: Então, noite passada eu fui na serraria, vi o Firewalk ao vivo.

Skip: É, tô vendo... Peraí, você foi na serraria ontem à noite?

Skip: Você foi na serraria? Peraí, você viu o Firewalk?

Chloe: Foi maneiro.

Skip: Uau! Irado. Não sabia que você curtia esse tipo de música.

Chloe: Que tipo? Música boa?

Skip: (risos) Pode crer, maninha.

Chloe: Não se deve julgar uma garota pela escola elitista e fascista que ela é forçada a ir pela mãe, ok?

Skip: (risos) Eu sei.

Skip: Eu tenho uma banda, aliás.

Chloe: Tá zoando... sério?

Skip: O nome é PissHead. N-não é nada de mais. Digo, eu tô tentando promover a nossa demo, mas é dureza.

Chloe: PissHead, é?

Skip: Quer ouvir? A nossa demo, d-digo.

Chloe: Sim, ok.

Skip: Legal!

Skip pega seu celular e toca a demo para Chloe. Ao término da música, ele guarda o celular em seu bolso.

Skip: E aí... o que achou?

Chloe: Pô, cara, é bom pra cacete! Se tocarem PissHead na rádio, eu ponho o volume no máximo.

Skip: Pô, Chloe, que da hora! Valeu mesmo!

Chloe: Cara, acho que não é muito a minha.

Skip: Ah. É meio bizarro, mesmo. A gente ainda tá se descobrindo.

Chloe: Boa sorte aí.

Chloe: Olha, Skip, eu tô com pressa. Talvez depois.

Skip: Ah, sim, não esquenta. Tudo bem. Depois é tranquilo, não tem pressa. Bem, valeu aí, Chloe.

Chloe: E aí, se divertindo muito com a mãe do Justin?

Skip: Haha. Não, mas se você encontrar com o Justin, fala que eu não vou poder ignorar aquele cheiro de maconha dele por muito tempo.

Chloe: Fala você, Skip. Não é problema meu.

Skip: Eu tô tentando fazer um favor pra ele.

Skip: Falando em favores...

Chloe: Ah, sim. Acho que passei muito tempo com o Justin hoje cedo. Acho que o cheiro dele ficou impregnado em mim.

Skip: Aham. É bom ver os alunos de alto risco andando juntos.

Skip não comenta sobre o cheiro da Chloe.

Skip: Achei que os alunos de alto risco sempre andassem juntos.

Chloe: Alto risco?

Skip: Ai, cacete. Foi mal. Esquece que eu falei isso.

Chloe: (pensando) Hum. "Alto risco". Acho que dá pra aprender coisa útil na escola, afinal.

Chloe: Ei, quanto aquela demo... Se ainda tiver um tempinho, eu posso ouvir um pouco.

Skip tocará a demo e Chloe poderá dizer se gostou ou não (aba Show do Firewalk).

Chloe: Preciso ir pra aula. Depois a gente se fala, Skip.

Skip: Beleza, Chloe.


Conversa Opcional com a Srta. Grant

Chloe: Bom dia, Srta. Grant.

Srta. Grant: Chloe! Você está bem?

Chloe: Tô sim.

Srta. Grant: Hum.

Srta. Grant: Me diz o que acha desta hipótese: você vai estar sentada na sua cadeira quando a aula de química começar hoje.

Chloe: Não perderia a aula por todo o manganês do mundo, Srta. Grant.

Srta. Grant: Sua sinceridade é impressionante.

Chloe: O charme da ciência é a descoberta, Srta. Grant. Vai ter que esperar pra ver.

Srta. Grant: Com todas as últimas mudanças na Blackwell, acho que tenho que me contentar com a consistência do seu senso de humor, Chloe.

Chloe: De que mudança você tá falando?

Srta. Grant: Bem... os Prescott fizeram uma doação extremamente generosa para a escola, o que é bom... Mas, em vez de financiar ciências e matemáticas, todo o dinheiro vai ser investido em arte.

Chloe: E você acha que não se deve investir dinheiro em arte?

Srta. Grant: Não é bem isso. Recentemente, eu andei defendendo que os programas das exatas precisam de mais apoio, mas parece que os nossos doadores discordam. Acho que é a vida.

Chloe: (pensando) A Srta. Grant parece triste mesmo.

Chloe: Tenta ver por outro lado, Srta. Grant. Mais aulas de arte vão manter os tipinhos esnobes e egocêntricos longe da sua aula de ciências.

Srta. Grant: Articulada como sempre.

Chloe: Talvez em seis meses, apareça outro doador com dinheiro pra, sei lá, mais lasers.

Srta. Grant: Mais lasers?

Chloe: A gente não tem laser?

Srta. Grant: Infelizmente, não.

Chloe: Que triste.


Conversa Opcional com a Victoria

Victoria: Kari Price!

Chloe: É Chloe.

Victoria: Ah... verdade. Tava só brincando. Estão me levando tão a sério desde que eu ganhei o Prêmio de Jovem Artista do Beacon pela minha fotografia.

Chloe: Não me diga.

Victoria: Com isso e o Clube Vortex, é difícil evitar que me coloquem num pedestal ou algo do tipo. Mas você, que anda com a Rachel Amber, deve saber disso tudo, né?

Chloe: Você é do Clube Vortex?

Victoria: Tipo, tecnicamente, não sou membro, mas tô sendo visada.

Chloe: Não sei se eu--

Victoria: O clube deveria ser um grupo da elite da Blackwell, mas, não, é alguma merda hippie antibullying. Espera só até eu ser veterana.

Chloe: Nossa. Prêmio de Jovem Artista.

Victoria: Não é nada de mais. Tipo, umas cem pessoas mandaram trabalho, e a minha fotografia ganhou, sabe?

Chloe: Parabéns, eu acho?

Victoria: Então o Beacon vai me botar na capa do caderno de Cotidiano. E daí?

Chloe: Peraí, o que que tem a Rachel Amber?

Victoria: A Rachel postou uma foto maneiríssima de vocês duas curtindo feito doidas. Conta tudo!

Chloe: Contar o quê, Victoria? É só uma foto, nada de mais.

Victoria: Mas tá no Face! Cara, é óbvio que você e a Rachel são, tipo, bests.

Chloe: Foi uma noite bem normal pra gente. A gente ouviu música, dançou um pouco, matou um cara...

Victoria: Você é tão engraçada! Mas, sério, não sabia que você e a Rachel eram bests.

Chloe: A gente não é.

Victoria: Mas do que ela gosta? Sabe? Qual é a dela? Drogas? Não tô julgando, não. Eu pensei que, se ela tá andando contigo, deve curtir umas paradas meio sinistras, né?

Victoria: Tipo, olha só pra sua cara.

Chloe: Sério mesmo, não sei por que você tá falando comigo sobre a Rachel.

Victoria: Todo mundo adora ela. Senhorita Perfeitinha.

Chloe: Ah, então você tem inveja da Rachel Amber. Entendi, já saquei tudo.

Victoria: Ai, eu não tenho tempo pra isso, não. Nem terminei o dever de química ainda, e você tá... sendo você mesma. Argh.

Chloe: Foi mal, Victoria. Não quis ser grossa. Olha, eu já terminei o dever. Quer ajuda?

Victoria: Você... me ajudar?

Chloe: Claro! A última questão era difícil, né? Se eu me lembro bem, a resposta era... vanádio, enxofre, flúor... ahn... Não pode ser isso, né?

Victoria: Perfeito. Poxa, obrigada, Kari.

Chloe: Disponha.

Chloe move sua mão em direção à porta de entrada para que Victoria saia.

Victoria: (indo embora) Por que a Rachel Amber ia querer andar com a Kari Price?

Chloe: É Chloe.


Conversa Opcional com Samantha

Samantha: Oi, Chloe.

Chloe: E aí, Samantha. Tá lendo o quê?

Samantha: Quem Tem Medo de Virginia Woolf?

Chloe: Li ano passado na aula de inglês da Sra. Hoida.

Samantha: Nunca... pensei que você fazia dever de casa.

Chloe: Não costumo, mas essa peça até que é boa.

Samantha: Do que exatamente você gostou?

Chloe: A história é sobre como os relacionamentos só dão certo se as pessoas estiverem dispostas a mentir umas pras outras.

Chloe: Ela é engraçada. Ahn, o título é uma brincadeira com a música "Quem Tem Medo do Lobo Mau".

Samantha: E isso é engraçado?

Chloe: É, se você for o lobo mau.

Samantha: Não sei se você tá brincando. Desculpa, às vezes sou meio lerda.

Chloe: Às vezes, sou meio escrota, então tá de boa.

Samantha: Todo mundo sempre fala isso, mas eu acho que você é... Desculpa, Chloe! Ninguém fala nada assim de você. Não sei do que eu tô falando.

Chloe: (pensando) Até parece.


Conversa Opcional com o Diretor Wells

Chloe está sentada em uma caixa no palco quando Wells se aproxima. Ela o vê, levanta da caixa e pula do palco, caindo em sua frente.

Chloe: Diretor Wells. E aí.

Chloe: (pensando) Fica calma, Chloe. Tem um saquinho de expulsão sabor maconha no seu bolso.

Wells: Chloe Price... isso aí é um olho roxo?

Chloe: Eu... err... é, sim.

Wells: Espero que você saiba que a Blackwell oferece atendimento psicológico sigiloso para todos os alunos. É um lugar seguro para qualquer assunto.

Chloe: Tô bem. O outro cara que precisava de um lugar seguro. Pra se proteger de mim.

Wells: Sempre revalidando a sua reputação, não é mesmo?

Wells: Srta. Price, o aviso diz claramente: "Não ande no palco". Essa falta de consideração pelo esforço dos colegas não vai fazer bem para a sua ficha de grandes delitos.

Chloe: Eu juro que não andei no palco. Só botei um pé na frente do outro.

Wells: Eu tô com cara de quem achou graça?

Chloe: Não sei. Sempre vi o senhor com a mesma impressão. [Wells fica sério] Essa aí mesmo.

Chloe: Quantos pequenos delitos valem por um grande?

Wells: Não estou brincando, Srta. Price.

Chloe: Eu também não. O senhor conhece as minhas notas de matemática.

Wells: Talvez você ache menos graça se eu mencionar as várias alegações que andei ouvindo do seu uso de drogas. Você sabe que a Blackwell tem uma política de tolerância zero.

Wells irá cheirar Chloe e sentir o cheiro de maconha.

Wells: E, se o meu olfato não me engana, eu diria que você esteve exposta a fumaça de maconha recentemente.

Chloe: (pensando) Merda!

Wells irá cheirar Chloe mas não vai sentir cheiro de maconha.

Chloe: (pensando) Eu estaria totalmente ferrada agora se não fosse o Justin.

Wells: Hum... você não está com cheiro de maconha. Mas eu sei que vocês, alunos, conhecem muitas formas de disfarçar.

Wells: Vou ter que revistar você para atestar a veracidade dessas alegações, Srta. Price?

Chloe fica calada.

Wells: Foi o que eu pensei. Vou esperar você na minha sala hoje depois da aula. Que tal?

Chloe: (pensando) O Wells tá me perseguindo. Eu preciso convencer ele de que é melhor ficar longe.

Chloe: Olha, senhor, vou ter que recusar.

Wells: Ah, então vai querer me desafiar agora, é? E eu aqui pensando que o seu poço de sarcasmo tinha secado.

Chloe: Olha, o problema da tolerância é que você precisa construir ela aos pouquinhos. Não adianta querer começar já fumando no bong e achar que tá abafando, né?

Chloe perde.

Chloe: Ah, entendi. Porque o seu nome significa “poço” em inglês, né? O senhor passa o dia inteiro louco por uma chance de fazer piadinha com poço, né? E, agora, chegou o seu momento.

Wells: Piadinhas? Pelo que sei, é assim que o culpado tenta encobrir seus delitos.

Chloe: Olha, meu poço de sarcasmo é tão fundo que o senhor ficaria preso e nunca sairia com vida.

Wells: Piadinhas? Pelo que sei, é assim que o culpado tenta encobrir seus delitos.

Chloe: Desculpa, Wellsinho, mas você caiu na minha armadilha. Eu tô gravando a nossa conversa pro meu blog sobre o desrespeito aos direitos humanos na Blackwell.

Wells: Você tem um blog? Calma aí, que tipo de desrespeito você sofreu?

Chloe: Bem, eu fui obrigada a conversar com o senhor por, tipo, uns dois minutos. Isso é muito tempo.

Wells: Somos uma instituição particular e a política interna permite que eu reviste todos os alunos no terreno da escola.

Chloe: Parece que o senhor desconhece a cláusula básica da constituição canabina: “Toda erva aromática será fumada antes de entrar no terreno da escola.”

