FANDOM


O Diário da Max é uma seção da agenda da Max que contém 73 páginas duplas que registram as aventuras de Max Caulfield em Arcadia Bay, começando em julho quando ela foi aceita na Academia Blackwell. Max o mantém atualizado ao longo do jogo, registrando tudo o que aconteceu até determinado momento. Trechos extras contendo informações sobre os pensamentos internos da Max são revelados desta maneira. Os registros mudam de acordo com as escolhas feitas pelo jogador.

10 de julho de 2013

FUI ACEITA NA ACADEMIA BLACKWELL.

Se as palavras pudessem dançar, aqui seria uma festa. Apesar de eu nunca ter ido a uma. Mas quem se importa? EU FUI ACEITA NA ACADEMIA BLACKWELL! Eu não achei que ficaria tão empolgada, já que não é como se eu não tivesse vivido na mesma cidade. Mas, quando vi o texto do departamento de bolsas da Blackwell, meu coração disparou.

Achei que a resposta seria "Foi mal! Agradecemos a tentativa!" Demorei alguns segundos para ler tudo. Acho que queria desfrutar de cada momento da ignorância. E, quando li a primeira palavra, "Parabéns..." Eu acho que gritei.

Minha mãe chorou e o meu pai riu. Eles são tão estranhos, mas estão felizes e isso significa mais apoio financeiro, pois não terão que pagar nada para a Blackwell. Isso significa mais roupas e, se eu conseguir, um laptop novo.

Ah, e eu sempre tenho que deixar claro para mim mesma que ESTOU INDO PARA A ACADEMIA BLACKWELL.


18 de agosto de 2013

Então é isso. Estou indo embora de Seattle para voltar para Arcadia Bay. Geralmente, as pessoas vão para escolas de ensino médio perto de casa. Acho que eu também, mas não moro lá há 5 anos. Dentre todos os melhores programas de fotografia no mundo, eu escolhi ir para o menor, em uma cidade que adorei ter deixado antes.

Talvez eu queira voltar para lá, apenas para ver se a Chloe ainda é minha amiga. Eu queria que ela tivesse se mudado para Seattle conosco. Aquela cidade foi feita para ela. Quando brincávamos de pirata em nossos quartos e no mato, parecia que Seattle era aquela ilha distante e fabulosa de tesouros e aventuras que sempre procurávamos. E cafés.

Mas Seattle não era como uma fábula. Au contraire. Agora, a Academia Blackwell parece mais exótica do que qualquer lugar no mundo inteiro. Estudar fotografia com o Mark Jefferson... HMMM. Corações e flores. Além disso, terá vários estudantes legais de todos os lugares. Não será como o ensino médio agora... Nunca me dei bem com os colegas, nem com os garotos... Tenho sorte de ter pelo menos alguns amigos aqui. Mas está na hora de partir.

Talvez Arcadia Bay seja de fato a ilha de tesouros e aventuras que eu procuro...


25 de agosto de 2013

A parada é louca aqui. Não tinha percebido a quantidade de tralha que eu teria que arrumar até poder arrumar o resto. Meus pais estão empolgados demais por eu esvaziar o meu quarto... embora mamãe estivesse chorando quando estava arrumando minhas blusas.

Isso fez com que eu chorasse como uma criancinha. E como se não quisesse deixar Seattle. Então, em vez de arrumar minhas coisas, estou com vontade de queimar todas elas e, depois, comprar um novo guarda-roupa da Max. Não que eu tenha um antigo guarda-roupa da Max.

Ninguém me conhecerá além da Chloe e não faço ideia do quanto mudamos. Posso cortar o cabelo, fazer uma tatuagem e colocar alguns piercings... Talvez sair com um artista estrangeiro de Paris ou de Roma. Posso fazer tudo. A não ser que eu seja descoberta.

Terei tantas chances de minha fotografia ser vista pelos outros! Pensar nisso me deixa assustada, mas empolgada. E, depois, nem sinto vontade de chorar. Meus braços formigam, sentindo o universo se abrindo para mim. Mal posso esperar pela mudança.

Eu só quero que as coisas sejam... diferentes na Blackwell.


2 de setembro de 2013, 00:07

Minha primeira anotação no quarto do dormitório na véspera do meu primeiro dia na Blackwell. Nossa! Eu não tive tempo para escrever nem tirar fotos desde que cheguei. Minhas coisas estão em várias caixas pelo quarto, pequeno mas meu, e eu não quero sair daqui tão cedo. Estou ansiosa para decorar! Quero fazer uma parede inteira de fotografias. Conheci algumas parceiras de dormitório, apesar de eu ser péssima com nomes. Melhor nem tentar lembrar agora. Acho que já consigo ver quem é legal e quem não é. É uma droga tentar se virar em uma nova escola e ambiente social depois de finalmente encontrar amigos legais em Seattle.

Mas agora estou aqui e esse é o início de uma nova vida. Bons sonhos.


3 de setembro de 2013

Blackwell que nada! Eu disse a mim mesma para não choramingar tão cedo, mas... O dia começou como uma manhã de natal. Mal consegui ter sonhos, pois acordei empolgada para começar o primeiro dia oficial da minha nova vida. Como uma idiota, não consegui pensar em algo para vestir, então peguei o que estava no chão. Ainda sou péssima com nomes e rostos, mas lembro de nomes como Kate, Brooke, Taylor, Alyssa...

E como eu me esqueceria da Victoria Chase? Rica, estilosa, conhecida. Consegui sentir o JULGAMENTO INSTANTÂNEO quando ela olhou para as minhas roupas velhas. Como se eu estivesse na Blackwell para ser chique... Talvez eu esteja sendo muito dramática, mas acho que a Victoria quer que a vida seja como um programa de TV só dela. Argh...

Minha preocupação com a vida social não é engraçada... Achei que seria mais fácil estar de volta. Mas que desgraça! Não quero que meu dia termine todo "Max tristonha". Foi incrível andar pelo campus verde na névoa do amanhecer. Eu adoro as escadas de pedra e as paredes de tijolo da Blackwell. Tudo é uma fotografia esperando para ser tirada... Falando nisso, pelo menos uma coisa ótima aconteceu hoje: a aula de fotografia do Sr. Jefferson. Nossa...

Ainda tenho muito para contar, mas, diário, estou exausta.


4 de setembro de 2013

Já tenho uma porrada de dever de casa. Coisa para caramba. Podiam pelo menos dar aos novatos um dia de adaptação. Não sou uma completa idiota, fiz um novo amigo na aula de ciências. Ele se chama Warren Graham e é muito inteligente, além de sombrio e engenhoso.

O Warren acha que sabe de tudo, e realmente sabe muita coisa. Falamos sobre fotógrafos e ele realmente mencionou alguns nomes desconhecidos. Trocamos o nosso número de celular e ele será um grande parceiro de estudos (ou um bom amigo). Precisarei pelo menos de um, baseado na panelinha que acontece aqui. Achei que ter 18 anos significaria não ter mais que lidar com drama de adolescente. ACHEI.

Pelo menos posso pesquisar sobre fotógrafos famosos para o meu dever de casa. O Sr. Jefferson nos mandou ler várias coisas, mas é isso mesmo que quero estudar. O Jefferson é super legal e super tranquilo.

Ele não tenta ser muito descolado, apenas diz o que acha e espera que nós façamos o mesmo. Eu o acho um gênio. CARAMBA, QUERO CASAR COM ELE. Brincadeira. Essa aula faz todo o problema com a vida social valer a pena.


15 de setembro de 2013

O dever de casa está acabando comigo. Aposto que os professores avaliam de forma mais rigorosa apenas para você parar de se sentir especial. No entanto, a Victoria Chase e os lacaios esnobes dela ainda acham que são convidados de honra da Blackwell. Os caras aqui não são diferentes. O Nathan Prescott é o clone masculino da Victoria, com muito mais dinheiro e atitude, se é que isso é possível.

A família dele é a mais antiga de Arcadia Bay e eu ouvi histórias sobre eles quando ainda era criança. A família Prescott doa muito dinheiro à Blackwell, então Nathan age como se literalmente fosse dono dela. Ontem, durante a aula, ele colocou os pés na mesa, começou a mexer no telefone e a professora não deu nem um pio!

Eu seria suspensa. Mas ele e a Victoria fazem parte desse "Clube Vortex" ridículo de elite que faz festas populares. Deve ser bom ser o rei e a rainha.

Não quero criticar todo mundo. Eu gosto da Kate Marsh, ela é do mesmo corredor que eu e temos uma aula em comum. Ela é linda. E gentil, além de amigável. Isso a torna muito mais bela que vadias como a Victoria, que acham que a beleza é apenas o rosto e as roupas. Tá vendo? Já estou jogando os jogos de drama dela. Chega!


23 de setembro de 2013

Finalmente tive a chance de tirar algumas fotos pelo campus hoje. Um belo dia de céu azul. Eu sempre esqueço como é ótimo tirar fotos quando estou relaxando. Falando em fotos, o Sr. Jefferson nos contou sobre uma competição nacional de fotografia que quer que participemos, chamada "Heróis do Cotidiano".

O vencedor ganha uma viagem para São Francisco e muita publicidade. Ele quer apenas uma fotografia de cada aluno. É por isso que eu quis vir para a Blackwell e é claro que estou morrendo de medo de participar. Pelo menos, tenho algumas semanas até o prazo em outubro. Ainda tenho muito tempo para me estressar e procrastinar. Ufa.