Chloe perde.

Chloe: Como o senhor se tornou diretor sem conhecer a Constituição? Quarta Emenda: proteção contra revistas e apreensões arbitrárias.

Wells: Somos uma instituição particular e a política interna permite que eu reviste todos os alunos no terreno da escola.

Chloe: Todo esse papo de tolerância zero com drogas não é bom pra sua pressão. Você precisa achar alguma forma de relaxar. Que tal maconha?

Chloe perde.

Chloe: Bem, a melhor política é a honestidade, né? Talvez eu deva dizer a verdade sobre todas as drogas que são usadas aqui na escola... para o senhor, para o Beacon e para quem mais quiser saber...

Chloe vence.

Chloe: Também faz parte da política rotular alguns alunos como “de alto risco” e se focar neles para aplicar táticas especiais de intimidação?

Wells: Como você sabe dessa nomenclatura?

Chloe: Talvez a pergunta certa deveria ser: o que mais eu sei?

Chloe vence.

Chloe: Me pergunto se os Prescott iriam reconsiderar a doação se o diretor da Blackwell fosse processado por assédio.

Wells: Como você sabe da doação dos Prescott?

Chloe: Talvez a pergunta certa deveria ser: o que mais eu sei?

Chloe vence.

Chloe: Tomara que a Blackwell também tenha um bom seguro para a contingência de um processo judicial. “Aluna de baixa renda, órfã de pai, sofre assédio moral de diretor e recebe indenização de 4,2 milhões”. Soa como uma boa manchete, né?

Chloe vence.

Wells: Eu tenho certeza de que, ahm, não precisamos tornar públicos os seus problemas de comportamento hoje. Mas, não se engane, Srta. Price: essa história ainda não acabou.

Chloe: Ah, nossa. Adoro suspense. [pensando] Engraçado, uns dois anos atrás, algo assim teria me deixado apavorada. Hoje em dia, eu fico tipo, no nível universitário de cagar e andar.

Chloe: Sério, eu--

Wells: Já chega! Eu não preciso te revistar, Srta. Price. Só as suas palavras já me convenceram da sua culpa. Depois da aula, você vai até a minha sala receber uma advertência formal.

Chloe: (pensando) Ótimo. Que... ótimo.

Chloe: Tudo bem. Vejo o senhor depois da aula.

Wells: Estou contando os minutos.

Chloe: (pensando) Mas que mala.


Conversa com Steph e Mikey

Mikey: Se eu soubesse que o vingador celestial estava sangrando, eu totalmente teria dado a minha poção pra ele.

Steph: Mas era um desafio de perícia! A poção não teria funcionado.

Chloe: Desafio de perícia?

Steph: É de um jogo de tabuleiro que a gente joga.

Mikey: Você não vai entender.

Chloe: Me dá um tempo, seus nerds, eu tô ligada em jogo de tabuleiro.

Mikey: Legal.

Chloe: Eu jogava com a minha amiga, Max, mas isso já faz tempo.

Mikey: Legal.

Mikey: Isso sim é uma criatura que eu não ia querer encarar.

Chloe: Tá com o meu DVD?

Steph: (entregando o DVD) Saindo um Blade Runner: Versão do Diretor no capricho.

Chloe: (pegando o DVD) Massa. Cinco pratas, né?

Steph: É presente. Eu fico feliz de alguém aqui gostar dos clássicos. Você até pediu a versão do diretor, que troca aquela narração de merda por uma sequência de sonho superlegal.

Chloe: Vida de sonho melhor que vida real – esse é o meu lema.

Mikey: Isso aí.

Steph: Ei, você sabe se a Rachel é gamer?

Chloe: Rachel... Amber? Você tá perguntando pra mim?

Steph: Vocês não saíram junto? Ou foi tipo uma... coisa de amiga?

Chloe: Por que você quer saber?

Chloe: Não sei o que te disseram, mas eu mal conheço a Rachel.

Steph: Ah! Beleza.

Mikey: (rindo) A Steph tá apaixonaaadaaa.

Steph: (olhando feio para Mikey) Chloe, você devia jogar com a gente.

Chloe: Olha, eu não tenho cinquenta horas sobrando agora. Mas valeu.

Steph: A gente tá no final da campanha, então só vai levar tipo... vinte minutos? Tem outra coisa pra fazer antes da aula?

Chloe: Não tô no clima. Quem sabe mais tarde.

Steph: A gente vai ficar por aqui.

Chloe: (sentando na mesa) Ah, que se dane. Vamos jogar, seus nerds.

Steph: Aqui, uma ficha de personagem. Você é uma elfa bárbara.

Mikey ri.

Chloe: Você tá me zoando de alguma forma nerd obscura?

Mikey: Pensa só. Uma elfa? Tipo, magrinha e meio bizarra? Mas também bárbara, então tipo, muito estourada.

Steph: Em outras palavras, Chloe Price.

Chloe: Nossa. Vocês dois são fogo.

Chloe: Legal. Eu totalmente me vejo como uma elfa bárbara.

Steph: Eu sei, sou boa nisso.

Steph: Beleza, vamos começar. Vocês dois são heróis famosos do reino de Avernon, uma região outrora pacífica que foi assolada pelos sanguinários Saqueadores de Blackwell. Sozinhos, vocês lutaram para atravessar os acampamentos dos saqueadores e encontrar o comandante deles, Duurgaron, o Incólume. Ao entrarem no último acampamento, cansados e sangrando, vocês se vêem vindo da direção oposta.

Mikey: Eu ergo o meu cajado para cumprimentar você. "Eu sou Elamon, feiticeiro do terceiro círculo, principal conselheiro do rei Tiberius e fiel defensor de Avernon."

Steph: (coloca uma boneca elfa na mesa) Introduz a sua personagem.

Chloe: Ah, ok. Eu sou uma elfa bárbara chamada... ahn...

Chloe: Hum... ahm... Chloe.

Steph: Chloe... sério?

Chloe: O quê?

Mikey: Argh.

Chloe: Callamastia!

Steph: Curti horrores.

Mikey: Nada mau.

Chloe: Barb.

Mikey: Não. Não, não, não, não, não. Steph--

Steph: Ei, dá uma chance pra... Barb... ok?

Steph: Os dois heróis--

Mikey: Espera. Com os olhos semicerrados, Elamon contempla a elfa à sua frente e diz: "Eu estou aqui para derrotar Duurgaron, o Incólume, em nome do rei Tiberius. O que faz você pensar que é digna de lutar ao meu lado?".

Chloe: Diz aqui que fui eu quem ensinou o seu amado rei Tiberius a lutar. "Então, Elamon, o que faz você pensar que é digno de lutar ao meu lado?"

Mikey: Você deu aquela elfa bárbara pra ela?

Steph: Dei.

Mikey: Elamon se curva diante da elfa. "Ouvi de você no castelo. O rei Tiberius lhe deve a própria vida. É uma honra lutar ao seu lado."

Chloe: Falou e disse.

Chloe: "Teve uma vez que eu enfiei a espada no peito de um cara e ela saiu do outro lado e matou o cara de trás também. Verdade verdadeira."

Steph: Vocês estão em uma encruzilhada. À esquerda, o campo de treinamento dos saqueadores. À direita, a prisão. À frente, uma tenda enorme e pomposa que, com certeza, pertence à Duurgaron, o Incólume. Pra que lado vocês vão?

Chloe: Pra frente, né? A gente tem que matar esse tal de Dur-não-sei-quê.

Mikey: Elamon franze o cenho. "Os saqueadores devem ter algum tesouro no campo de treinamento. E, sem dúvida, é nosso dever libertar todos os prisioneiros."

Steph: A decisão é sua, novata. Pra onde você quer ir?

Chloe: Tesouro parece uma boa. Bora pro campo de treinamento.

Mikey: Beleza.

Steph: Chegando ao campo de treinamento, vocês são vistos por um orc corpulento que logo começa a gritar e apontar. Tem uns doze saqueadores no campo de treinamento e todos erguem as armas e partem para o ataque!

Chloe: Ok... e o que a gente faz agora?

Mikey: (rolando o dado) Eu lanço uma Explosão Ácida de Ergel.

Steph: Nossa, que exagero.

Mikey: Toma!

Steph: Você conjura uma onda de ácido que varre os orcs. Todos os saqueadores começam a gritar e se contorcer de dor. Sobe um cheiro meio agridoce quando a carne deles começa a descolar dos ossos feito cera quente.

Chloe: Caralho.

Mikey: Tá vendo por que eu não preciso de uma parceira?

Steph: O orc sargento continua de pé com sua corpulência. Ele corre até vocês, brandindo um martelo de guerra gigantesco.

Mikey: Todo seu.

Chloe: Eu dou uma joelhada bem no saco órquico dele.

Steph: Sucesso! O orc leva as mãos até a virilha e jamais poderá gerar filhos no futuro.

Mikey: Ai.

Steph: É sua vez de novo, Chloe.

Chloe: Ok... vamos acabar com isso. Corte Fatal.

Steph: Você ataca com o machado usando as duas mãos num golpe de cima para baixo. O orc pisca, depois é partido ao meio como um pão de cachorro-quente.

Chloe: Isso aí, porra! Eu sou foda nesse jogo.

Steph: Tá indo bem.

Chloe: Eu dou uma porrada bem forte no pomo de adão dele.

Mikey ri.

Steph: Ahm...

Chloe: O que foi que eu falei de errado?

Steph: A habilidade não é bater no pomo do inimigo. É bater COM o pomo do cabo da espada.

Chloe: Ah. Putz. Ok, então eu faço isso.

Steph: Só que você não tá usando uma espada. Tá usando um machado.

Chloe: Que merda!

Mikey: Tudo bem. Tenta usar--

Steph: Demorou muito! O orc tenta golpear a sua cabeça com o martelo dele, e erra por muito pouco. Sua vez!

Chloe: E o tesouro?

Steph: Bem, como o campo de treinamento se transformou num poço de ácido fervilhante, é improvável que tenha sobrado algum tesouro.

Mikey: Que saco.

Chloe: A minha personagem levanta o machado. "Você vai pagar por ter destruído todo o tesouro, Elamon."

Mikey: Peço perdão, pela minha honra. Tome esta poção de presente.

Mikey dá uma bala para Chloe.

Chloe: Valeu, cara.

Chloe: "Não se preocupe, Seu Elamon. Todo mundo erra."

Mikey: Elamon consente.

Mikey: "Callamastia, a elfa bárbara, é sábia e misericordiosa."

Mikey: "Chloe, a elfa bárbara, é sábia e misericordiosa."

Mikey: "Barb, a elfa bárbara, é sábia e misericordiosa."

Steph: E agora?

Chloe: Acho que tá na hora de libertar uns prisioneiros. Bora pra prisão.

Steph: Vocês vêem um campo repleto de jaulas de ferro, cada uma com um aldeão humano suplicando que o liberte. Há só um draconiano idoso e pequeno de guarda. Ele percebe a sua presença e, morrendo de medo, corre para uma das poucas jaulas vazias e se tranca por dentro.

Chloe: Ahhh, tadinho. Draconiano é o quê?

Mikey: Os draconianos são humanoides pequenos com traços de dragão. Eles são uns babacas. Aposto que ele tá com todas as chaves.

Chloe: Ah, ok. "Ei, seu merda, sai daí!"

Steph: O draconiano fica saltitando, sacudindo um molho de chaves para provocar vocês. Ele grita alguma coisa numa língua estranha. Duvido que esteja dizendo coisa boa.

Chloe: Tem algum feitiço útil aí na manga?

Mikey: Nada que não vá destruir a jaula e tudo dentro dela.

Chloe: Aqui diz que eu sei abrir fechaduras. Posso tentar?

Steph: Claro. Você passa um tempão tentando abrir a fechadura, mas não dá em nada. O draconiano faz um gesto obsceno, que você acredita ser a genitália dele.

Chloe: Merda.

Mikey: (rindo) LOL.

Chloe: Intimidação. É uma perícia minha. Posso fazer isso? Eu quero fazer esse filho da puta se borrar todo.

Steph: Você pode tentar. O que você vai falar?

Chloe: "Escuta só, seu lagartinho--"

Steph: Infelizmente, ele não fala a língua comum, o que significa que ele não--

Mikey: Eu lanço Comunicação no draconiano.

Steph: Merda. Sério?

Mikey: Agora, ele vai entender tudo que você disser.

Chloe: (pensando) Agora que vem a magia de verdade.

Chloe: Pelo visto, eu tenho um pão. Vou tentar atrair o filho da puta pra fora.

Steph: Ele fica com nojo da sua oferta e mostra a língua.

Chloe: Argh.

Steph: Então, você vai fazer um desafio de perícia, onde você tenta usar--

Chloe: Ah, eu sei bem. Eu seguro as barras da jaula e chego bem pertinho.

Steph: Ele recua, com as escamas tremendo de medo. O que você diz?

Chloe: Eu balanço a mão. "Ô draconiano, quer ser meu fantoche de carne e osso? Funciona assim: eu enfio a mão pela tua bunda até a cabeça, aí eu controlo a sua boca por dentro e faço você falar."

Steph: Ahn... acho que ele não gostou muito da ideia.

Mikey: Eu também não.

Steph: O draconiano implora: "Por favor, não me machuque, grandona. Mas eu não posso dar chave. Duurgaron é muito mais alto e malvado que você!"

Chloe: Todo mundo sabe que dragão é tudo covarde. É por isso que eles se escondem nas cavernas e só saem pra cuspir fogo em ovelha, comer vaca e outras merdas do tipo.

Steph: Foi um erro. O draconiano ruge e surta, mostrando garras e dentes pra você. "A grandona é uma tola. Dragões são deuses!"

Mikey: Putz.

Chloe: "Sabe uma coisa que eu adoro? Fazer sapato de pele de draconiano". Aí eu aponto pro meu sapato. "Eu tô usando um agora. Draconiano aéreo. As escamas são especiais, porque são à prova d'água, mas também ventilam bem. Muito confortável."

Steph: Ahn... acho que ele não gostou muito da ideia.

Mikey: Eu também não.

Steph: O draconiano implora: "Por favor, não me machuque, grandona. Mas eu não posso dar chave. Duurgaron é muito mais alto e malvado que você!"

Chloe: Eu falo: "Você é baixinho! Mas ainda dá pra ficar menor. Me dá a chave, senão eu vou cortar as suas pernas e te espancar com elas até você morrer."

Steph: Não, não, por favor, não faça isso! Mas eu ainda não posso dar a chave. O Duurgaron vai me comer vivo!

Chloe: Eu falo: "Você é baixinho, mas dá pra resolver. Eu arranco a sua cabeça e uso de chapéu. Você ia ficar bem mais alto."

Steph: Não, não, por favor, não faça isso! Mas eu ainda não posso dar a chave. O Duurgaron vai me comer vivo!

Chloe: A gente também pode esperar você morrer de velhice, ô draconiano.

Steph: Ele é inabalável. "Vou comer a sua cara, sua elfinha xexelenta."

Mikey: Elfinha xexelenta?

Chloe: Comer a minha cara?

Steph: Tô me esforçando aqui.

Chloe: Eu quero tentar esticar o braço pelas barras e pegar a droga da chave.

Steph: Você tenta, mas ele é muito ágil. Ele se desvia das suas tentativas desengonçadas com facilidade. Depois, ele ri da sua cara.

Chloe perde.

Chloe: Eu mostro o punho. "Esse cara aqui se chama ceifador porque ele é ótimo pra agarrar a garganta e estripar qualquer draconiano."

Chloe vence.

Chloe: Eu agito o meu machado com mó estilo fodão. "Come essa, lagarto."

Steph: Fodão quanto?

Chloe: Superfodão.

Chloe joga o dado.

Mikey: Dezessete!

Steph: É bem fodão mesmo.

Chloe vence.

Steph: O draconiano se encolhe de medo de você e fica olhando pros lados. Ele abre a boca, e você acha que ele tá prestes a chamar ajuda.

Chloe: Eu enfio o machado na jaula pra interromper o grito, aí prendo a cabeça dele nas barras sem machucar ele. Aí, eu falo o seguinte:

Mikey: Essa vai ser boa.

Chloe: "Presta atenção no que vai acontecer. Eu vou arrancar a pele dos seus ossos. Depois, eu vou transformar a sua pele em uma bolsa de couro e enfiar o seu corpo sem pele nela pra eu carregar por aí. Assim, na próxima vez que algum babaca não quiser me dar a chave que eu pedir, eu tiro o seu corpo da bolsa e mostro pro otário o que vai acontecer. Que tal?"

Steph: Ahn... uau.

Mikey: Essa foi insana.

Steph: Eu vou te dar um... bônus... de... dez pontos de Carisma. Vai lá, rola o dado. Uma poça de urina se forma embaixo do draconiano idoso. Com as mãos trêmulas, ele entrega as chaves. Depois, ele morre de medo.

Chloe: Foda!

Chloe: Essa porra de jogo de tabuleiro é difícil.

Mikey: Tenta jogar sozinha pra você ver.

Steph: O draconiano engole a chave, aí aponta pra barriga e depois, pra própria bunda, rindo de você. Aí, ele--

Chloe: Eu enfio o machado pela jaula até a barriga dele. Aí, eu giro e puxo. As entranhas dele começam a cair por tudo quanto é canto, mas eu enfio a mão no estômago dele e pego a chave. Aí, nos momentos finais antes dele morrer, eu seguro a chave na cara dele. E dou uma risada.

Steph: Geralmente, eu teria dito que você fracassou no desafio, mas isso foi tão terrivelmente foda que você venceu.

Mikey: Isso!

Chloe: Bora, time! Por que você não começa libertando os prisioneiros?

Mikey: Pode deixar.

Steph: Conforme você liberta os prisioneiros, eles saem correndo de medo de você. E agora?

Em andamento.

Chloe: É, acho que já vou nessa. Falou.

Mikey: Sério? Agora que tava ficando bom.

Steph: Se você sair agora, não vai poder voltar depois.

Chloe: (se levantando da mesa e saindo) Foi mal. Tenho que ir... pra algum lugar que não seja aqui.

Mikey: Ah, tá bom. Até mais, Chloe.

Steph: É, até mais.

Chloe: Tá, beleza. E agora?

Chloe: Não. Já tem monstros suficientes na vida real.

Steph: Uou.

Chloe começa a ir embora.

Mikey: Ei, Chloe...

Chloe se vira para ele.

Mikey: Nunca se renda.

Chloe: (pensando) Uau. O Mikey North entende.

Mikey: Pronta pra começar a aventura?

Steph: Na hora certa, aliás. O Mikey tava prestes a ser morto de uma forma terrível.

Ver aba "Claro".

Chloe: Ainda não tô afim.

O diálogo poderá se repetir até Chloe resolver aceitar ou sair definitivamente.

Discussão entre Nathan e Drew

Chloe se aproxima da entrada do Campus.

Chloe: Olá, Blackhell

Nathan está andando com seu portfólio com pressa, enquanto Drew está perseguindo ele. Drew pega e acaba empurrando Nathan, fazendo com que Chloe caísse junto, e ela cai na escada.

Chloe: (ao se virar) Que porra é essa?

Drew: (ao pegar o portfólio de Nathan e abri-lo para ver) O que você tem aí, ô Tremelique?

Nathan: (em resposta a Drew) Não me chama assim!

Chloe: (pensando) Drew North... um idiota tão burro que faz o resto da laia passar vergonha. Acho que o Nathan entrou pra lista negra.

Drew: (surpreso) Ah, nossa. Essa parada é bem bizarra, hein, Prescott.

Nathan: Isso é meu. Me devolve!

Drew: É uma merda você ter entrado pro time. Você é um manezão.

Briguem em outro lugar

Chloe: Gente, não precisa brigar. Os dois podem ser manezões.

Dois manezões

Chloe: Vão brigar em outro lugar, galera.

Drew: A mudinha sabe falar.

Nathan tenta pegar o portfólio de volta e Drew se irrita.

Drew: Ei, ei! Você tem que conquistar um lugar no time, Tremelique. Não é pedindo pro papai comprar o técnico.

Nathan: Pelo menos a minha família paga pelas bolsas. De quanta ajuda financeira o seu pai parasita precisa mesmo, hein?

Chloe: (pensando) Uau, Nathan, essa foi escrota.

Drew: O meu pai perdeu o emprego no estaleiro quando o seu pai decidiu que ele tinha que fechar. E você ainda vem de escrotice pra cima de mim?

Samantha: (gritando) Deixa o Nathan em paz! Drew: Quer saber, Prescott? Vou te fazer um favor. Você não pode estar no time e curtir essa parada idiota ao mesmo tempo.

Drew olha a fonte, e pensa em joga-lo ali.

Nathan: Seu merda! Eu vou te matar!

Samantha: (gritando) Para com isso! Os dois! Para!
Chloe, faz alguma coisa! Não fica aí parada só olhando!

Ficar de Fora

Chloe: Pô, se você não pegar a pipoca e parar pra assistir, vai perder os melhores momentos da vida.

Drew prepara o arremesso e joga o portfólio de Nathan na fonte

Drew: Toma!

Chloe: Tipo assim.

Nathan: (se lamentando) Eu demorei meses para fazer esse álbum!

Drew: Sai do time, Tremelique. senão a próxima vai ser pior.

Drew sai andando tranquilamente

Nathan: (bem baixinho a voz) Vai pro inferno.

Samantha: (chateada com Chloe) Você devia ter vergonha.

Intrometer

Chloe: (pensando) O único jeito de deter um valentão é sendo agressiva. Eu preciso colocar o Drew no chinelo.

Chloe: Sai daqui, seu idiota.

Drew: O que foi que você falou pra mim?

Sai daqui?

Chloe: Sai daqui? Tipo, ir embora. Ninguém tá nem aí pra suas babaquices.

Drew: Você tá mesmo defendendo o Nathan Prescott?

Idiota?

Chloe: Idiota? Não tá acostumado com uma palavra tão grande, é? Não precisa ficar com medo.

Drew: Você tá mesmo defendendo o Nathan Prescott?

Vaza. Agora.

Chloe: Vaza. Agora.

Drew: Nossa, você tá defendendo o Nathan Prescott!

O Nathan é alvo fácil.

Chloe: Que tal se meter com alguém do seu tamanho?
Que, segundo dizem, é bem pequeno.

Drew: Sua doida esquisita! Cuida da tua vida.

Idiota?

Chloe: Olha só pra você e depois pra ele. Dificil não dizer que é covardia, né?

Drew: Tá doida? Cuida da tua vida, ô esquisitona.

Vaza. Agora.

Chloe: Parabéns. Você conseguiu me fazer ter pena do garoto mais mimado de Arcadia Bay. Pra você ver o quão babaca você tá sendo agora.

Drew: Sua doida esquisita! Cuida da tua vida.

É verdade, eu sou doida.

Chloe: Você não tem ideia de como eu sou doida. Continua me irritando pra você ver...

Drew: Você quer também, é?

E se ele chorar pro papai?

Chloe: Quando o Nathan for chorar pro lorde Prescott, todo mundo aqui vai passar a semana toda tendo que assistir palestras sentimentais.

Drew: Você quer também, é?

Sabe o que é doideira?

Chloe: Doidera é você ainda não ter sido reprovado. Como é possível?

Drew: Você quer também, é?

Não, obrigada

Chloe: Não quero nada... disso aí, não. Só quero que todo mundo se dê bem, de preferência sem ter que interagir.

Drew: Tá achando que eu vou deixar você falar assim comigo?

Quero participar do romance?

Chloe: Participar desse seu romance com o Nathan? Você tá superafim dele. Puxa logo o cabelo dele, vai.

Drew: Tá achanado graça? Tá pensando que eu tô de brincadeira?

Quero, com prazer

Chloe: Claro. Te enfiar a porrada vai ser um prazer.

Drew: Tá achanado graça? Tá pensando que eu tô de brincadeira?

Babaca

Chloe: Olha, se você insiste tanto em fazer papel de babaca, por que não abre logo uma papelaria da babaquice?

Chloe perde.

Acho que acabamos

Chloe: Se você fosse brigar, mesmo, já teria partido pra cima. Chega de palhaçada.

Chloe vence.

Achando?

Chloe: Achando? Toma cuidado, Drew. Palavra complicada demais pra ti.

Chloe vence.

Chloe vence

Samantha começa a rir de Drew

Drew: Tá rindo, é?

Samantha: Tô. A Chloe acabou contigo.

Drew: Cala a boca, porra, caloura de merda!

Samantha: Cala você, caralho!

Chloe: Vai, Samantha!

Drew: Você deu sorte dessa vez, Prescott. Duas garotas apareceram pra te salvar.

Drew: Toma esse seu álbum pervertido.

Drew joga no chão o portfólio, e Nathan pega.

Samantha se aproxima de Nathan.

Samantha: Tá tudo bem?

Nathan: Você acha que eu preciso de ajuda?! De vocês?!

Chloe: de nada.

Samantha: Você tá bem?
Obrigada por defender ele. Tem gente que acha que, só por causa da família dele...

Skip se aproxima, e Samantha sai fora.

Skip: Tá tudo bem, por aqui?

Chloe: De boa, Skip.

Chloe perde

Drew vai pra cima de Chloe, finge que vai empurra-lá, e Chloe acaba caindo nas escadas.