30 de setembro de 2013

Não sei se amo ou odeio esse lugar. Estou tentando acompanhar a aula de ciências acima de tudo. Como se eu entendesse ou ligasse para algo. Ainda bem que conheço o Warren. Uma pena eu não poder cloná-lo para tomar o meu lugar na aula.

A Srta. Grant é bem legal. Explica a física de partículas para que até retardadas como eu consigam entender. Adoro como relaciona a sociedade à ciência e vice-versa. Comprometida e apaixonada pela vida, diferente de alguns de nós na aula. Estou tentando me comprometer mais, fazendo perguntas em vez de me esconder no escuro. Estou contente por não ser a única excluída aqui.
E você, quanto dever de casa está evitando?


1° de outubro de 2013

Outubro. O meu mês favorito. O melhor clima do ano. Adoro ver as folhas mudarem de cor, transformando-se em pequenas chamas. Porém, ainda está superquente (valeu, aquecimento global) e ainda não posso usar meus casacos enormes, suéteres, nem ver filmes de terror. A Kate me emprestou "O País de Outubro" de Ray Bradbury.

Eu ainda não o li muito (o que fez Warren quase revogar minha posição de nerd antes que eu surgisse com minha cópia de "Battle Royale"), mas ele combina muito com a atmosfera do outono das pequenas cidades. A última vez em que usei uma roupa de dia das bruxas, eu estava com a Chloe... Tenho fotografias disso em um dos meus antigos álbuns...

Eu deveria encontrar uma festa de dia das bruxas de verdade para me misturar socialmente. Ou isso, ou uma festa na piscina do Clube Vortex. Mas acho que eu ficaria boiando em uma festa dessas. Belo trocadilho, Max.

Pelo menos estou tentando sair do casulo. Eu não deveria achar que a minha vida fosse mudar completamente depois de algumas semanas na Academia Blackwell. Como meus pais adoram dizer várias vezes, "você tem todo o tempo do mundo".


Episódio Um - "Chrysalis"

Segunda-feira, 7 de outubro

Essa será a anotação mais estranha. Nem sei por onde começar. Tudo começou com o sonho mais vívido da minha vida. Estava perdida em uma tempestade perto do farol, à beira do desfiladeiro.

Em seguida, vi um enorme tornado em direção a Arcadia Bay. Era tão real que dava até para sentir a chuva caindo no meu rosto e eu estava com muito medo. Em seguida, um barco chegou no farol e eu tinha certeza de que ia morrer.


Daí acordei na aula do Sr. Jefferson e não estava nem dormindo. Eu quase caí da cadeira. O Jefferson me fez uma pergunta e eu fui um desastre na resposta. É claro que a Victoria teve que se exibir para que eu parecesse ainda mais idiota. Ela é horrível. Em seguida, não tive coragem de enviar uma foto para a competição "Heróis do Cotidiano", enquanto a Victoria puxava o saco do Jefferson, como de costume. Ele é tão legal e claramente quer que eu tenha sucesso.


Eu me senti péssima. Só queria ir ao banheiro para ficar sozinha e lavar o rosto depois de um pesadelo terrível. Quando cheguei lá, vi uma linda borboleta azul voar pela janela e, assim que tirei uma foto dela no canto do banheiro, o Nathan Prescott entrou enlouquecido, falando sozinho. Eu me escondi em um canto, uma garota punk entrou e eles começaram a discutir sobre drogas e dinheiro. E então o Nathan sacou uma arma e ATIROU na garota.


É aí que a coisa fica bizarra.

Quando o Nathan disparou a arma, eu saí do canto e levantei a mão por algum motivo imbecil, como se fosse deter a bala. Mas, de repente, senti o mundo girando e uma pressão na minha cabeça, como se tudo estivesse retrocedendo. Em seguida, notei que estava de volta à aula, na minha mesa!


Eu achei que tinha tomado alguma droga, até que me acalmei. Vi tudo acontecer na aula exatamente como antes. Um tremendo de um déjà-vu. De alguma forma, eu consegui literalmente voltar no tempo.


Eu sabia que a única maneira de descobrir se estava enlouquecendo era ir ao banheiro e tentar salvar a garota do Nathan desta vez. Mas não fazia ideia de como fazer isso. Só sabia que não conseguiria viver comigo mesma se eu a deixasse morrer. Fugi do Jefferson dessa vez sabendo exatamente como respondê-lo e corri de volta para o banheiro.


Eu me escondi no canto de novo e não acreditei quando o Nathan apareceu, todo louco de novo.


A garota entrou no banheiro e, antes do Nathan atirar nela, quebrei o antigo alarme de incêndio e assustei os dois. Vitória!


...Até ser parada pelo chefe de segurança, David Madsen, que pensa que é o Chuck Norris: Ranger da Blackwell.[1]O Nathan Prescott quase mata uma garota no banheiro, mas, não, EU SOU O PROBLEMA. Ainda bem que o Diretor Wells apareceu e dispensou o David.


Dedurar o Nathan
Aí fiz a possível decisão crítica de contar ao Diretor Wells que vi o Nathan balançando uma arma no banheiro. Não achei que deveria falar da garota, nem das minhas habilidades de voltar no tempo, por motivos óbvios. Ele não quis acreditar em mim e quase fez com que eu me sentisse um lixo por contar que a porra do aluno mais importante da Blackwell levou uma arma para o colégio. Eu não podia contar a ele que o Nathan matou uma garota na outra linha do tempo...

Esconder a Verdade
Eu queria falar para o Diretor Wells que vi o Nathan com uma arma no banheiro, mas não queria ter de falar da garota, nem do meu poder de voltar no tempo, por motivos óbvios. Não saberia como falar disso com ele sem parecer louca. Ele me interrogou por estar no corredor durante o alarme de incêndio. Ainda bem que não tive que contar a ele que a porra do aluno mais importante da Blackwell matou uma garota na outra linha do tempo...


Então o meu dia da escola começou com um sonho apocalíptico e acabou com uma vida sendo salva e a descoberta de um estranho poder de voltar no tempo. Não sei como superar isso.


Tudo parece tão surreal agora. Não posso falar sobre isso com ninguém, bem... A única pessoa com quem eu poderia, não vejo há cinco anos. Eu poderia confiar no Warren: ele é inteligente e sabe muito sobre ciência, talvez até possa pensar em uma explicação. Apesar de eu não fazer ideia do que possa ser.


Até descobrir isso, é melhor eu tomar bastante cuidado com essa coisa e me concentrar nas aulas. O Warren me enviou uma mensagem pedindo o pen drive dele de volta, apesar de eu não ter tido a chance de olhar todos os filmes e programas nele.


Eu assisti a alguns episódios de "Doctor Who" e "Arquivo X"; um pouco de "Fullmetal Alchemist" e, depois, "Faster, Pussycat! Kill! Kill!" (todos os tipos de mulheres amazonas no incrível preto e branco), "Tetsuo" (uma viagem cyberpunk com um visual incrível) e "Scott Pilgrim" (pela milionésima vez).


Mudando de assunto, eu vi um cartaz de pessoa desaparecida no campus de uma tal de "Rachel Amber", uma bela aluna da Blackwell que sumiu. É triste ver o sorriso dela e pensar que várias coisas terríveis podem ter acontecido. Se houvesse uma maneira de voltar seis meses no tempo, eu com certeza o faria.


Eu tive que voltar ao dormitório para pegar o pen drive do Warren e, sim, a Victoria e outras megeras do Vortex não me deixaram passar, e até tiraram uma foto minha... Foi tão típico de "filme colegial" que mal pude acreditar.


Ela mandou eu tirar uma selfie na casa do caralho, o que foi engraçado. Não sei por que ela tem que agir dessa forma. Já tem tudo o que quer, não tem? E ela me forçou a usar meu poder de voltar no tempo até que houvesse uma maneira de tirá-la do meu caminho. Não quero usar o meu poder para besteiras como essa, especialmente se for um "dom" dado pelo universo, mas, pelo menos, serviu de chance para testá-lo.


Confortar a Victoria
Mas eu me senti péssima ao ver a Victoria sentada na escada, sozinha e coberta de tinta. Ela não parecia a Rainha Piranha da Blackwell, apenas uma garota tão confusa quanto eu. Eu sabia que tinha que descobrir se ela estava bem. Ela foi legal e até pediu desculpas. E também excluiu do celular a foto que tirou de mim. É, talvez haja esperança para o futuro.

Tirar uma foto da Victoria
Mesmo assim, não acredito que eu tirei uma foto da Victoria coberta de tinta em retaliação. Eu deveria me sentir valente. Ela jurou vingança, então acho que tenho oficialmente a minha primeira inimiga na Blackwell.


Mais drama de colegial... A Juliet não deixava a Dana sair do quarto porque achou que o Zachary estava trocando mensagens picantes com ela. Tanta tolice. Eu estava muito cansada de tudo e, como a Dana estava com o pen drive do Warren, tive que intervir.


A Juliet me disse que foi a Victoria quem fez fofoca sobre o Zach e a Dana, então eu sabia que ela estava armando para eles. Entrei escondida no quarto da Victoria, acessei o laptop dela e descobri que ela estava de fato mentindo sobre tudo apenas para fazer um drama. É claro que eu me senti péssima por entrar no quarto e no laptop da Victoria.