Drew: Você é mó garganta, hein, Chloe?

Drew arremessa o portfólio de Nathan na fonte

Nathan: (irritado) Eu demorei meses pra fazer esse álbum!

Drew: Sai do time, Tremelique, pro seu próprio bem.

Drew sai caminhando tranquilamente, Nathan irritado, pega o seu portfólio molhado

Chloe: merda.

Nathan: (para Chloe) Da próxima vez, cuide dos seus negócios.

Chloe: de nada.

Samantha: Você tá bem?
Obrigada por defender ele. Tem gente que acha que, só por causa da família dele...

Skip se aproxima, e Samantha sai fora.

Skip: Tá tudo bem, por aqui?

Chloe: De boa, Skip.

Após a discussão, Chloe sobe as escadas e fica de frente com a entrada da Blackwell.

Ao encostar na porta, ela fica surpresa ao ver Rachel abrindo para ela.

Rachel: Ah! Que bom que você chegou.
Rachel puxa Chloe pela mão e juntas, elas caminham para a sala de teatro.

Sala de Teatro

Chloe e Rachel se aproximam da entrada e escutam a voz do Hayden.

Na sala de teatro, Hayden está praticando o discurso do seu personagem, juntamente com Dana.

Hayden: Dizei-me, por obséquio, vosso nome; só desejo incluí-lo, de ora em diante, nas minhas orações.

Na cena estão Hayden, Dana e o professor de teatro, Sr. Keaton.

Dana: Miranda... Ó pai! Revelei-o, de encontro ao que ordenastes.

Sr. Keaton: Boa!

Hayden: Admirável Miranda! Sim, remate de toda perfeição, digna de quanto no mundo há de mais raro. (Hayden começa a se confundir e não se lembrar das falas) A numerosas damas já dirigi olhares ternos, por vezes tendo-me prendido -- por vezes.

Sr. Keaton: (desapontado) Hayden! Você tá me matando assim! Você teve semanas pra decorar!

Hayden: Desculpa, Sr. Keaton.

Sr. Keaton: Não pede desculpa pra mim. Pede pra sua parceira de palco, que tem sido muito paciente, pros seus outros colegas e, principalmente, pra você mesmo--

Rachel interrompe a fala do Sr. Keaton e caminha para dentro da sala.

Rachel: Sr. Keaton, desculpa interromper, mas ficou melhor assim? Eu pedi pra minha mãe ajudar um pouco.

Rachel começa a dar uma volta para demonstrar a sua fantasia.

Chloe: (pensando e surpresa) A Rachel tá linda...

Rachel pisca para Chloe

Chloe: (pensando) Isso tá ficando tão surreal quanto ontem.

Dana: Miau! Tá ótima, Rachel.

Hayden: Ficou bem legal.

Sr. Keaton: Fantástico, Rachel. Como sempre.

Dana questiona sobre a fala do seu personagem ao Sr. Keaton.

Dana: Sr. Keaton, eu tô com dificuldade no "Nesse caso, muito modestos são meus sentimentos; não ambiciono ver ninguém mais belo". Tipo... ela quer dizer isso mesmo?

Hayden: Principalmente depois de eu dizer que tava comendo toda a mulherada.

Rachel: É, é difícil. A gente discutiu muito essa fala. Precisamos ver com novos olhos.

Rachel caminha até a Chloe e a leva para perto do palco.

Rachel: A questão é a seguinte: os sentimentos da Miranda de paixão instantânea por Ferdinando são só por inexperiência e circunstâncias dramáticas, ou... será que ela conheceu mesmo o amor da vida dela? O que você acha?

Miranda é uma idiota.

Chloe: A Miranda é uma idiota porque se apaixonar é coisa de gente idiota. Ela tem quantos anos, doze?

Rachel olha surpresa para Chloe e Sr. Keaton também.

Sr. Keaton: Ela tem quinze, na verdade, então o seu argumento, seja lá quem for você, sobre ser idiota -- err, ingênua -- cabe bem.

É amor verdadeiro

Chloe: Acho que, às vezes, ao conhecer alguém que vai mudar a sua vida, (Chloe vira o rosto para a Rachel) você já sabe desde o início... Aliás, os pais da galera vêm assistir à peça, né? Por vinte pratas o ingresso, tem que ter amor verdadeiro.

Dana: Nossa, uma romântica cínica. Até que me ajudou, valeu.

O sinal toca.
Dana: Obrigada, Sr. Keaton. Até mais, galera!

Sr. Keaton: Ah, não. Tenho que dar aula de improvisação pra uma turma cheia de calouros agora.

Dana, Hayden e Sr. Keaton se retiram da sala deixando Rachel e Chloe sozinhas.

Rachel se vira para Chloe a observando.

ATACOU OS CARAS

Rachel: O seu olho tá lindo. Onde você mandou fazer?

Chloe fica confusa.

Chloe: Ahn... hein?

Rachel: Tô só brincando. Aquele babaca te acertou em cheio.

Chloe: Não foi nada.

Rachel: Me dá só um minuto.

Rachel começa a caminhar para o camarim mas antes pede uma coisa a Chloe.

Chloe: (pensando) Tá, então... o que eu tô fazendo aqui mesmo?

Rachel: Ah, pode pegar pra mim o meu cinto? Acho que tá ali na minha bolsa.

Chloe: (tímida) Ah, claro.

Chloe: (pensando) Ok... pegar o cinto, não falar nenhuma merda e, tipo, não tropeçar e cair. Acho que eu dou conta, né?

Chloe vê a mochila da Rachel, se agacha e começa a vasculhar. Até que ela acha uma foto da Rachel com seu pai, quando era criança.

Chloe: (pensando) A Rachel parece feliz aqui...

Chloe sorri e coloca de volta a foto na mochila. Ela vasculha novamente e acha o cinto da Rachel e pega.

Chloe: (pensando) Ah, o cinto da Rachel.

Chloe se levanta.

Chloe: Vou lá entregar o cinto pra Rachel.

Chloe caminha até o camarim e vai até onde está Rachel se trocando.

Chloe: Ahn... Rachel? Esse é o seu cinto?

Rachel: É! Obrigada.

Levar até ela.

Chloe olha para os lados, suspira e vai em direção a Rachel a qual está trocando de roupa. Ela fica surpresa e muito tímida.

Gostei da fantasia.

Chloe: Gostei muito da sua fantasia.

Rachel se vira para Chloe.

Rachel: Valeu. Então, trouxe flores pro meu camarim?

Fico te devendo?

Chloe: Ahn... Fico te devendo?

Rachel: Vou cobrar.

Rachel estende a mão e Chloe entrega o cinto para ela.

Chloe: Vou deixar você se trocar.

Chloe caminha um pouco para fora.

Só o cinto.

Chloe: Ahn.. Que tal um cinto em vez das flores?

Rachel: Perfeito.

Ficar calada.

Rachel se vira para Chloe.

Rachel: Ah. Achei que você não ia vir até aqui. Valeu.

Rachel: Valeu. Então, trouxe flores pro meu camarim?

Fico te devendo?

Chloe: Ahn... Fico te devendo?

Rachel: Vou cobrar.

Rachel estende a mão e Chloe entrega o cinto para ela.

Chloe: Vou deixar você se trocar.

Chloe caminha um pouco para fora.

Só o cinto.

Chloe: Ahn.. Que tal um cinto em vez das flores?

Rachel: Perfeito.

Arremessar o cinto.

Chloe: Toma.

Chloe arremessa o cinto para Rachel.

Rachel: Ai! Não era pra você me atacar com ele.

Chloe: Merda. Foi mal.

Rachel termina de se vestir.

Rachel: Chloe Price.

Chloe: Rachel Amber?

Rachel: A noite passada foi fantástica!

O Firewalk foi irado.

Chloe: Eu nunca tinha visto o Firewalk ao vivo. O show foi bem irado.

Rachel: A gente precisa repetir a dose.

Ser atacada foi fantástico?

Chloe: Você acha que ser atacada por marginais é fantástico? A gente tem que sair mais juntas.

Rachel: Fechou.

Rachel: Pra falar a verdade, eu fui dormir ontem querendo que a noite não tivesse acabado. Mas aí eu pensei: por quê? Por que tem que acabar?

Isso foi profundo.

Chloe: Isso é... uma pergunta retórica?

Talvez não tenha.

Chloe: Talvez não tenha. Que acabar.

Rachel: Exatamente.

Rachel: Que tal dar uma volta comigo?

Porra, claro.

Chloe: Porra, claro! Nasci pra matar aula.

A Rachel Amber virou a casaca?

Chloe: Matar aula? Tem certeza?

Rachel: Falei algo estranho?

Chloe: Não, é ótimo.

Olho roxo

Rachel: Ainda bem que você acha. Agora, esse olho aí... é uma baita cicatriz de batalha. Quer que eu disfarce com um pouco de maquiagem?

Ótima ideia

Chloe: Sim. As pessoas não param de falar nisso.

Rachel pega um pouco de creme e passa no rosto de Chloe.

Rachel: Não se mexa.

Chloe: Quanta maquiagem.

Rachel: É o preço da coragem. Fecha os olhos.

Rachel termina de passar

Rachel: Bem melhor.

Chloe: (surpresa) Caralho.

De jeito nenhum.

Chloe: Tá brincando? É uma medalha de honra.

Rachel: Respeito.

Rachel: Bora vazar daqui.

Trem

Chloe e Rachel estão juntas observando um pouco ao redor.

Chloe: Certeza que não prefere pegar o ônibus ou...

Rachel: Não. Se for pra gente fugir, tem que ser direito.

Rachel corre para frente um pouco

Rachel: E aí?

Chloe: (pensando) Que porra eu tô fazendo aqui?

Chloe começa a correr atrás da Rachel. Ambas correm até o vagão, Rachel sobe primeiro e ajuda Chloe a subir.

Chloe: Pra onde isso vai?

Rachel anda um pouco pra frente e se senta.

Rachel: Pro norte? Talvez a gente acabe lá em Seattle. Senta aí, Price. A vista é irada.

Chloe: (pensando) A Rachel quer que eu me sente? Talvez em uma dessas caixas?

Chloe acha uma caixa e a move para perto da entrada do vagão para se sentar.

Chloe: (pensando) É mais pesado do que parece. É melhor eu me sentar.

Chloe senta na caixa.

Chloe: (pensando) Tá bom, Chloe. Você tá numa porra de um trem com a Rachel Amber. Finge que tá de boa. Isso é... nervosismo? É isso que eu tô sentindo? Queria que a Max tivesse aqui pra me dizer.

Chloe fica insegura e tímida perante a presença de Rachel.

Chloe: (pensando) Será que eu puxo assunto? É isso que as pessoas fazem?

Clima agradável.

Se levou o cinto para a Rachel

Chloe: A Rachel tá boa hoje.

Rachel: (risos) O quê?

Chloe: Clima, eu quis dizer! O clima tá bom hoje.

Rachel: Tá sim.

Se arremessou o cinto para a Rachel

Chloe: O clima tá bom hoje.

Rachel: Tá sim.

Ahn...

Chloe: (nervosa) Ahn... então... ahn...

Rachel: O que você tem?

Chloe: O quê?

Rachel: Parece que tá nervosa.

Rachel: É meio esquisito a gente tá aqui.

Chloe: Você diz isso porque eu nunca faço nada com ninguém e não tenho amigos?

Rachel: Você tem amigos.

Chloe: Bom, eu tinha. Uma amiga. Se chama Max, mas ela foi pra um lugar melhor, mais pro norte.

Rachel: Que chato.

Agradecer.

Chloe: É, então... eu queria te agradecer.

Rachel: Por te fazer matar aula?

Chloe: Não, tonta. Pela noite passada.

Rachel: Ah.

Chloe: Se você não tivesse aparecido...

Rachel: Tá cheio de babacas em Arcadia Bay.

Chloe: Eu te devo essa. com certeza.

Rachel: É por isso que veio então?

Chloe: Tá sugerindo que eu preciso de um motivo pra matar aula?

Sr. Keaton.

Chloe: Não comentei antes, mas você parece ter algum controle mental Jedi sobre o professor Keaton e o pessoal do teatro.

Rachel: Tipo quando a gente tava falando de amor verdadeiro na peça? Acho que se pode dizer que eu tenho jeito com pessoas.

Chloe: Só não tenta fazer essas coisas comigo.

Rachel: Você vai entrar nesse trem.

Chloe: Ah, merda.

Rachel: Aposto que você tá se perguntando o que tá fazendo.

Chloe: Me passou pela mente, sim.

Rachel: Bem... Eu queria companhia.

Chloe: Só isso?

Rachel: Só isso.

Preciso de um motivo melhor.

Chloe: Tenta de novo. Acho que eu preciso de um motivo melhor.