Falar sobre a Gravidez
Quando dei à Juliet a prova de que a Victoria estava por trás de tudo, fui pegar o pen drive do Warren com a Dana. Ela estava estranha, então dei uma olhada no lugar para ver se conseguia descobrir o motivo. Encontrei um teste de gravidez junto com um bilhete do Logan e um papel de consulta médica. A Dana admitiu que estava grávida e eu finalmente entendi que todos os meus amigos têm problemas tão significantes quanto os meus. Afe.

Não falar sobre a Gravidez
Quando dei à Juliet a prova de que a Victoria estava por trás de tudo, fui pegar o pen drive do Warren com a Dana. Ela estava estranha, mas falamos mal da Victoria e acho que isso a deixou melhor. Falamos sobre o Warren e a Dana sugeriu que ele gosta de mim. Eca.


Ajudar a Alyssa
Estou pegando o jeito com esse negócio de voltar no tempo. Não quero desperdiçar este poder, mas deve haver um motivo para ele ter sido dado a mim, então é melhor aprender como usá-lo corretamente. Comecei salvando a Alyssa de levar uma bolada na cabeça. Tenho que admitir que foi incrível ajudá-la com algo tão simples.

Não Ajudar a Alyssa
Preciso pegar o jeito com esse negócio de voltar no tempo. Não quero desperdiçar este poder, mas deve haver um motivo para ele ter sido dado a mim, então é melhor aprender como usá-lo corretamente. Eu podia ter usado o poder para algo tão fácil quanto avisar a Alyssa que ela ia levar uma bolada na cabeça. O quão seletiva eu tenho que ser com esse poder?


Intervir
Também vi o David Madsen incomodando a Kate Marsh. Não consegui escutar tudo, mas ele a estava acusando de algo. Esse cara só sabe apontar o dedo na cara dos outros! Fiquei tão indignada que fui até ele para impedir a babaquice. Ele é um segurança, não um stormtrooper[2]. Ele foi um cuzão (como de costume), mas me senti bem com o que fiz e a Kate ficou contente por alguém ajudá-la. E fiz isso sem usar o meu poder de voltar no tempo.

Tirar uma Foto
Também vi o David Madsen incomodando a Kate Marsh. Não consegui escutar tudo, mas ele a estava acusando de algo. Fiquei muito indignada, esse cara só sabe apontar o dedo na cara dos outros. Ele é um segurança, não um stormtrooper. Mas, maricas do jeito que sou, não fui até lá defendê-la. Fiquei com medo. Às vezes, eu acho que ainda sou apenas uma criança. E, sim, a Kate não achou legal eu não ter ido ajudá-la. Eu a decepcionei e meu poder de voltar no tempo foi inútil.


O dia só está piorando. Nem acredito no que estou escrevendo. E não posso fazer nem uma simples tarefa, como devolver o pen drive ao Warren, sem passar por maus bocados.


Embora, nesse caso, tenha acabado no meio termo. Acho que é o yin yang da vida. Quando encontrei com o Warren no estacionamento, vendo o carro antigo que comprou, adivinha quem apareceu? Nathan Prescott, todo pirado de novo. Ele só foi lá para falar um monte de besteira na minha cara.


Apesar de ter ficado assustada por saber o que ele fez com a garota no banheiro, eu fiquei mais furiosa.


Em seguida, a "garota do banheiro" surgiu em uma caminhonete. Minha antiga melhor amiga, Chloe Price.


Nós nos olhamos tipo, "Que porra é essa?" Depois, entrei na caminhonete enquanto o Warren fazia o papel de macho, tentando fazer o Nathan parar de me encher o saco. Devo muito ao Warren. Ver a Chloe pela primeira vez depois de cinco anos foi um choque e eu quase fiquei paralisada. Principalmente depois de lembrar que o Nathan quase a matou na minha frente.


Agora a Chloe aparece do nada para me salvar.


De todas as merdas bizarras e inexplicáveis que aconteceram hoje, entrar na caminhonete velha da Chloe, ouvir música e ficar olhando para o boneco do painel dela deve estar no topo da lista.


Eu tentei processar o fato de que a Chloe e eu éramos melhores amigas que não se conheciam mais. Ela estava com o cabelo azul, colocou piercings, roupas legais e, eu... eu parecia uma idiota. Eu nem sabia por onde começar e ela não estava me ajudando muito.


Então ficamos quietas como duas desconhecidas. Pelo menos tive tempo de recuperar o fôlego e perceber que, no meio da briga entre o Nathan e o Warren no estacionamento, minha câmera foi danificada. Não me importei em pensar nas outras coisas que aconteceram. Mas essa foi a pior de todas elas.


Voltar à antiga casa da Chloe pela primeira vez depois de cinco anos foi como uma legítima viagem no tempo. Algumas coisas estavam obviamente diferentes, mas outras não. A casa tinha o mesmo cheiro da nossa infância.


O quarto da Chloe parecia uma versão explodida da nova adulta que ela se tornou: descolada e caótica. Dava para ver que ela estava incomodada. A Chloe queria queimar um e relaxar, então eu dei uma olhada no quarto para descobrir os novos interesses dela.


Foi então que eu encontrei uma foto da Chloe com a Rachel Amber. Ela enlouqueceu e brigou comigo por não ter ligado uma vez sequer. Eu mereci. Ela e a Rachel viraram melhores amigas e iam deixar Arcadia Bay e partir para Los Angeles atrás de fama e fortuna. Dava para ver como a Chloe se importava com a Rachel, já que foi ela quem colocou todos os cartazes pela cidade.


Eu me senti pior ainda por deixar a Chloe sozinha todos esses anos, quando ela mais precisou de mim. Você é péssima, Max. Mas a Chloe está obcecada pela Rachel, a que desapareceu. Ela disse que ela sumiu depois de conhecer um cara incrível... provavelmente um psicopata online. A Chloe queria fumar e ficar sozinha, então desci para achar as ferramentas para consertar a minha câmera.


Abriu o Armário do David
Bisbilhotando pela casa, encontrei o cúmulo da paranoia: um conjunto completo de minivigilância da casa da Chloe, com câmeras nos corredores e em alguns quartos. Uma parada bem bizarra. Que tipo de paranoico coloca câmeras na própria casa? O padrasto da Chloe, eu acho. Agora entendo a atitude dela.


Quando subi para o quarto, não pude consertar a droga da cãmera. Aí a Chloe viu a foto da borboleta e percebeu que eu estava no banheiro e disparei o alarme. A atitude dela mudou completamente e ela concluiu que eu salvei a vida dela.


Apesar de isso poder ter acabado de outra maneira... Ela ficou feliz que nem na época em que éramos pequenas e foi bom ver o rosto dela brilhar. Ela até me deu a câmera velha e incrível do pai dela como símbolo da nossa reunião. Depois, aumentou o som e começou a dançar loucamente na cama. Ela até fez eu me remexer, mas só um pouquinho.


Foi quando o padrasto da Chloe chegou. E era o David Madsen.


Não se Esconder
Não pude me esconder quando o David entrou, indignado por causa da música e por eu estar lá. Ele dava ainda mais medo fora do campus por não estar em ambiente escolar. Ele acusou a Chloe de pegar uma das armas dele.

Assumir a Culpa
Depois, a parada ficou séria. O David encontrou o baseado da Chloe e explodiu com a gente. Eu disse que a parada era minha e ele apontou o dedo para mim, mas a Chloe me defendeu bravamente. O David pode usar isso contra mim agora, mas nem ligo. A Chloe ficou impressionada por eu assumir a culpa.

Eu e a Chloe decidimos sair de lá e dar uma explorada... como melhores amigas.

Culpar a Chloe
Depois, a parada ficou séria. O David encontrou o baseado da Chloe e explodiu com a gente. Ela disse que era meu, mas não assumi a culpa. Acho que deveria ter assumido. Eu estava pensando na bolsa da Blackwell acima da minha melhor amiga. E o David me assustou muito. Enfim, agora a Chloe ficou chateada comigo de novo.

De volta à estaca zero. Sempre tento tomar as decisões certas, mas sempre ferro tudo...

Se Esconder
Tive que me esconder no armário quando o David entrou no quarto, indignado por causa da música. Ele dava ainda mais medo fora do campus por não estar em ambiente escolar. Ele acusou a Chloe de pegar uma das armas dele.

Ficar Escondida
Depois, a parada ficou séria. O David encontrou o baseado da Chloe e explodiu com ela. Ela não ficou quieta e ele deu um tapão na cara dela. Maldito.

Pensei que a Chloe ficaria chateada de eu não a ter ajudado, mas ela achou que não faria diferença.
Decidimos sair de lá para dar uma explorada... como melhores amigas.

Intervir
Depois, a parada ficou séria. O David encontrou o baseado da Chloe e explodiu com ela. Eu não aguentei, lembrando que ela quase morreu pela manhã, e saí do armário, dizendo que a maconha era minha.

O David tentou me ameaçar, mas a Chloe foi incrível e o ameaçou. Ele saiu de lá bem depressa. A Chloe ficou contente por eu assumir a culpa.
É claro, ela de fato roubou uma das armas do David e estava balançando ela como uma idiota. Muito poder de fogo para essa garota encontrar em um dia. Ou em uma vida. Felizmente, decidimos sair de lá para dar uma explorada... como melhores amigas.