Rachel: Não gostou de se aventurar comigo?

Chloe: Onde vai ser a aventura, mesmo?

Rachel: A vida precisa de um pouco de mistério, Chloe.

Adoro companhia.

Chloe: Então bora lá. Qualquer coisa é melhor que ficar mofando na Blackwell.

Rachel: Você odeia mesmo estudar lá, né?

Chloe: Você não? Ah, é. Que motivo a Rachel Amber teria pra odiar a Academia Blackwell? Você é a rainha da escola.

Rachel: Você não me conhece. Ainda.

Rachel: Vamos fazer algo divertido.
Rachel senta no chão.

Concordar.

Chloe: Tá, pode falar.

Flertar.

Chloe: Já perdi o BV, Rachel. Foi mal.

Rachel: (surpresa) Uau!

Chloe: Fui longe demais?

Rachel: Bem, não sei...

Chloe: Tá, algo divertido. Sou toda ouvidos.

Rachel: Duas verdades e uma mentira.

Chloe: O quê?

Rachel: A gente podia brincar de duas verdades e uma mentira. É um jogo onde cada pessoa diz três coisas sobre si mesma, mas duas são verdade e uma é--

Chloe: Mentira?

Rachel: Isso. E aí a outra pessoa tenta adivinhar qual é qual.

Parece legal.

Chloe: Parece legal. Você começa.

Chloe senta no chão.

De jeito nenhum.

Chloe: De jeito nenhum.

Rachel: Tem medo de perder?

Chloe: É que eu não tenho... tenho jeito... com pessoas. E coisas.

Rachel: Vai ser divertido. Confia em mim!

Rachel: Eu começo. Primeiro, eu sou ambidestra. Segundo, eu nasci em Nova York, terra da moda e da Broadway, para onde um dia voltarei quando meu atroz exílio aqui em Arcadia Bay chegar ao fim.

Chloe: Nova York, é? Nunca estive lá.

Rachel: Você não é de viajar muito?

Chloe: Até o momento, não.

Rachel: Se você pudesse viajar pra algum lugar, pra onde iria? Rússia, Grécia... Katmandu?

Chloe: Katmandu?

Rachel: Um dia vou escalar o Everest.

Chloe: (pensando) E eu aqui achando que sair de Arcadia Bay seria ambicioso...

Chloe: Qual é a sua terceira coisa?

Rachel: Terceira coisa?

Chloe: Duas verdades e uma mentira. Você disse que eram três--

Rachel: Isso! Sou leonina. Miau.

Chloe: Tá, então... ambidestra, nasceu em Nova York, leonina. Entendi.

Rachel: Então, qual é a mentira?

Ambidestra.

Chloe: Não acredito no papo da ambidestria.

Rachel: Não? Que pena, porque é verdade.

Chloe: Prova.

Chloe pega sua caneta e alcança para a Rachel.

Chloe: Assina o seu nome com as duas mãos.

Rachel: Assinar onde?

Chloe pede para assinar no chão do vagão.

Rachel: Sério?

Chloe: Sério. Seja uma garota travessa também. Vai.

Rachel pega da mão de Chloe a caneta. Rachel assina com ambas as mãos.

Rachel: A mentira era sobre Nova York. Sou nascida e criada na Califórnia.

Chloe: Mas Nova York tá na sua lista?

Rachel: Broadway, aí vou eu.

Leonina.

Chloe: Você é sortuda demais pra ser leonina. Deve ser sagitariana ou algo assim.

Rachel: O arqueiro? Seria bacana, tipo a Artemisa. Mas eu tava mesmo dizendo a verdade.

Chloe: Sério?

Rachel: Sério. Ouça meu rugido. Não, a mentira era Nova York. Eu nunca estive lá, mas pretendo ir um dia. Eu nasci em Long Beach.

Chloe: Mas Nova York tá na sua lista, então? Deve ser legal.

Nova York.

Chloe: Você tem mais cara de californiana.

Rachel: Pô, Price, nada mal! Long Beach, na verdade. A costa oeste é a melhor.

Chloe: Eu sempre morei no Oregon, então não tenho como comparar.

Rachel: Então vamos ter que mudar isso um dia, não é?

Rachel: Ok, sua vez, Price.

Chloe: Primeiro fato. Tá...

Chloe: (pensando) Algo sobre mim... Será que eu começo com uma mentira ou a verdade? Ou será que devo trapacear? Vamos ver se ela é boa mesmo nesse jogo.

Mentira.

Sou alérgica a gatos.

Chloe: Lamento dizer, já que você é leonina e tal, mas sou alérgica a gatos.

Rachel: É mesmo?

Chloe: Juro.

Quebrei a mão socando alguém.

Chloe: Na quinta série, eu quebrei a mão dando um soco na Stephanie Kowalksi.

Rachel: De jeito nenhum.

Chloe: A piranha roubou meu lanche. Eu quebrei a cara dela.

Rachel: (observa a mão de Chloe) Pelo visto você gosta de escrever lembretes.

Chloe: Me ajuda a manter o foco.

Rachel: Cicatriz maneira, também.

Tenho uma banda.

Chloe: Sou guitarrista e líder de uma banda cover de Misfists só de garotas, chamada Missfits.

Rachel: Impressionante.

Verdade.

Eu adoro ciências.

Chloe: Eu adoro ciências. Sério. Neil deGrasse Tyson é o cara mais foda do mundo.

Rachel: Hum.

Música Country me faz vomitar.

Chloe: Eu adorava música country quando era criança, mas agora me dá vontade de vomitar. Literalmente.

Rachel: Que... estranho.

Queria ser pirata quando criança.

Chloe: Eu queria ser pirata quando era criança. Ainda meio que quero.

Rachel: Arrrr.

Rachel: (pega Chloe pelo pulso e toca em suas mãos) Você é misteriosa pacas, Chloe Price.

Chloe: Ahn, pacas? Quem fala assim?

Rachel: Coisa da minha terra. Mas eu acho que já te saquei.

Se falou que música country é enjoativa
Rachel: Não entendo por que música country te faz vomitar...

Chloe: Eu sou complexa, Rachel.

Rachel: Mas deve ser verdade. Além do mais, eu meio que curto Dixie Chicks.

Chloe: Você e o David. Gosto não se discute.

Rachel: Quem é David?

Um escroto.

Chloe: É um escroto aí.

Rachel: Que gosta de Dixie Chicks.

Chloe: Um escroto que tá saindo com a minha mãe.

Rachel: E você não gosta dele?

Namorado da minha mãe.

Chloe: É o, ahn... namorado da minha mãe, eu acho.

Rachel: Ah. E você não gosta dele?

Chloe: É que... é tão estranho que ela esteja namorando. Meus pais... eram totalmente apaixonados um pelo outro. Dá pra ver como ela tá mal, por ela tá namorando um cara como o David. Ele faz o tipo durão, ex-militar, todo tosco. É o contrário do meu pai.

Rachel: Putz, que merda.

Chloe: É. O David não me respeita. Ele age como se eu fosse um problema pra resolver. Se bem que, às vezes, eu sou um problema.

Rachel: Que babaquice.

O quê?

Chloe: Como assim?

Rachel: Você não é um problema, Chloe. É uma pessoa. Me parece que o único problema é o David. Precisa atingir ele onde magoa mesmo.

Desculpa falar isso.

Chloe: Desculpa falar essas coisas.

Rachel: Me parece que o único problema é o David. Precisa atingir ele onde magoa mesmo.

Chloe: A única coisa que o David gosta tem quatro rodas e um motor de quatro cilindros.

Rachel: Ah, nossa, um possante?

Chloe: E eu vou acabar roubando aquele carro...

Rachel: Me avise se precisar de uma cúmplice.

Se falou que gostaria de ser pirata
Rachel: É claro que você queria ser pirata. Navegar pelo mar aberto...

Chloe: Aventurar...

Rachel: Saquear tesouros secretos...

Chloe: Já mencionei que adoro me molhar?

Rachel: Então, pirata? Óbvio que é verdade.

Arrrr.

Chloe: É isso aí, arrrr.

Que tal ser minha imediata?

Chloe: Você pode ser minha imediata.

Rachel: Ah, você tá aceitando candidatas?

Chloe: Tô pensando.

Se falou que adora ciências

Rachel: Tá, você disse que adora ciências, mas tá indo mal em química.

Chloe: Quer dizer que ir mal em química é o mesmo que odiar ciências?

Rachel: Ou que Blackwell não te inspira a tirar boas notas.

É.

Chloe: Bem... é.

Rachel: Não é pra qualquer um, eu sei.

Blackwell é um inferno.

Chloe: Aquele lugar é um inferno de merda onde pessoas de merda vão pra se sentir uma merda e tratar os outros que nem merda.

Rachel: Mas me diz como você realmente se sente.

Rachel: Bem, a escola é uma merda, mas você adora ciências. Acho que é verdade.

Quebrou o punho

Rachel: Agora, sobre essa história do soco. Eu não duvido que você seria capaz de dar uma surra na Stephanie Kowalksi. Se uma piranha pega o que é seu, ela tem que apanhar.

Chloe: Falou e disse.

Rachel: Mas você não ficou com essa cicatriz por ter socado alguém.

Chloe: Não?

Rachel: Isso foi uma fratura de extremidade distal do rádio.

Você é médica agora?

Chloe: Você é médica, agora?

Rachel: No verão passado, eu fiz o papel de Doctor Who, num trabalho chamado "O Anjo que Chora".

Chloe: Espera, o que--

Como poderia saber isso?

Chloe: Como você poderia saber isso?

Rachel: Eu quebrei o pulso quando tinha dez anos.

Chloe: Ah.

Rachel: A questão é, eu sei que essa cicatriz é de um pulso quebrado quando a pessoa cai... tipo, de um skate?

Chloe: Sim.

Rachel: Eu diria... uns seis anos atrás?

Chloe: Sete. Pô... caramba. Eu sempre achei que mentia bem.

Rachel: Pelo menos você é bonita.

Alérgica a gatos

Rachel: Passamos então pra suposta alergia a gatos.

Chloe: Suposta?

Rachel: Eu acho que é mentira.

Chloe: Por que diz isso?

Rachel: Tá, talvez você seja alérgica. Mas eu já passei pelo seu armário algumas vezes e vi a foto daquele gato que tá lá colada faz tempo.

O nome dele era Bongo.

Chloe: O nome dele era Bongo. Foi um presente do meu pai.

Rachel: Ele faleceu?

Chloe: É, meu pai morreu há dois anos. Achei que todo mundo soubesse.

Rachel: O Bongo, eu quis dizer.

Chloe: Ah, nossa, claro que você tava falando dele, me desculpa!

Rachel: Ei, tudo bem.

Chloe: Momento constrangedor do ano?

Rachel: Com certeza.

Anda me seguindo?

Chloe: Você fica passando pelo meu armário? Anda me seguindo?

Rachel: Ei, eu sou observadora! É inevitável.

Chloe: Você já deve tá acostumada a ser observada. Pra mim é meio novo.

Rachel: Bem, vai se acostumando.

Uma banda cover.

Rachel: Então, vamos falar sobre esse papo de ser guitarrista. A vida no palco. Eu adoraria ser tiete da Missfits, sua banda cover só de mulheres, no entanto acho que é mentira sua.

Não acha que eu seria capaz?

Chloe: Não acha que eu seria capaz?

Rachel: Pelo contrário. Seria muito capaz.

Você jamais seria uma tiete

Chloe: Você que jamais seria uma tiete.

Rachel: Tá, tem razão. Dançarina de apoio?

Chloe: E vocalista.

Rachel: Óbvio.

Rachel: A questão é... sua mão é macia. Não tem calos. Você não toca guitarra. Uma pena.

Levou o cinto

Rachel: Uma pena. Você ficaria gata no palco.

Arremessou o cinto/Não flertou com a Rachel

Rachel: Uma pena. Você ficaria incrível no palco.


Encerrado as mentiras e verdades, Rachel comenta sobre o jogo.

Três mentiras.

Rachel: Então, se não me engano, você trapaceou. Acabou não contando nenhuma verdade.

Chloe: Nada disso.

Duas mentiras.

Rachel: Então, se não me engano, você trapaceou. Disse uma verdade e duas mentiras.

Chloe: Acho que eu tava só te testando.

Rachel: Ou talvez tenha medo de falar a verdade.

Uma mentira

Rachel: Então se não me engano, foram duas verdades e uma mentira.

Chloe: Quê? Achou que eu fosse trapacear?

Rachel: Quem vence define as regras, Chloe.

Três verdades

Rachel: Então, se minhas contas estão certas, você não contou nenhuma mentira.

Chloe: Sou uma alma virtuosa.

Rachel: Espero que não.

Chloe: Você é boa demais nessa brincadeira.