Depois, eu e a Chloe fomos ao farol para assistir ao pôr do sol. Ela estava feliz e me contou mais sobre o David e a paranoia dele na escola e em casa. Tudo fez sentido.


Mas eu queria saber por que a Chloe estava no banheiro com o Nathan Prescott. Ela me contou que ele vende drogas e que ela queria suborná-lo para pagar uma dívida. É tão estranho ver o rumo que nossas vidas tomaram desde que nos separamos aos treze anos.


Foi quando eu tive outro pesadelo. Estava de volta no farol com uma tempestade, exceto que dessa vez eu estava seguindo o fantasma de um veado até chegar no desfiladeiro. Pude ver o tornado destruindo tudo pelo caminho e, de novo, sentia as gotas de chuva. O farol estava caindo aos pedaços e eu me senti péssima ao ver o tornado indo em direção à cidade.


Em seguida, a Chloe me tirou do sonho e eu contei o que vi. E, como se o dia já não estivesse bizarro, começou a nevar no meio do calor do verão. Foi tão estranho, bizarro e belo ao mesmo tempo.


Especialmente por estar lá com minha melhor amiga. E com esse pensamento positivo, consegui finalmente uma boa noite de sono.

Episódio Dois - "Out of Time"

Terça-feira, 8 de outubro

Acordei uma pessoa diferente hoje de manhã. Mesmo que ninguém saiba disso ainda. Depois das revelações intensas de ontem com o meu poder de voltar no tempo e de ter salvado a vida da Chloe, dentre outros chiliques bizarros (como a Victoria diria) na Blackwell, tenho que admitir que tudo está diferente agora. E eu achei que expor minhas fotos ao mundo seria difícil.


Depois que a Chloe me deixou no dormitório ontem, tentei descobrir mais sobre a neve bizarra que caiu quando estávamos no farol, mas os meteorologistas locais estão confusos até agora. Fiquei tão eufórica que virei a noite pesquisando sobre física e tempo.


Como não sou o Warren, acabei sabendo menos sobre a minha situação do que quando comecei... Não acho que a minha visão do tornado e a nevasca estejam conectados, mas já nem sei mais em que acreditar nessa porra. Pelo menos estou feliz por eu e a Chloe sermos uma equipe de novo. Tem que ser o destino.


Agora preciso muito tomar um banho e me preparar para encontrar a Chloe para tomar café da manhã. Só Deus sabe como preciso disso.


Falei com a Kate e ela pediu o livro "O País de Outubro" de volta. Eu amo aquele livro e preciso muito comprar um para mim. É claro que, quando eu estava no chuveiro, a Victoria e a Taylor apareceram e começaram a mexer com a coitada da Kate por causa do vídeo. E, por pura maldade, escreveram o link do vídeo no espelho.


Realmente não entendo como elas conseguem agir dessa maneira. A Victoria tem TUDO. O que ela ganha sendo importunando a Kate Marsh? Deveríamos ser adultas aqui, mas juro que é igual ao filme "Battle Royale", só que sem a distopia e as cabeças explodindo. Só a Victoria poderia fazer eu me sentir suja no chuveiro.


Escondeu a Verdade e Caçoou da Victoria
O enredo fica mais complicado. E eu não consigo sair.
Então, depois de ouvir a Victoria e a Taylor mexendo com a Kate por causa do vídeo, voltei ao meu quarto e ele estava uma BAGUNÇA. Ou pelo menos mais bagunçado do que antes.
Agora tenho que limpar o quarto só para encontrar o livro da Kate... Aposto que a Victoria fez isso por causa da foto coberta de tinta de ontem. Eu deveria ter esperado uma retaliação rápida. Outro dia, outro drama...

Dedurou o Nathan e Confortou a Victoria
O enredo fica mais complicado. E eu não consigo sair.
Então, depois de ouvir a Victoria e a Taylor mexendo com a Kate por causa do vídeo, voltei ao meu quarto e encontrei uma montagem de fotos bizarra. Só o Nathan seria tão perturbado.
Pensar que o Nathan esteve aqui fazendo essa galeria bizarra é sinistro pra caralho. Tenho que começar a tomar mais cuidado por aqui. Eu quase quero um sistema de vigilância agora.

Dedurou o Nathan e Caçoou da Victoria
O enredo fica mais complicado. E eu não consigo sair.
Então, depois de ouvir a Victoria e a Taylor mexendo com a Kate por causa do vídeo, voltei ao meu quarto e encontrei uma montagem de fotos bizarra. Só o Nathan seria tão perturbado.
Pensar que o Nathan esteve aqui fazendo essa galeria bizarra é sinistro pra caralho. Tenho que começar a tomar mais cuidado por aqui. Eu quase quero um sistema de vigilância agora.

Escondeu a Verdade e Confortou a Victoria
Depois de ser forçada a ouvir a Victoria e a Taylor mexendo com a Kate por causa do vídeo, voltei para o quarto. Não tive muito tempo para relaxar, então troquei de roupa e encontrei o livro da Kate na bagunça do quarto, correndo para não me atrasar com a Chloe.


Como se as coisas não estivessem dramáticas o suficiente, recebi uma mensagem bizarra de um número bloqueado. Nathan? Victoria? Sei lá. Tenho muito que ficar atenta.


Ainda tinha que devolver o livro da Kate, então fui ao quarto dela. Eu sabia que ela não estava bem, mas não sabia o quanto até entrar lá. Todas as luzes estavam desligadas, as persianas fechadas, parecia um covil emo-gótico. E a Kate é o oposto de emo ou gótica. Ela estava chorando no escuro e foi muito triste vê-la daquela forma. Mais triste ainda foi eu ter tido vontade de tirar uma foto da Kate enquadrada em sua miséria expressionista.


A Kate admitiu que acha que algo mais aconteceu com ela do que apenas um vídeo. Ela também me contou que o Nathan Prescott deu uma carona a ela da festa para o hospital... e acha que ele fez algo com ela, mas não lembra o quê.


É difícil não acreditar na Kate, considerando o tipo de pessoa que é e o tipo de pessoa que o Nathan é. Eu já vi exatamente do que esse filho da puta é capaz.


Ah, é claro. A Kate perguntou se deveria falar com a polícia e com o diretor...


Falar com a Polícia>
Eu disse para a Kate sem dúvida falar com eles. Outras pessoas podem estar em perigo... Mas a Kate também disse que me usaria como testemunha, o que me assusta um pouco por causa daquela mensagem ameaçadora. Eu deveria me envolver tanto quando alguém está obviamente me perseguindo ou até mesmo algo pior? Isso está ficando assustador demais pra mim... Super Max... SÓ QUE NÃO!

Procurar Provas>
Me senti uma merda, mas disse à Kate para não falar com ninguém até conseguir mais provas de que tinha sido drogada. O vídeo não a ajuda nem um pouco e só seria usado contra ela. Ela está indo contra todo o império Prescott, não apenas um riquinho branquelo irritado. Ela não ficou muito contente com a resposta. Não acho que ela confie em mim para investigar isso tudo... Como posso culpá-la? Às vezes me pergunto o que estou fazendo, além de me enfiar em mais problemas... A Kate até me expulsou do quarto dela. Olá, "Heroína do Cotidiano"!


Esbarrei no Warren, ou, melhor: o Warren estava esperando eu esbarrar nele. Naturalmente, ele queria saber o que diabos aconteceu no estacionamento com o "Show da Chloe e do Nathan". De novo, me senti péssima porque deveria ter falado com o Warren para saber se estava bem depois de o deixarmos no estacionamento... Eu devo uma a ele.


Contei apenas um pouco sobre o que estava acontecendo com o Nathan. Quanto menos souber, melhor será para ele. Eu adoraria pelo menos contar a ele sobre a minha habilidade do caralho de reverter o tempo e espaço, mas, ironicamente, não acho que é o tempo nem o espaço certo... Além do mais, ele iria querer se casar comigo imediatamente, apenas para ter sua própria máquina do tempo humana. Ou me capturar para fazer experimentos científicos... Ou me fazer ir ao drive-in com ele.


Aceitar o convite>
Ah, espera... Eu disse que iria ao drive-in com ele. Espero que ele não dê uma de espertão para cima de mim... (não que ele fosse fazer isso, egomaníaca). Eu e o Warren temos muito em comum, mas ele é tipo um irmão nerd super legal... Enfim, eu realmente preciso de uma folga para um filme.

Recusar o convite>
Ah, espera... Ele tentou mesmo me chamar para o drive-in, mas eu disse não. Não estou com um bom humor essa semana, e também não quero dar abertura para ele...


Antes de pegar o ônibus para encontrar a Chloe, vi o Nathan falando com o David, o que me deixou nervosa. Por outro lado, tive uma boa viagem com trilha sonora para o restaurante Two Whales. Isso é que é voltar no tempo... Eu não via o restaurante há cinco anos, mas ele está exatamente igual. No entanto, agora tem bem menos pescadores e muito mais carros de comida do que quando éramos crianças. Eu e a Chloe tínhamos as melhores coisas para brincar de piratas: barcos velhos e um grande oceano.


A Chloe se atrasou (dã!), então fiquei feliz em me distrair vendo a Joyce de novo. O restaurante parecia uma peça de museu, a não ser pelos clientes. Além disso, a comida não mudou nem um pouco. A Joyce parecia bastante feliz por me ver e não me culpou por não ter mantido contato. Depois que o William morreu ela quis seguir em frente com uma vida nova e um marido novo. A Chloe não aceita isso.


Assumiu a culpa pela maconha>
Naturalmente, a Joyce me deu um sermão por corromper a Chloe com a "erva do diabo", apesar de eu não ter certeza se ela acreditou que era minha. O que posso dizer? Eu vejo que ela ama mesmo o David, apesar de não entender por quê. O café da manhã valeu todo o sermão.

Não assumiu a culpa>
A Joyce não ficou contente por a Chloe ser pega com maconha. Eu deveria ter me intrometido e assumido a culpa pela Chloe. Não é legal ver que a Joyce defende o David por bater na própria enteada. O William sempre foi tão legal e gentil com a gente. Não consigo nem imaginar como a Chloe seria se ele não tivesse morrido.


Tanto drama e eu nem terminei o meu café da manhã!


Finalmente a Chloe apareceu, mais animada do que eu esperava depois de quase morrer em um banheiro ontem. É tão legal vê-la sorrir. Mas aquele sorriso significava problemas, já que ela só queria que eu mostrasse o meu poder de voltar no tempo. Então mostrei e, tenho que admitir, me senti muito foda. Exceto que comecei a me sentir fraca e tonta quanto mais voltava no tempo. Meu nariz até sangrou, o que me deixou assustada.


A Chloe sempre quer mais, então fez questão que fôssemos ao esconderijo super secreto dela...


Não atendeu à ligação da Kate>
A Kate ligou, mas eu não atendi porque a Chloe me olhou feio. E, sinceramente, não gosto da Kate sendo tão necessitada para cima de mim. Apesar de eu não parar de agir como a guarda-costas espiritual dela. Mano, sou muito otária. Vou compensar a Kate. Pelo menos a Chloe está feliz...

Atendeu à ligação da Kate>
Ela ainda teve que ficar chateada porque ousei atender à ligação da Kate. Não sou fã do lado rabugento da Chloe. Ela tentou fazer com que eu me sentisse mal, mas que se foda. A Kate ficou feliz porque atendi e, pra falar a verdade, eu me senti pior por ela. A Chloe tem que saber que posso ter duas amigas...


Justo quando achei que essa merda não podia piorar.


A Chloe me levou ao esconderijo secreto dela: o lixão da cidade. Perfeito para o dia das bruxas... como o lugar aonde os fantasmas das máquinas e veículos de Arcadia Bay apodrecem e enferrujam. Pornografia da distopia urbana. Mas, em vez de tirar fotos maneiras, a Chloe fez eu mostrar alguns truques de tiro.


Até o cara a quem ela deve dinheiro aparecer. Um cara escroto chamado Frank. Ele mandou a Chloe o pagar... ou sofrer as consequências. Achei estranho ele não ser o agiota que eu esperava, mas dava para sentir a vibração negativa vindo dele. Não consigo entender como minha melhor amiga acabou se envolvendo com um otário como o Frank.


Tentou atirar no Frank>
E eu quase atirei nele.

Ele nos ameaçou com uma faca e eu senti como se estivesse em outro pesadelo. Não me lembro de mirar nele, meu dedo apenas puxou o gatilho... Ainda bem que não tinha bala alguma. Eu poderia ter usado o meu poder de voltar no tempo, mas, do jeito que minha cabeça estava doendo... quem sabe? Não posso presumir que meus poderes sempre estarão disponíveis... Não sei nada sobre como isso funciona nem por quanto tempo, portanto, não posso garantir nada. Só sei que nunca mais encostarei em uma arma de novo.

Não tentou atirar no Frank>
A parada ficou bizarra quando o Frank pegou a arma da Chloe (ou deveria dizer a arma do David?) e agora temos que nos preocupar com mais um lunático atrás dela... e talvez até atrás de mim...

A Chloe se exaltou quando viu que o Frank estava usando uma das pulseiras da Rachel Amber. Isso significa que temos outro suspeito...

Definitivamente, não era assim que eu planejava passar o meu tempo em Arcadia Bay.


Depois do Dramarama Volume XXXIII, eu e a Chloe acabamos andando nos trilhos pela floresta. Nós não precisávamos de nada além dos sons da natureza e da vida selvagem... Eu estava abalada por dentro por causa do nosso encontro com o Frank e, apesar de a Chloe parecer durona, eu sabia que ela também estava abalada.


Ela me contou tudo sobre o Frank, o que explica por que ela estava tentando subornar o Nathan. É chocante ver que a garota com quem cresci assistindo "Bob Esponja" se envolveu com gente tão perigosa. Mesmo assim, eu me senti mais segura com ela ao meu lado e fiquei contente por termos conseguido um momento de paz.


Mas, provavelmente, não foi a melhor ideia do mundo sentar nos trilhos e devanear sobre a vida, pois a perna da Chloe ficou presa neles justo quando a droga do trem surgiu. É claro que eu estava longe tentando tirar uma foto para o meu portfólio... e, em seguida, tive outra visão rápida do tornado.


Eu consegui vê-lo, quase senti-lo, despedaçando o céu... Parecia que minha cabeça ia explodir como naquele filme dos anos 80, "Scanners". A visão desapareceu tão rápido quanto surgiu. Talvez eu esteja querendo negar o que essa imagem apocalíptica possa significar... ou não...


Em seguida, ouvi a Chloe GRITANDO socorro. E quase me mijei.


O pé dela estava preso nos trilhos e, naturalmente, o trem estava se aproximando.


Fiquei orgulhosa por ter arranjado uma solução drástica (se não destrutiva) para salvar a Chloe, DE NOVO. Mas, caso esse diário caia em mãos erradas, isso permanecerá como o nosso segredo de melhores amigas. É isso.


Com o fim da nossa aventura matinal, a Chloe me deixou no campus. Ela foi tão gentil e disse que essa tem sido a melhor semana da vida dela... independente do que aconteceu.


Isso fez com que eu me sentisse INCRÍVEL! A Chloe realmente acha que estamos dominando o mundo... mas e se eu não tivesse conseguido usar o meu poder de voltar no tempo para tirá-la dos trilhos? A Chloe talvez tenha que baixar suas expectativas... e eu também.


Não Assumiu a Culpa>
Falando em expectativas, o David falou comigo sem ser um idiota completo. Queria acabar com ele por bater na Chloe (achando que poderia voltar no tempo se as coisas saíssem do controle) e ele não me parecia arrependido o suficiente. Sei que a Chloe o provoca, mas não é desculpa pra bater, ainda mais em família. Sei que ele se arrepende, está tentando se aproximar e viu coisas terríveis na guerra. Só não consigo confiar nele e nessa loucura de vigilância, especialmente ao ver como ele age com a Kate... como se ela fosse uma criminosa. Vou dar um crédito ao David por tentar fazer as pazes comigo, mas ele age como se ainda estivesse na guerra.

Assumiu a Culpa>
Falando em expectativas, o David Madsen parou para falar comigo sem ser um idiota completo. Achei que ele fosse brigar comigo por ter assumido a culpa pela maconha da Chloe, mas só conversamos um pouco... e, pela primeira vez, senti um pouco de pena do David. Ele é um veterano... Eu sei que ele provavelmente viu coisas terríveis na guerra. Ele disse que não queria brigar comigo nem com a Chloe. Mas toda essa merda de tratar a Kate como suspeita... só dificulta as coisas. Mas prometo tentar. Pela paz mundial.


Algo estranho aconteceu (como se TUDO já não fosse bizarro), eu vi a Kate tendo uma conversa com o Sr. Jefferson e ela acabou indo embora quase correndo, chorando. Queria ter perguntado, "Ah, falando nisso, o que houve com a Kate?", (como se ele fosse me contar). Eu sei que a Kate trata o Jefferson como se fosse um apóstolo ou algo do tipo... então o que ele disse para deixá-la tão triste?


Justo quando estava me sentindo bem ao lembrar de mim e da Chloe, entrei na aula do Jefferson e vi o Nathan e a Victoria sentados na minha mesa. Inacreditável... Malditos cuzões.


Salvou a Kate>
A Kate Marsh quase se matou.

Minhas mãos ainda estão tremendo, mas tenho que escrever isso enquanto posso. Bem no começo da aula do Jefferson, a Kate foi para o telhado do dormitório feminino para pular. Todos os alunos e professores estavam assistindo, como se fosse um show no telhado da Blackwell.

Eu a vi pular, mas consegui usar o meu poder para levá-la de volta ao telhado. Tentei usá-lo como nunca e, de alguma forma, consegui parar completamente o tempo... Consegui chegar ao telhado, mas, de novo, minha cabeça parecia que ia explodir... Sabia que não conseguiria voltar no tempo para salvar a Kate. Tinha que tentar conversar com ela e tirá-la de lá por conta própria.

Como estava sofrendo muito por causa do vídeo e bullying, ela não acreditaria em tudo que eu dissesse. Você vê filmes onde as pessoas convencem outras a não cometerem suicídio, mas é muito diferente quando sou eu quem estou falando. Falei tudo que pude e a Kate quase pulou. Clichê ou não, disse a ela o quanto seus amigos e família a amavam, mesmo que não demonstrassem isso agora.

Devagar e com calma, a Kate saiu de perto da beirada. Viva. Eu quase chorei nos braços dela.