Rachel: Toda uma vida estudando o comportamento humano.

To impressionada.

Chloe: Bem, eu tô impressionada.

Rachel: Aposto que é difícil impressionar Chloe Price. É um motivo pra eu me gabar.

Chega a dar medo.

Chloe: Não, de verdade, você é boa demais nisso. Chega a dar medo.

Rachel: Nunca pensei que Chloe Price teria medo de alguma coisa.

Rachel: Quando seu pai é promotor público, você acaba... se acostumando com as mentiras.

Chloe: Sério?

Rachel: Sério.

Chloe: Então já sei pra quem ligar quando eu precisar me livrar de uma multa. Não que eu tenha um carro. Primeiro o carro, depois o acúmulo vergonhoso de multas de trânsito.

Soco

Chloe: A Stephanie Kowalksi realmente roubou meu lanche na quinta série.

Rachel: Bem... melhor ela tomar cuidado. Da próxima vez que eu topar com ela, ela vai ver só.

Pirata

Rachel: E nem todo mundo admitiria o sonho de ser pirata.

Chloe: Mas tapa-olhos são irados.

Rachel: E rum é uma delícia.

David

Rachel: E você também me contou sobre o cuzão do David. Agora eu também odeio ele.

Chloe: Isso aí. O bigodudo de merda não perde por esperar.

Outros

Rachel: Ei, obrigada por confiar em mim.

Chloe: Confiar em você?

Rachel: Você entrou na brincadeira. É que... você se abriu bastante. Só isso.

Chloe: Não foi nada demais.

Rachel: Não sei se você sabe, mas Chloe Price não é conhecida em Arcadia Bay por ser um bastião de confiança e empatia.

Confio em você.

Chloe: É que eu não sou muito de sentimentalismo. Mas sinto que posso confiar em você.

Rachel: É?

Não é fácil confiar.

Chloe: Não é muito fácil pra mim confiar em alguém. Se você tivesse vivido minha vida, ia entender.

Rachel: Não, eu entendo.

Chloe: Por outro lado... Eu entrei nesse trem com você, não foi?

Rachel: De fato.

A conversa acaba em silêncio.
Chloe: (pensando) Tava a fim de ouvir um pouco de música.

Compartilhar com a Rachel.

Chloe: (oferecendo o fone a Rachel) Ei, quer ouvir?

Rachel pega um dos lados do fone e coloca no ouvido.

Ouvir sozinha.

Chloe coloca os fones de ouvidos e liga a música.

Chloe tira os fones de ouvido (e Rachel também).

Chloe: (olhando para o pulso de Rachel) Legal essa pulseira.

Rachel: Eu tenho desde... acho que desde que eu era criança em Long Beach. É pra lembrar que o mundo é muito maior que Arcadia Bay. Talvez um dia eu volte para Long Beach ou.... qualquer lugar que não seja aqui. Mais cedo ou mais tarde.

Ahn... hein?

Chloe: Por que você diz isso?

Concordo

Chloe: Eu também. Arcadia Bay pode chupar umas rolas.

Rachel: As vezes sinto que não tenho motivos pra ficar. Não se surpreenda se um dia eu simplesmente sumir daqui, Chloe.

Chloe: Me avise se precisar de uma cúmplice.

Rachel vira o seu rosto para o lado e avisa para Chloe.

Rachel: Olha só! Chegamos!

Chloe: Quê? Onde a gente tá?

Rachel: Pula que você vai ver!

Chloe: Você disse "pula"?!

Rachel: Pula!

Pular.

Chloe: Foda-se!

Chloe pula sem hesitar, logo em seguida, Rachel esboça um sorriso e pula também

De jeito nenhum.

Chloe: Sem chance!

Rachel: Tá com medo? Essa não é a Chloe Price que eu conheço.

Chloe: Pode acreditar, essa é a única Chloe Price que--

Rachel pega Chloe pelo pulso e pula juntamente com ela.

Mirante

Chloe e Rachel estão a caminhar pelo parque. Rachel aponta o dedo para onde elas deveriam ir, no topo do parque.

Chegando lá Chloe suspira um pouco devido a caminhada longa. Elas chegam no topo onde há binóculos públicos.

Chloe: É, até que a paisagem é bem legal.

Rachel: Que bom que gostou. E como recompensa por chegar até aqui, tenho um novo jogo pra gente.

Chloe: Outro?

Rachel: Eu gosto de jogos. Não reclama. Este eu aprendi na aula de teatro. É sobre improvisação.

Não sou atriz

Chloe: Eu sei que o mundo todo é um palco e tal, mas eu não sou atriz.

Rachel: Fala sério. Eu vejo você fingindo que é durona o tempo todo na escola.

Chloe: Eu... é... (cruzando os braços) merda.

Jogar, interpretar, mentir...

Chloe: Até o momento, o que eu aprendi é que você gosta de interpretar, mentir e jogar joguinhos.

Rachel: E o que que tem?

Chloe: Ou você é cheia de imaginação ou cheia de caô.

Rachel: Hum. Me avise quando descobrir qual dos dois.

Rachel: Este jogo envolve espiar pessoas de longe. Felizmente, a gente tem um equipamento de vigilância avançado bem aqui. Vamos lá.

Rachel insere a moeda no visor, porém, ela nota que não está funcionando, batendo diversas vezes. Chloe nota um cartaz no chão.

Chloe: Que merda! (ao olhar para o cartaz Fora de serviço).

Rachel: Ah, droga. Era minha última moeda. E você?

Chloe: (abrindo os braços) Nem um centavo.

Rachel: Putz.

Chloe: Ei, talvez eu consiga dar uma de MacGyver. Já me disseram que sou bem habilidosa.

Rachel: Ah, é? Mostra aí, então.

Chloe: (pensando) Rachel quer muito usar este binóculo público. Eu deveria tentar ajudá-la de alguma forma.

Falar com a Rachel

Chloe: Pode deixar que eu pego sua moeda de volta.

Rachel: Gostei da convicção. Gostaria ainda mais de uma moeda.

Chloe começa a analisar o binóculo estragado.

Chloe: (pensando) Hum. Com a ferramenta certa, eu devo conseguir arrombar isso aqui. (Tentando abrir) Não vou conseguir abrir só com os dedos. Será que a Rachel tem algo que eu possa usar?

Chloe se dirige a Rachel e conversa com ela.

Chloe: Tô pensando em arrombar aquele binóculo. Você tem uma faca aí?

Rachel: Faca?

Chloe: É, minha mãe pegou a minha.

Rachel: Ahn, não. Que tal uma lixa de unha?

Chloe: Acho que dá pra apunhalar alguém com uma lixa... Ah, tá. Claro, vamos tentar.

Chloe: (Tentando abrir o binóculo com a lixa) Merda. Parece tão fácil nos filmes. Será que eu consigo achar algo mais duro pra usar?

Conversa do casal do piquenique

Homem: Passei a manhã toda pedindo desculpa. Sim, foi muito idiota ter deixado as chaves dentro do carro, mas já tem três horas que você tá me atazanando!

Chloe se aproxima e fala com o casal.

Chloe: Oi, podem me arrumar um trocado?

Homem: Desculpa. Talvez sobre alguma comida quando a gente acabar.

Chloe: Quê? Não, eu não -- Que tipo de comida?

Homem: (sussurando baixinho) Esse lugar já foi bem melhor.

Mulher (sussurando baixinho) Xiu! Ela tá bem ali.

Chloe caminha até um banco onde há uma placa dedicatória da família Prescott. Com a lixa, ela desparafusa a placa.

Chloe: (pensando) Roubar uma placa de dedicatória requer... persistência.

Chloe se dirige ao binóculo novamente.

Chloe: (ao forçar novamente com a placa) Poder dos Prescott, ativar!
Chloe consegue forçar a abertura do binóculo, ela joga a placa fora e pega a moeda presa. Ela se dirige a Rachel e mostra a moeda para ela.

Não quero me gabar

Chloe: Não quero me gabar... então vou deixar você fazer isso.

Rachel: Chloe Price, você realmente é a encantadora dos binóculos. Tiro o chapéu pra você.

Fim do jogo

Chloe: Ganhei. Foi jogo suficiente pra mim.

Rachel: Suas habilidades de MacGyver são imbatíveis. Exceto talvez pelo próprio MacGyver.

Ambas partem para o binóculo ao lado. Rachel insere a moeda e ambas começam a espiar ao redor do parque. Cada uma divide a mesma visão.

Chloe: (pensando) A Rachel tem cheiro de... jasmim? Será que ela consegue sentir meu cheiro também? Eu devia ter tomado banho de manhã...

Rachel: Tá, o jogo é o seguinte. Escolhe umas pessoas pra gente espionar, e aí a gente inventa o que eles estão dizendo e pensando.

Chloe: Só isso? Eu faço isso mentalmente durante todas as aulas.

Rachel: Viu? Você já é craque. Vamos tentar.

Churrasqueira

Chloe: Ei, que tal a gente fazer churrasquinho de esquilo depois, hein?

Rachel: Nossa, você tem as melhores ideias.

Estátua

Chloe: Plagiaram um trabalho que eu fiz na terceira série.

Rachel: Uau, você fez isso?

Chloe: Não dá pra sacar?

Rachel: Dá pra perceber um jeitão de "não tô nem aí" característico.

Advogado

Rachel: Será que esse cara é casado com uma nutricionista? Ele tá, tipo, "Não posso comer isso em casa, então..."

Adoro gordura!

Chloe: Adoro gordura! Como uma coisa tão deliciosa pode--

Rachel: --fazer tão mal!

Chloe: Oh-ou, caiu uma batata no meu terno.

Rachel: Agora vou ter que incinerá-lo.

Chloe: Ainda bem que tenho uma fantasia de esquilo no carro.

Batata-frita de advogado.

Chloe: Ainda bem que sou advogado. Adoro quando me pagam com batata-frita.

Rachel: Será que ele representa o Papa-Burger?

Chloe: Aí ele não seria pago com hambúrger?

Rachel: Putz, é mesmo.

Ambas dão risada.

Pai e filho

Rachel: Hum, o que tá rolando com aqueles dois?

Sacríficio infantil.

Chloe: E o senhor disse: queimarás teu primogênito e o oferecerás como sacrifício...

Rachel: Com quem você tá falando, pai?

Chloe: Ninguém, filho. Agora, debruce sobre a grelha e veja se o fogo acendeu. Mais perto. Mais perto...

Grupo de caça.

Chloe: Se quiser comer, vai ter que aprender a limpar seu próprio alimento como um homem.

Rachel: Mas eu não sei limpar uma águia-careca, pai.

Chloe: Não? Que diabos eles te ensinam na escola, então?

Rachel: Uau, que mórbido.

Chloe: Mórbido demais?

Rachel: Na medida certa.

Corredor

Chloe: Adorei esse cara.

Rachel: No que ele tá pensando agora?

Cueca no rabo!

Chloe: Por mais que eu corra, não consigo fugir desse cuecão.

Rachel: É tão trágico, mas ao mesmo tempo tem uma beleza tão singular.

Fiquem longe, abelhas!

Chloe: Espero que as abelhas não confundam meu short com uma begônia.

Rachel: Já fui polinizado duas vezes essa semana.

Ambas dão risada.

Mulher do notebook

Chloe: Gorro maneiro.

Rachel: No que será que ela tá pensando?

O wi-fi da natureza é horrível.

Chloe: O wi-fi da natureza é horrível.

Rachel: Talvez tenha uma família de esquilos por aqui com banda larga.

Chloe: Eu precisaria adivinhar a senha deles. Bolinhaspeludas69?

Rachel: Comeramnossosfilhotes13?

Chloe: Cedo demais.

Ambas riem

Ver fotos da natureza.

Chloe: É, a paisagem é demais, mas prefiro ver fotos da natureza no computador.

Rachel: Argh, a grama daqui não é verdinha o suficiente.

Chloe: Mal posso esperar pras máquinas assumirem o controle

Ambas riem.

Casal de mãos dadas

Chloe: Tá, vamos ver...

Que tal ouvir uma música

Chloe: Depois quer ir lá pra casa ouvir minha playlist do Spotify?

Rachel: É o tipo de playlist que tem que ser ouvida debaixo das cobertas pra gente realmente apreciar a música?

Chloe: Sim! E as roupas atrapalham muito a acústica, então...

Vamos trocar de mão.

Chloe: Por que sempre andamos de mãos dadas assim? Você não disse que era ambidestro?

Rachel: Não, eu disse que era ambissexual.

Chloe: Ah. Então você consegue fazer sexo com as duas mãos?

Rachel: Exato. Quer ver?

Chloe: Só se você largar minha mão primeiro.

As duas riem.

Chloe: Tá divertido. Quem mais?