Eu sei que a questão não sou eu, apesar de ter que admitir que foi incrível sair abraçada com a Kate do telhado até o lado de fora do dormitório. Como eu disse, toda a escola - e a polícia - estavam nos assistindo, quase que completamente em silêncio. Então ouvi o Logan gritando algo parecido com "Todos saúdem a Max!", e todos começaram a bater palmas e comemorar. Foi tão surreal... as pessoas que me ignoravam ou me tratavam como lixo de repente me adorando. Essa deve ser a coisa mais estranha que aconteceu comigo nessa semana insana...

E isso me fez pensar se a Victoria estava assistindo e como ela se sentia sobre isso tudo. Eu quase quis encontrá-la... apenas para jogar na cara dela a tentativa de suicídio da Kate. Que besteira mais cruel. Apesar de, sinceramente, a Victoria não ser a única responsável... O Nathan Prescott pareceu ter desaparecido... O que provavelmente é algo bom.

E depois de tudo isso ainda tive que falar com a polícia e dar uma declaração. Foi tão estranho, porque eu já vi praticamente todos os programas de procedimento policial. Tive que mentir quando me perguntaram sobre os outros alunos, pois não acho que a polícia consiga descobrir o que aconteceu. Sim, isso parece um trabalho para a SUPER MAX. Até parece. Apesar de, é claro, eu amar quando a Chloe me chama assim, mesmo se não me sinto uma heroína do cotidiano por ajudar a Kate a não se jogar... Talvez seja errado pensar que eu tenho que me sentir grata só pela Kate não ter pulado...

O que foi mesmo estranho foi quando todos os alunos e funcionários do corpo docente ficaram ao redor de mim e da Kate e, em seguida, bateram em nossas costas e ombros, como se fôssemos heroínas.

Não sabia como responder, considerando que a Kate quase se jogou do telhado por causa de todos na escola. Mas, como eu disse, não posso culpar todo mundo... e eu realmente não sei para quem apontar os dedos...

O melhor de tudo foi ver que apesar de a Kate não ter parado de chorar e estar confusa... Eu pude ver ela sorrir quando notou que todos estavam felizes por ela estar viva. Eu também sorri. A polícia e os paramédicos apareceram e a Kate foi coberta em uma toalha e gentilmente levada à ambulância. Eles não me agradeceram nem olharam para mim como se eu fosse uma heroína. Acho que estão acostumados a salvar pessoas sem aplausos...

Mas, pra ser sincera... Foi bem legal. Como se eu tivesse recebido um abraço do colégio inteiro. Então, talvez a Academia Blackwell não seja tão ruim assim...

Não foi o suficiente a Kate estar viva e eu não ser egocêntrica o suficiente para receber crédito, ainda tive que passar por um interrogatório do Diretor Wells. Foi bizarro estar no escritório com o Nathan Prescott, o David Madsen e o Sr. Jefferson calmamente falando sobre o motivo da Kate tentar cometer suicídio. Estava quieta, mas agitada por dentro, reproduzindo na minha cabeça o momento em que a Kate veio na minha direção com um relance de esperança nos olhos...

Não salvou a Kate>
A Kate Marsh se matou.

Minhas mãos ainda estão tremendo, mas tenho que escrever isso enquanto posso. Bem no começo da aula do Jefferson, a Kate foi para o telhado do dormitório feminino para pular. Todos os alunos e professores estavam assistindo, como se fosse um show no telhado da Blackwell.

Eu a vi pular, mas consegui usar o meu poder para levá-la de volta ao telhado. Tentei usá-lo como nunca e, de alguma forma, consegui parar completamente o tempo... Consegui chegar ao telhado, mas, de novo, minha cabeça parecia que ia explodir... Sabia que não conseguiria voltar no tempo para salvar a Kate. Tinha que tentar conversar com ela e tirá-la de lá por conta própria.

Eu falhei...

Como estava sofrendo muito por causa do vídeo e bullying, ela não acreditaria em tudo que eu dissesse. Você vê filmes onde as pessoas convencem outras a não cometerem suicídio, mas é muito diferente quando sou eu quem estou falando. Pois ela não acreditou em mim... ou só não quis acreditar.

Eu.. tentei. A Kate ainda assim morreu.

Foi igual àquele clichê de tudo se mover em câmera lenta, exceto que no meu caso era real, e não por causa do meu poder. Pude ver o rosto da Kate assim que ela pulou e eu nunca esquecerei do olhar dela... como se ela não quisesse fazer aquilo, mas não tivesse escolha...

Era um olhar de derrota e desespero... Em seguida, pude ver o corpo dela se agitando, como se tivesse tomado consciência do que estava fazendo e tivesse ficado ainda mais assustada...

Jesus. Não acredito que estou escrevendo essas palavras.

Depois que ela pulou, foi tão estranho ficar sozinha no telhado. A Kate estava lá e, em seguida, não estava mais. Deu para ouvir as pessoas gritando lá embaixo e eu não olharia para o corpo dela no chão de jeito algum.

Senti meu corpo dormente, só consegui virar e descer as escadas. Minha cabeça estava latejando e meu corpo exausto de tanto voltar no tempo. Me senti igual a um zumbi: morta por dentro.

Quando saí do dormitório, vi a Kate esparramada no chão... Havia paramédicos ao redor dela, enquanto a polícia afastava os alunos...

Espero que todos eles tenham dado uma boa olhada na vítima. Todos queriam assistir ao vídeo viral quando ela estava viva e, agora, só querem xeretar a morte dela... Não que eu tenha feito algo para mantê-la viva.

Todos os meus novos superpoderes incríveis foram inúteis.

Não sou a heroína de ninguém.

Não foi o suficiente a Kate morrer e eu ter me sentido morta por dentro, ainda tive que passar por um interrogatório do Diretor Wells. Foi bizarro estar no escritório com o Nathan Prescott, o David Madsen e o Sr. Jefferson calmamente falando sobre o motivo da Kate ter pulado do telhado.


Culpar o Nathan>
Parte de mim queria deformar o rosto do Nathan contra a mesa, sabendo que ele tinha algo a ver com o suicídio da Kate. Pensei em fazer isso e voltar no tempo, mas sabia que seria o início de um péssimo hábito.

Culpar o David>
Até eu contar ao diretor Wells que vi o David ameaçando a Kate. Isso o deixou com muita raiva e parte de mim quis chutá-lo no saco, sabendo que ele tinha algo a ver com o suicídio da Kate e, talvez até mais. Pensei em fazer isso e voltar no tempo, mas sabia que seria o início de um péssimo hábito.

Culpar o Jefferson>
Mesmo assim, acabei contando ao diretor que vi a Kate chorando depois que falou com o Sr. Jefferson. Eu não estava tentando culpá-lo, apenas achei que fosse uma informação importante.


Dedurou o Nathan e culpou ele>
Felizmente, o diretor Wells fez a coisa certa e SUSPENDEU o Nathan por alguns dias, depois que contei o que aconteceu no banheiro. Ele deve ter mais alguma merda contra o Nathan, caso contrário, duvido que isso aconteceria com um Prescott. Isso é um pouco de justiça para a Kate. Haverá mais, mesmo que seja a última coisa que eu faça. O que poderá acontecer, se eu não tomar cuidado...

Não dedurou o Nathan e culpou ele>
Felizmente, o diretor Wells fez a coisa certa e SUSPENDEU o Nathan por alguns dias, depois que contei o que aconteceu no banheiro. Ele deve ter mais alguma merda contra o Nathan, caso contrário, duvido que isso aconteceria com um Prescott. Isso é um pouco de justiça para a Kate. Haverá mais, mesmo que seja a última coisa que eu faça. O que poderá acontecer, se eu não tomar cuidado...

Não dedurou o Nathan, assumiu a culpa pela Chloe e culpou ele>
Eu deveria saber que o David falaria ao diretor sobre o meu "baseado". Como se alguém se importasse com maconha, mas o David fez com que eu parecesse uma retardada. Então, em vez de o Nathan receber a suspensão, eu que recebi. Completa IDIOTICE.

Tirou uma foto do David ameaçando a Kate e culpou ele>
Foi satisfatório ver o diretor dispensar os serviços dele na Blackwell por enquanto. Não estava nem pensando em como isso afetaria a situação da Chloe em casa.

Interviu quando o David ameaçou a Kate, assumiu a culpa pela Chloe e culpou ele>
Eu deveria saber que o David me acusaria de traficar maconha. Sim, quem não acreditaria que eu carrego algumas gramas para alunos? Não achei que o diretor acreditaria, mas acreditou.

Naturalmente, FUI SUSPENSA. É isso que eu ganho por ajudar a Chloe.

Interviu quando o David ameaçou a Kate e culpou ele>
Naturalmente, o diretor não acreditou em mim (ou não quis acreditar), o que significa que o David Bundão poderá ameaçar outros alunos da Blackwell até tentarem pular do telhado.

Culpou o Jefferson>
Talvez eu tenha fodido tudo, delatando a única pessoa que respeito de verdade na Blackwell... E eu pude ver que o Sr. Jefferson também ficou desapontado comigo. O diretor ficou com mais raiva, pois ele vetou o Jefferson de representar a escola na competição "Heróis do Cotidiano". Eu não esperava por isso. Estou tão confusa agora... Como continuarei indo às aulas do Sr. Jefferson depois de ter arruinado a reputação dele? E eu ainda tenho que dar a ele a fotografia para a competição?