Rachel crava o binóculo em uma mulher em baixo da árvore. E Chloe mexe o binóculo junto.

Chloe: Ah, foi mal. Não queria monopolizar o binóculo.

Um homem e uma mulher se encontram. Eles se abraçam e logo em seguida se beijam.

Chloe: Bingo. A sessão de esfrega-esfrega vai começar em três, dois, um-- Na mosca. Cacete, eles estão empolgados.

Cama vibratória

Chloe: Ai, amor acho que usamos a cama vibratória por muito tempo. Estou vendo tudo em dobro. (notando o silêncio) Rachel? Ei, tá tudo bem?

Casal de programa!

Chloe: Espera, você é garoto de programa? Eu também sou! E, agora, quem paga quem? (notando o silêncio) Rachel? Ei, tá tudo bem?

Rachel: O que a gente tá fazendo?

Chloe: Como assim?

Rachel: Que eu saiba, você é Chloe Price. Já tem horas que a gente inventou de matar aula, mas a gente ainda tá sóbria e careta. Isso deve ser contra as regras de matar aula.

Tô dentro

Chloe: Ah, então tá. A aluna exemplar quer mostrar pra delinquente da escola como se faz? Fica à vontade.

Rachel: Que gentil da sua parte.

Ainda tô de ressaca

Chloe: Sei lá, acho que ainda tô com ressaca de ontem.

Rachel: Resposta errada. Se você chama uma garota pra sair, tem que pagar uma bebida.

Ambas se dirigem ao local onde há um casal fazendo piquenique no parque. E Rachel aponta o dedo para uma garrafa à Chloe.

Rachel: Eles têm uma garrafa de vinho. Vamos roubar.

Chloe: Ahn, tá. Ou que tal a gente procurar uma loja de bebidas?

Rachel: Não. Se você leva uma bebida pra um parque público tem que compartilhar com todo mundo, né? E-- foda-se, eu só quero pegar algo que não é meu. Beleza, vou lá. Fica ligada.

Rachel caminha em direção ao casal, e parece ao fundo. A mulher nota.

Mulher: Ahn, pois não?

Rachel finge ter um ataque do coração e cai no chão.

Mulher: Ai, meu deus!

Chloe: (pensando) Puta merda! Isso sim é se dedicar a umpapel. Melhor agir rápido.

Chloe se aproxima da mesa e lentamente tenta furtar o vinho, quando o casal nota.

Homem: Ah, ainda bem! Essa menina precisa de ajuda, vai chamar alguém.

Ajudar a Rachel.

Chloe: (pensando) A Rachel precisa manter o foco dos dois, pra eu poder pegar o vinho.

Mulher: O que você tá esperando? Vai!

Quem está esperando muito

Chloe: Não olha pra mim, olha pro SOS Malibu aí. "Ain, não lembro como faz reanimação, buá". Vê se vira homem ou fica quieto.

Não precisa espear muito.

Chloe: Já pedi socorro. A ambulância deve chegar a qualquer momento. Enquanto isso, mandaram ficar de olho nela. Tipo, prestem muita atenção nela, sem tirar o olho.

Esterilize o ferimento.

Chloe: Já vi esse tipo de situação. Essa moça claramente tem uma ferida que precisa ser esterilizada. Você teria algum tipo de álcool?

Mulher: Não vi nenhuma ferida.

Chloe: Olha mais de perto. Enquanto isso, eu procuro a bebida.

Homem: Tá bom, eu vou checar o pulso dela. É no pescoço, né?

Mulher: Ainda acho que você devia pedir ajuda. Tem um posto de guarda no outro lado do parque.

Homem: Boa ideia. A gente fica vendo, e você vai.

Veja se tem raiva

Chloe: Ai, caramba, isso aí parece raiva.

Mulher: Raiva?

Chloe: É raiva, com certeza. Presta muita atenção pra não deixar ela morder vocês.

Tem remédio aqui

Chloe: Vocês sabiam que foi comprovado que o vinho tinto ajuda a previnir derrames? Ei, olha só que sorte! Vocês têm vinho tinto bem aqui. Podem deixar que eu vou administrar à paciente.

Ver ela morrer?

Chloe: Olha quanto tempo a gente já perdeu. Essa moça precisa de reanimação boca a boca agora.

Rachel: Nãããããão.

Chloe: É, boca a boca, definitivamente.

Homem: Tá bom, tá bom. Você consegue. Não consigo!

Mulher: Patético... Olha, ele não serve pra nada. Essa moça precisa da ajuda de alguém que saiba o que tá fazendo.

É contagioso

Chloe: Ah, merda, já tô me sentindo mal também. Deve ser contagioso. Fujam antes que peguem a doença também.

Chloe perde.

Bom samaritano

Chloe: Tá bom, eu vou. Mas, quando a polícia aparecer, espero que não prenda vocês.

Mulher: Prender a gente?

Chloe: Nunca ouviu falar na lei do bom samaritano? Você tem que fazer tudo que for possível pra ajudar alguém que precisa de ajuda. Tudo.

Homem: Puta merda. Deixa comigo!
Chloe ganha.

Liberte o seu potencial.

Chloe: Ei! Olha pra mim! Você quer deixar as chaves dentro do carro da vida pra sempre? Ou tá pronto pra arrombar a porta e recuperar as chaves do seu potencial?

Homem: Aí, meu deus. Tem razão.

Chavão encorajador...

Chloe: Tu ajudarás aqueles que se ajudam a si". Sabe que disse isso?

Mulher: Deus?

Chloe: Ah, é? Achei que tinha sido Benjamin Franklin. Mas então melhor ainda.

Homem: Porra, ela tá certa.
Chloe ganha.

Chloe vence

O homem se a baixa para fazer respiração boca a boca na Rachel mas no último instante Rachel o empurra e levanta.

Rachel: Ei, nossa, já tô bem melhor. Você salvou minha vida. Obrigada, do fundo do meu coração.

Chloe: (pega o vinho) É, bom trabalho, pessoal. Falou aê.

As garotas saiem correndo com o vinho furtado.

Mulher: Isso foi incrível. Você é um herói.

Homem: Hum, é, acho que sou.

Chloe perde

Mulher: Espera aí. Tem alguma coisa estranha. Vocês duas tão armando pra cima da gente?

Chloe: Rachel, corre!

Rachel se levanta. As garotas correm com o vinho em mãos.

Homem: Que porra é essa?

Ir embora.

Chloe: Aham, pode deixar comigo.

As garotas correm e Chloe verifica se não estão vindo atrás. Rachel aproveita e toma o vinho.

Se falhou no bate boca

Rachel: Acho que você precisa melhorar sua interpretação, mas pelo menos se dedicou ao papel.

Rachel oferece o vinho à Chloe.


Rachel: (oferecendo a Chloe) Toma, você mereceu.

Passa pra cá

Chloe: Valeu.

Chloe bebe um pouco do vinho.

Chloe: Preciso mesmo de um gole, não é fácil tentar acompanhar o seu ritmo.

Não valeu!

Chloe: Não, valeu. Foi você que ralou pra gente conseguir.

Rachel: Como queira.

Rachel: Tô me sentindo sóbria demais.

Chloe: (pensando) Tá. Beleza. Acho que é hora de ir embora.

Ferro Velho

Chloe e Rachel estão andando sobre os trilhos do trem. Elas notam um lixão e Chloe mostra para a Rachel o local.

Chloe: Uau. Ei, olha só isso!

Rachel: Legal. Um monte de lixo.

Chloe: Ahn, sim, um montão de lixo irado. Vamos explorar.

Rachel: Pode se divertir, Chloe. Eu vou me sentar.

Chloe: (pensando) A Rachel parece meio distante desde que a gente foi embora do parque. Qual é a dela?

As garotas caminham um pouco mais a frente, Rachel se senta em uma caixa.

Desafiar.

Chloe se aproxima de Rachel.

Chloe: Já ouvi dizer que atores são instáveis, mas, nossa, Rachel.

Rachel: Não sou instável. Só preciso de um pouco de espaço. Tudo bem?

Deixar ela em paz

Chloe se aproxima e senta próximo a Rachel. Ela nota e fica um pouco irritada.

Rachel: Chloe, eu preciso mesmo de um pouco espaço.

Chloe se levanta e questiona Rachel.

Chloe: Ok... Cara, não. Achei que a gente tava se divertindo pra cacete. Por que você começou a agir assim do nada?

Rachel: Não tô agindo de forma alguma. Só quero ficar sozinha agora.

Eu entendo

Chloe: Tá, eu entendo. Não sou a pessoa mais fácil do mundo. Não tenho um monte de experiência com esse lance de amizade.

Rachel: Nem tudo gira em torno de você, Chloe.

Chloe: Não foi isso que eu disse. Só tô dizendo que entendo.

Rachel: Não. Não entende.

Eu não entendo

Chloe: Não. Não entendo. Você não pode ficar hostil comigo assim, do nada.

Rachel: Desculpa, ficar hostil? Já ia me esquecendo, o importante é sempre como você se sente, né? "A pobre Chloe tá triste de novo." Tenta se importar com os outros também, de vez em quando.

Chloe: Você tá falando sério?

Rachel: (se levanta e joga a garrafa no barril) Porra!

Chloe: Ahn...

Rachel fica frustrada e volta a se sentar.

Chloe: (pensando) Tá, ainda não faço ideia do que tá rolando com a Rachel, mas parece que ela quebra coisas quando tá puta. Posso lidar com isso.

Chloe observa ao redor e vê um taco no chão. Ela pega e verifica.

Chloe: Beleza!

Dar o taco pra Rachel

Chloe: Aqui. Se quer mesmo quebrar alguam coisa, isso aqui vai te ajudar.

Chloe dá o taco para a Rachel, ela pega, olha e joga longe.

Dar show

Chloe: Ei, olha só.

Rachel se vira para Chloe

Chloe: Nem sempre tomo cerveja. Mas, quando tomo, prefiro estar do lado de uma privada velha.

Chloe coloca a cerveja em cima da tampa de descarga. Ela pega o taco e bate na garrafa.

Chloe: Pra fora do estádio!

Rachel se levanta e vai em direção a Chloe.

Rachel: Posso ver?

Chloe: Claro.

Chloe entrega o taco para a Rachel, ela olha e joga longe.

Rachel: Eu pedi pra você me deixar sozinha.

Chloe: Tá de sacanagem? Eu sei que você é a princesa da escola e tudo mais, com o papai promotor público, as notas perfeitas e todas as Victoria Chases perfeitinhas babando ovo pra você, mas sério, vai se foder.

Rachel: Beleza. Vou embora. Te vejo por aí, Chloe.

Chloe: Você não pode ir!

Rachel: Me impeça.

Chloe: Rachel, espera! Não vai.

Rachel escuta, vira para trás e caminha lentamente próximo a Chloe.

Rachel: Por que não?

Chloe: Porque... porque não quero estragar isso do jeito que estrago tudo na minha vida.

Rachel: (cruzando os braços) E o que é "isso" exatamente?

UMA AMIZADE

Chloe: Uma amizade de verdade.

Rachel: Ah. Só isso?

Chloe: Quer dizer, não sei. Ainda. Mas eu quero descobrir.

Rachel: Achei que Chloe Price não precisasse de amigos.

Chloe: Eu também achava, até hoje. Acho que é mais fácil viver sozinha quando você decide que é uma opção. Me desculpa. Por tudo que eu fiz... ou não fiz. Hoje foi o melhor dia pra mim desde... ...desde que meu pai morreu. E eu fodi tudo, de alguma forma. Do jeito que eu sempre fodo tudo. Porque eu sou uma fodida. Sério. Eu não quero mais ficar sozinha.

Rachel se aproxima de Chloe, encosta sua mão suavemente em seu rosto e se afasta.

Rachel: Achei que Chloe Price não precisasse de amigos.

Chloe: Eu também achava, até hoje. Acho que é mais fácil viver sozinha quando você decide que é uma opção. Me desculpa. Por tudo que eu fiz... ou não fiz. Hoje foi o melhor dia pra mim desde... ...desde que meu pai morreu. E eu fodi tudo, de alguma forma. Do jeito que eu sempre fodo tudo. Porque eu sou uma fodida. Sério. Eu não quero mais ficar sozinha.

Chloe passa a mão em seu rosto para limpar as suas lágrimas.

Rachel: Desculpa, Chloe. Não sei dizer o porquê, e sei que não é justo. Mas não posso ser sua amiga agora.

Chloe: Não pode ou não quer?

Rachel: Faz diferença? Eu sinto muito. Tchau, Chloe. (indo embora).

ALGO MAIS

Chloe: Cara... sério. Você vai mesmo me obrigar a dizer?

Rachel: Dizer o quê, exatamente?

Chloe: Você sabe. Tipo, uma amizade. Só que... mais.