Salvou a Kate e o David está de licença temporária>
Mas, por enquanto, o David será um veterano da Blackwell. Pelo menos ele sobreviveu. Como a Kate.

Não salvou a Kate e o David está de licença temporária>
Mas, por enquanto, o David será um veterano da Blackwell. Pelo menos ele sobreviveu. Diferente da Kate.

Salvou a Kate e foi suspensa>
Tanto faz. A pobre Kate Marsh está fazendo uma avaliação com um psiquiatra e a escola tem que limpar o seu nome garantindo que a Maxine Caulfield perca as aulas de artes e ciências. Mas que lição. Meus pais ficarão tão orgulhosos e felizes por terem me mandado para cá. Se é assim que o mundo dos adultos funciona, não é o lugar a qual eu pertenço. Até o meu "poderzinho" não significa porra nenhuma.

Já estou vendo como o mundo tratava a Kate. E estou começando a entender por que a Rachel Amber queria dar o fora daqui. O que está me prendendo aqui?

Não salvou a Kate e foi suspensa>
Tanto faz. A pobre Kate Marsh agora faz parte do concreto da Blackwell e a escola tem que limpar o seu nome garantindo que a Maxine Caulfield perca as aulas de artes e ciências. Mas que lição. Meus pais ficarão tão orgulhosos e felizes por terem me mandado para cá. Se é assim que o mundo dos adultos funciona, não é o lugar a qual eu pertenço. Até o meu "poderzinho" não significa porra nenhuma.

Já estou vendo como o mundo tratava a Kate. E estou começando a entender por que a Rachel Amber queria dar o fora daqui. O que está me prendendo aqui?

Salvou a Kate e nada foi feito>
Então, a Kate Marsh está no hospital e tudo está normal por aqui. O que vou fazer agora?

Não salvou a Kate e nada foi feito>
Então, a Kate Marsh está morta e tudo está normal por aqui. Odeio essa escola de merda agora.


Salvou a Kate>
Depois de ser interrogada no covil do diretor, saí com o Warren no gramado para sentir a grama nos pés e assistir às nuvens fofinhas. Ele é tão querido, não parava de falar o quão orgulhoso estava por eu ter impedido a Kate de pular. Não acredito que consegui, mas tenho que dizer que é melhor ser tratada como uma heroína do que como uma otária.

Mesmo assim, disse ao Warren que algo estranho está acontecendo na Academia Blackwell. Rachel Amber, Chloe, e agora, a Kate foram todas vítimas. Sem falar em mim, se eu continuar dando uma de detetive amadora. Queria ter contado ao Warren sobre o meu poder, mas não é a hora certa... como se qualquer coisa estivesse na hora certa agora.

Não salvou a Kate>
Preciso de férias da minha vida. Eu saí com o Warren no gramado para sentir a grama nos pés e assistir às nuvens fofinhas. Ele é tão querido, não parava de falar que fiz tudo que podia pela Kate. Mesmo eu sabendo que não fiz... Eu disse ao Warren que algo estranho está acontecendo na Academia Blackwell. Rachel Amber, Chloe, e agora, a Kate foram todas vítimas. Sem falar em mim, se eu continuar dando uma de detetive amadora. Queria ter contado ao Warren sobre o meu poder, mas não é a hora certa... Sem querer fazer trocadilhos.


E, para tornar o final do dia o mais surreal possível, o céu escureceu e assistimos a um eclipse solar que não foi anunciado nos noticiários nem em qualquer site astronômico.


O que acontece em Arcadia Bay?

Episódio Três - "Chaos Theory"

Quarta-feira, 9 de outubro

"Querido diário... Eu tenho o poder de voltar no tempo e acabei em um telhado tentando impedir a minha amiga de pular ao mesmo tempo em que estou tentando evitar uma possível destruição da minha cidade natal"... Dormi na minha mesa e acordei tentando voltar no tempo... ou salvar a Kate...


Lembro quando as minhas anotações eram sobre os personagens de anime que eu queria ser. Ou sobre os sonhos de ser uma fotógrafa respeitada que viaja pelo mundo inteiro. Ou o que eu e a Chloe estaríamos fazendo quando finalmente fôssemos adultas... pelo menos isso nós já sabemos.


A Chloe está determinada a descobrir o que está acontecendo. Então eu brinquei de "o que a Chloe faria?", o que significa que deixei o dever de casa da Blackwell de lado para pesquisar tudo que conseguisse sobre a Kate Marsh, a Rachel Amber e a famosa família Prescott. Seria muito fácil se todos estivessem conectados, mas acho que toda a cidade de Arcadia Bay está conectada nessa merda. Já posso ver a história no National Geographic Channel: "Místico, Científico ou Apocalíptico? O Tornado de Arcadia Bay".


Salvou a Kate>
Medo.

Falando em medo, ainda penso sobre a Kate e a tristeza nos olhos dela naquele telhado. Ainda bem que ela está viva. Adoro ver os alunos da Blackwell mostrando apoio a ela dando presentes e flores. Finalmente.

Não salvou a Kate>
Medo. Falando em medo, ainda vejo a Kate e o olhar triste e sem esperança dela naquele telhado... Ainda não acredito que ela não está mais aqui... Ouvi dizer que alguns alunos estão organizando um abaixo-assinado para a Blackwell definir uma bolsa de estudos em memória a ela. É o mínimo que esse lugar poderia fazer por ela...


Sr. Jefferson suspenso>
Então, que bom ter feito o Sr. Jefferson entrar em uma enrascada e não representar a Blackwell na competição "Heróis do Cotidiano". Não o culpo pelo que aconteceu com a Kate... Sim, ele devia tê-la escutado. Mas não é justo ele não poder participar do evento. Agora, o vencedor terá que ir com o diretor Wells. Espero que a Victoria vença. Mas um dos meus heróis provavelmente me odeia. Boa, Max.

Nathan suspenso>
Pelo menos me sinto melhor agora que o Nathan foi suspenso. É bom ele não estar no campus por alguns dias... Espero. Como se me importasse que a família Prescott envie uma equipe de advogados atrás de mim. Por favor. Duvido que eles gostariam dessa publicidade. Duvido que colocariam os tentáculos na tranquilidade de Oregon... não por enquanto, na verdade.

David em licença temporária>
Quase me senti mal quando não vi o David no campus mexendo com os alunos. Mas a culpa é dele mesmo. Não sei o que ele pretende fazer nem no que está envolvido, mas com certeza não está só brincando de detetive particular. Então eu penso na Joyce... como eu ajudei o marido dela a perder o emprego. Isso deve fazer com que ele trate a Chloe melhor, né?

Max suspensa>
Apesar de ser uma idiotice eu ter sido suspensa, estou feliz por ter tempo... sem trocadilhos dessa vez. Ok, talvez sim. Alguém me segura. Mas pelo menos posso planejar os próximos passos com a Chloe em nossa investigação. Estou tão feliz por ela estar aqui para me ajudar. Apesar de ela precisar focar na situação como um todo. Nem tudo é sobre ela.

Nada foi feito>
Meu dever de casa só está acumulando. É difícil me concentrar em provas e pesquisas enquanto amigos sofrem, a natureza caga e procuramos a Rachel Amber. Entre voltar no tempo e as visões de uma tempestade apocalíptica, como posso pensar em dar ao Sr. Jefferson uma fotografia para a competição com toda essa merda acontecendo? Mas eu deveria, só por via das dúvidas...


Só a Chloe para me fazer sair escondida depois do toque de recolher e exigir que eu a encontrasse em frente ao prédio principal. Eu sabia que a Chloe iria querer investigar o campus depois do que aconteceu com a Kate... Isso só a deixa mais desesperada para descobrir o que aconteceu com a Rachel... se tiver acontecido algo.


É engraçado eu ainda pensar que posso apenas voltar no tempo para fugir de problemas... quando estou com mais problema agora do que jamais estive em toda a minha vida. Se estivéssemos em Além da Imaginação[3], isso seria uma armação para uma grande ironia. Como se eu fosse voltar no tempo para fora da existência ou algo do tipo...


Sinceramente, posso dizer que terei essa habilidade pelo resto da vida? O tornado, a neve e esse eclipse são meras alucinações ou uma verdadeira profecia? Ainda mais importante, isso é uma maldição ou uma bênção? A Chloe está viva e ao meu lado e isso deve ser um milagre... o que significa que deve haver uma maneira de impedir que essa visão se torne verdade... Né?


Então, sim, eu violei o toque de recolher para sair com a Chloe. Ela disse que tinha algo para me mostrar... Parece que está na hora de um trabalho sério de detetive.

Que entrem as Ninjas da Blackwell!


Salvou a Kate>
Enquanto eu saía furtivamente pelo corredor, passei pela porta da Kate e vi todas as mensagens legais dos outros alunos. Uma pena que a maioria das pessoas da Blackwell não se importou em espalhar o vídeo e fazer bullying com ela até ela ir parar naquele telhado. Todos se importam quando já é tarde demais... Pelo menos a Kate verá que as pessoas estão ao lado dela... finalmente. Espero poder visitá-la quando tudo isso for esquecido... Má escolha de palavras.