(Passou/falhou com o segurança na lábia, defendeu ou não o Nathan e compartilhou/não compartilhou os fones com a Rachel).

Rachel: Ah...

Chloe: Eu sei. Bizarro, né? É que hoje foi o melhor dia pra mim desde que meu pai morreu. E quando eu quase estraguei tudo agora, do jeito que eu estrago tudo, eu percebi... que é especial, o que a gente tem.

Chloe cruza os braços e espera a resposta da Rachel.

Chloe: Vai, diz alguma coisa.

Rachel: Chloe, eu... eu...

Chloe: Quer saber? Esquece. Isso foi uma idiotice. Tipo, você é a Rachel Amber, e eu, a Chloe Price.

Rachel: (abrindo os braços) Não é isso. É que é difícil no momento, e eu não posso falar sobre isso.

Chloe: Por que não?

Rachel: Porque não. Eu sei que não é justo, mas é isso.

Chloe começa a chorar, Rachel se aproxima e encosta sua mão no rosto de Chloe, limpando suas lágrimas. Ela se afasta logo em seguida.

Chloe começa a chorar e passa a mão em seu rosto, limpando as lágrimas. Ela fica desolada e quieta.

Rachel: Tchau, Chloe. (indo embora).

Chloe observa Rachel indo embora, ela começa a olhar ao redor e pega o taco jogado por Rachel. Ela se enfurece.

Chloe: Foda-se. Esse. Lugar.

Chloe com o taco em mãos, começa a quebrar os objetos do lixão.

Chloe para em frente a um manequim.

Amizade

Chloe: Falsa e vazia por dentro. Quem mais tem a mesma descrição?

Chloe bate com o taco na cabeça do manequim.

Chloe: Vai se foder, Rachel.

Algo mais

Chloe: Você sabe que ela é falsa, mesmo assim não consegue parar de olhar. Quem mais tem a mesma descrição?

Chloe bate com o taco na cabeça do manequim.

Chloe: Vai se foder, Rachel.

Chloe pega uma caixa e joga pra fora. Uma câmera cai no chão.

Chloe: Nunca entendi seu tesão por câmeras, Max. Você tirou um milhão de fotos da gente, e nenhuma delas mostrava que você ia me deixar quando eu mais precisei de você.

Chloe bate com o taco na câmera, a desmontando.

Chloe: Que se fodam as câmeras.

Chloe: (ao notar a caixa de ferramentas) Se quiser destruir uma família, é importante ter as ferramentas adequadas.

Chloe: Vai se foder, David.

Chloe pega caixa de ferramentas similar a de David e joga para longe.

Chloe enfurecida, bate em diversos objetos do lixão e comenta: Merda! até caminhar um pouco mais pra frente e notar o carro do seu pai, destruído por causa do acidente.

Chloe: Pai?

Chloe caminha lentamente até o capô do carro. Chorando e não acreditando que ele morreu. Ela começa a bater no capô diversas vezes até cair e chorar no chão.

Sonho

Chloe acorda mais uma vez em um sonho estranho, no carro do seu pai. Ela está chorando e nota ao redor a mesma música reproduzida do sonho anterior. William nota e desliga a música.

William: (olhando pra Chloe) Por que está chorando, querida?

Em um flashback de 1 segundo, um Corvo aparece na frente de William, na parte de fora do carro. E mais um flashback volta ao normal.

Chloe: Porque você não é real.

Em um flashback de 2 segundos, William aparenta ser David.

William: Não sou?

Chloe: (pensando) O que tá acontecendo?

Chloe: (ao olhar para o pôster da peça e pensando) O passado é prólogo e tal..

William: Pequena, olhe pelo lado positivo, sim?

Chloe: Que lado positivo?

William: Você fez uma nova amizade hoje.

Mais a frente, Rachel aparece. O carro passa e Chloe fica observando pela janela.

Chloe: (ao olhar para a garrafa de vinho e pensando) Eu não me sinto bêbada.

William: Devo dizer, foi uma briga e tanto.

William: Você diria que rolou uma "DR"?

William: Ela quase arrancou sua cabeça.

Chloe: E daí?

William: Desculpa, querida, acho que estou me metendo nos seus assuntos.

Chloe: (ao olhar para a cabeça do manequim e pensando) Eu devo ter feito isso...

William: (se virando para trás) Mas, às vezes, as pessoas precisam de você. Mesmo quando não admitem.

William aponta o dedo para fora do carro.

Chloe vê Rachel e fica as duas se olhando. Rachel encosta a mão na janela do carro e Chloe faz o mesmo. Rachel começa a pegar fogo.

Chloe: Rachel.

Interrompendo, o mesmo caminhão bate no carro de William e acaba o sonho.

Noite

Ferro Velho

Após o sonho, Chloe acorda no banco de trás do carro do seu pai, William. Ela se levanta, sai do carro e volta para a frente do capô. Ela encosta a sua mão e observa ao redor.

Ela vê um corvo, e pelos trilhos vai em direção ao mesmo caminho mostrado pelo corvo. O caminho vai até o Mirante.

Mirante

Chloe está caminhando e vê Rachel. Chloe vai em direção a ela e nota que está chorando.

Chloe se aproxima e Rachel nota, ela vira o rosto para trás.

Rachel: Você veio. Que bom.

Tem certeza?

Chloe: Tem certeza disso? A mensagem que eu recebi de tarde foi meio diferente.

Rachel: Sim.

Eu também

Chloe: Ei, o dia não podia terminar com... o que rolou hoje à tarde.

Rachel: Chloe, eu queria te falar uma coisa, mas... Não sei como falar sobre isso.

Está bom

Chloe: Você não precisa me dizer nada que não quiser.

Rachel: Lembra do cara que a gente viu embaixo da árvore com aquela mulher?

Chloe: O casal que tava se pegando?

Rachel: Era o meu pai.

Chloe: Ah. Entendi.

Rachel: E aquela mulher com certeza não era minha mãe.

Chloe: Ah.

Rachel: O pior é que não fiquei surpresa. Eu tinha sacado que meu pai andava escondendo algo há um tempo. Eu só não sabia o que era. Então quando vi uma mensagem pra ele de um número desconhecido... marcando um encontro...

Rachel: Pensei em pegar ele no flagra, sei lá...

Sinto muito

Chloe: Sinto muito, Rachel. Não... não sei o que dizer.

Rachel: Eu também não.

Rachel: Chloe, eu amo meu pai. Eu amo meu pai e nunca mais quero ver a porra da cara dele.

Chloe: Quando meu pai morreu, eu tava muito brava com ele. Durante meses, me senti... mal, porque metade das vezes que eu pensava nele, eu queria gritar, e na outra metade, eu esquecia--

Rachel: Esquecia que algo tinha mudado.

Rachel: (tirando a foto do seu bolso, o qual está ela e seu pai quando pequena) É bobagem, mas eu carreguei essa foto comigo durante anos. Foi tirada no Monte Hood. Meu pai me levou lá quando eu tinha dez anos. Começou a chover, (Rachel dá a foto para Chloe) eu caí e quebrei o braço a cinco quilômetros do carro.

Rachel: Eu me lembro de gritar como se fosse morrer. Mas meu pai... ele me carregou montanha abaixo. Ainda lembro do cheiro do casaco dele e como ele tava calmo, e do som da voz dele, e...

Confortá-la

Chloe se aproxima de Rachel mas ela faz sinal de que não precisa.

Rachel: Ele era tão forte, sabe? Eu me senti segura.

Você confiava nele

Chloe: Você confiava nele.

Rachel: Completamente.

Ninguém tá seguro

Chloe: Ninguém nunca tá seguro.

Rachel: Sim.

Chloe: (alcançando a foto pra Rachel de volta) Aqui.

Rachel: (pegando de volta) Chloe, eu te devo desculpas.

Tudo bem

Chloe: Não esquenta.

Eu também te devo

Chloe: Acho que nós duas meio que pisamos na merda.

Rachel: Não, é sério. (Rachel se vira de frente para Chloe).

Flertou com a Rachel

Rachel: Isso que tá rolando entre a gente, é... intenso e novo, e irado, e...

Amizade

Rachel: Talvez você só veja como amizade, sei lá. Mas eu te deixei vulnerável e podia ter lidado melhor com a situação. Me desculpa.

Chloe: Rachel, depois do dia que você teve, tudo bem. É sério. A gente tem todo tempo do mundo pra descobrir isso que tá rolando.

Rachel: Ter te conhecido, essa amizade... é mais importante pra mim do que você pode imaginar.

Algo mais

Rachel: Você teve coragem de me dizer o que sentia, também. E eu te tratei que nem merda.

Chloe: Coragem? Não sei se foi bem isso. Foi mais, tipo, desespero cego.

Bebeu o vinho

A variação só aparecerá se Chloe foi mais amigável/romântica com a Rachel.

Chloe: E talvez um pouco do efeito daquele vinho.

Rachel: Só queria que você soubesse... que foi muita sorte você estar comigo hoje. Você é foda, Chloe Price.

Chloe: O que--

Rachel: Lembra daquele motoqueiro babaca que não queria te deixar entrar no show?

Venceu o bate boca

Rachel: Você passou por ele na lábia.

Encontrou outra maneira=

Rachel: Você cagou pra ele. Eu te vi entrando escondida pela porta lateral.

Chloe: Você viu?

Rachel: E aqueles dois escrotos que te seguiram até o andar de cima?

Atacou

Rachel: Você derrubou o cara com uma garrafada na cabeça.

Rachel: Você derrubou o cara com uma joelhada no saco.

Chloe: Só porque você apareceu no último instante e--

Fugiu

Rachel: Eram dois contra uma, mas você peitou os caras de verdade.

Chloe: Eu teria morrido se você não tivesse atirado a garrafa-

Rachel: Você me inspirou.

Venceu o bate boca

Rachel: E o Drew, quando ele tava provocando o Nathan?

Rachel: Você ficou cara a cara com ele e o desafiou.

Chloe: Aquilo foi bem foda, na verdade.

Rachel: Viu, você é única, Chloe. Não conheço ninguém como você. Além disso, você aceitou vir comigo sem fazer perguntas.

Chloe: Bem, eu não preciso de um bom motivo pra matar aula.

Rachel: Acho que amanhã a coisa vai ficar feia.

Chloe: Talvez minha mãe nem me bote de castigo e passe direto pra pena de morte.

Rachel: E meu pai com certeza vai me punir com...

Sinto muito

Chloe: Eu sinto muito, Rachel.

Foda-se ele

Chloe: Foda-se o seu pai.

Rachel:Foda-se ele.

Chloe: Eu daria tudo pra dar o fora daqui e nunca mais voltar...

Rachel: O que impede a gente?

Chloe: (surpresa) A gente? Sério?

Rachel: Não tenho nada que me prenda aqui. Não mais.

Chloe: Então se eu chegasse pra você amanhã e te dissesse pra arrumar as malas...

Rachel: É sério. Vamos nessa, Chloe. Vamos dar o fora daqui pra sempre.

Chloe: Ok.

A conversa é interrompida e tomada pelo silêncio por um breve momento. Ambas ficam se olhando. Rachel olha para foto e Chloe olha também e olha para a Rachel.

Rachel: Me empresta o isqueiro?

Chloe tira o isqueiro do bolso e dá para a Rachel.

Rachel: Obrigada. (ela se vira).

Rachel caminha até o cesto de lixo do parque. Ela pega a foto e acende o isqueiro, queimando-a e jogando no cesto. Ela olha desapontada e chateada pelo rumo das coisas.

Ambas ficam observando.

Chloe: Vambora.

Chloe caminha um pouco pra trás. Rachel perde a paciência e chuta o cesto de lixo, causando um incêndio florestal. Ela grita.

Chloe fica em choque e surpresa com o incêndio. Mais uma vez Rachel grita e dá impressão de aumentar a intensidade do fogo. Chloe fica observando chocada.

No final do jogo, Frank aparece sentado próximo ao seu trailer com Damon, bebendo uma cerveja. Ele olha para o céu e fica surpreso com o incêndio que está a acontecer.

Joyce e David estão juntos, com Joyce preocupada com Chloe.

Na Blackwell, Nathan aparece olhando seu portfólio e ao fundo, estão Steph e Mikey sentadas na mesa, juntamente com o seu irmão Drew em pé.

No estacionamento do Campus, Wells está conversando com um policial e o promotor público de Arcadia Bay.

No final, aparece uma mulher misteriosa fumando um cigarro e dando um sorriso.

Bate boca

  1. De acordo com a citação do desafio de bate boca: No bate-boca, você usa argumentos e insultos para convencer alguém a fazer o que você quer.
  2. É mostrado um status de argumentos, o qual Chloe poderá pontuar se argumentar bem ou o seu oponente pontuar, em caso de errar.