Não salvou a Kate>
Enquanto eu saía furtivamente pelo corredor, vi um santuário em frente à porta da Kate. Fiquei surpresa por ter sido colocado logo após a morte dela. Como se todos na Blackwell de repente sentissem culpa pela forma como ela foi tratada. Fico contente por várias pessoas quererem honrá-la. O meu lado cínico diz: "Tarde demais, tarde pra caralho." Mas eu sei que a Kate iria sorrir e perdoaria todos nós. Aff. Choradeira.


Caraio, essa foi por pouco. Eu estava indo tão bem até sair do dormitório e, é claro, dentre todas as pessoas, o diretor Wells aparecer no caminho. A pessoa que eu menos queria ver. Eu não fui ninja o suficiente para ele, então sim, fui pega. Mas, finalmente pude ver que a fofoca era realmente verdadeira.


O diretor Wells estava bebaço. Nem tentou esconder. Na verdade, ele é muito mais legal bêbado do que sóbrio. Entendo por que ele está tão confuso, lidando com a família da Kate, a família Prescott e o David Madsen. Ele ainda age de forma suspeita e me parece "petulante", como ele diria (ninguém fala isso, sério!), mas dá pra ver que ele está sob muita pressão. Tanta pressão que está tão bêbado que não consegue nem usar as chaves à meia-noite.

Ele estava no meu caminho, mas não foi páreo para o meu poder. Afinal de contas, eu tinha que me encontrar com a Chloe... Você é péssima, Max.


Apesar de ter entrado em "modo ninja total", a Chloe ainda me assustou, me deixando indignada levando em consideração o que passei. Às vezes, ela é muito insensível com os sentimentos dos outros.

Ela queria toda a minha atenção para ela e para encontrar a Rachel e fica se remoendo quando não tenho tempo. Obviamente, controlo o tempo. Mas não consegui ficar chateada com a Chloe por muito tempo pois ela estava muito empolgada porque estava com as chaves do prédio principal. E, sinceramente? Eu também estava.


Fiquei ainda mais agitada quando chegamos em frente ao prédio e espionamos a Victoria falando mal de mim (chocada!) e, pior ainda, tentando subornar o Sr. Jefferson para escolher a foto dela na competição "Heróis do Cotidiano". Ela é surreal demais...


Respeito muito o Sr. Jefferson por tê-la mandado ir embora, mesmo a Victoria merecendo ser expulsa por falar essa idiotice. Essa é a prioridade dela depois do que aconteceu com a Kate? Não entendo a Victoria, não importa o quanto eu tente. Ela já é rica, bonita e uma boa fotógrafa. Por que tentar tanto e machucar tantas pessoas para manipular tudo que já está ao seu favor?

Espero que isso não seja o que estou fazendo com o meu poder de voltar no tempo...


Sim, é bem INCRÍVEL invadir a própria escola durante a madrugada. Apesar de a Chloe estar tecnicamente certa: como podemos estar invadindo se temos uma chave? É desnecessário levar em consideração que a chave foi roubada do chefe de segurança...

Enfim. As Ninjas da Blackwell atacam de novo!


É tão legal andar pelos corredores quando estão escuros e silenciosos. Mesmo com tantas coisas terríveis acontecendo, sinto que eu e a Chloe estamos andando em direção ao centro de um grande mistério cósmico, algo maior que todos nós...


Mas nós meio que somos péssimas como espiãs, já que não tínhamos uma chave para o escritório do diretor. Não que seja um problema com o meu poder em mãos. E, é claro, o Doutor Warren Graham. Ele teve a ideia de fazer uma minibomba com clorato de sei lá o quê. Eu acho que aprendi mais misturando esses ingredientes do que em todo o semestre. Foi mal, Srta. Grant, o Warren é o aluno exemplar daqui. Ele tenta muito ajudar... talvez até demais, mas qual é o problema nisso? Estou muito contente por ele estar na minha equipe.


Isso é que é estar no sancto sanctorum (obrigada, aula de latim que quase reprovei!) da Blackwell... Eu me senti um pouco estranha por estar no escritório do diretor depois da meia-noite, mexendo nos arquivos e no computador dele com a Chloe. Ela estava muuuuito empolgada. Tecnicamente, poderíamos ter sido presas e jogadas na cadeia. Credo. Eu só fingi que estávamos em um episódio especial de "Os Feiticeiros de Waverly Place"[4], sabe? Uns "Sherlocks comédias" investigando a escola por uma boa causa... É, isso ajudou.


Apesar de não encontrarmos A prova, descobrimos no arquivo do Nathan um desenho estranho que dizia "Rachel na sala escura" várias vezes. É uma grande pista que indica que ele está envolvido de alguma forma. Ou só é maluco. Mas as anotações dele também mencionavam "David M.", o que significa que definitivamente temos que encontrar uma maneira de ver os arquivos secretos do David. Por uma boa causa.


Deixou o Dinheiro>
Mas a Chloe não se conteve e quis roubar cinco mil do "fundo de deficientes" (porque isso deve ser sério, né não?)... Não consigo pensar em uma maneira mais rápida de atingir o carma infernal, mas isso poderia ter pago a dívida da Chloe com o Frank... Eu a impedi, mas meio que me incomoda a Chloe ser tão egoísta assim. Não vou deixar que nada aconteça com ela, mas não posso deixá-la fazer o que quiser... "Mad Max?" Mais para Mamãe Max...

Roubou o Dinheiro>
Mas a Chloe não se conteve e roubou cinco mil do "fundo de deficientes" (porque isso deve ser sério, né não?)... Não consigo pensar em uma maneira mais rápida de atingir o carma infernal, mas isso aliviaria a dívida da Chloe com o Frank... Encontrarei uma maneira de compensar o fundo... afinal de contas, salvar uma vida é prioridade. Assim como o meu hábito com a Chloe. Não importa o que aconteça, nossos destinos parecem estar entrelaçados, nas coisas boas e ruins. Normalmente nas ruins.


Apesar de toda a invasão e explosão de portas de escritórios "comuns", a Chloe decidiu que precisávamos, mais do que tudo, de um nado noturno no covil das Lontras. Estava tão agitada e rebelde que fiquei tipo: ah, sim, TEMOS QUE NADAR. Não nadamos completamente peladas, mas foi o suficiente para entrar em uma grande enrascada. Não sei por que fomos tão descuidadas depois de termos sido tão cuidadosas...


Adoro que a Chloe faz florescer o meu lado "que se foda essa porra toda". Mesmo apesar de eu nem sempre tê-la servido bem. Ela merecia um momento de "pouco se foder". Eu também. Apenas duas amigas se divertindo na piscina. Acho que essas bobagens joviais logo serão coisas do passado... Cara, estou começando a parecer um dos professores da Blackwell...


Eu e a Chloe tivemos uma boa chance de conversar sobre nossas vidas desde que me mudei... Falamos de garotas e garotos idiotas e por que são um problema... especialmente para mim. Me sinto uma tiete quando falo com a Chloe sobre nossas experiências de vida... ela tem várias a mais que eu. Eu disparo o flash, ela dispara as armas.


Falando em armas, tivemos um problema sério quando a segurança apareceu. Dã. O quão silenciosas poderíamos ser na piscina? Além de deixarmos um rastro do nosso trabalho na Blackwell...


Foi tão intenso e empolgante fugir dos guardas de segurança. Eles tinham uma lanterna muito potente, então não foi tão fácil passarmos despercebidas, especialmente porque tivemos que fugir na lata velha da Chloe... mas, como eu disse, foi intenso e empolgante. Que nem a Chloe Price.


Apesar de o meu corpo ter ficado encharcado com um cheiro de cloro, foi ótimo dormir no quarto da Chloe pela primeira vez depois de cinco anos e acordar ao lado dela como em nossas antigas noites do pijama... Por algum motivo, eu me lembrei da vez em que fomos jogar papel higiênico nas casas da vizinhança e até conseguimos sair escondidas, mas ficamos com medo e corremos direto para casa, rindo o caminho inteiro...


Lembro de acordar no dia seguinte e da Joyce fazendo um de seus deliciosos cafés da manhã no térreo, e da Chloe rindo para mim como se estivéssemos no clube mais secreto do mundo (ou pelo menos de Arcadia Bay)... nós éramos duas piratas, porra! Depois da nossa espionagem acadêmica de ontem à noite, eu me senti da mesma forma... só que agora os riscos são muito maiores e mais perigosos.


Eu até acabei vestindo algumas roupas da Rachel Amber, já que as minhas estavam um lixo. Uma camiseta de banda e jeans rasgados. Nada a ver comigo. Mas eu ainda não encontrei o meu estilo, então por que não me divertir experimentando uma roupa nova?
Falando em experimentar, a Chloe me desafiou a beijá-la...


Beijou a Chloe>
E eu beijei. Ela provavelmente achou que eu iria dar para trás. Por quê? Não foi nada demais. Achei fofo como ela ficou envergonhada e disse que ia contar para o Warren.

Não Beijou a Chloe>
Eu a teria beijado, mas não gostei de ela ter me desafiado como se fosse grande coisa. Talvez eu esteja com medo. De quê? Acho que sou jovem demais para casar. E eu e a Chloe acabaríamos nos matando.


Além do mais, acho que a Chloe vê a Rachel Amber no futuro dela...


Quando desci para tomar café da manhã, a Joyce me chamou de "Rachel", o que pareceu muito errado levando em consideração o quão bonita ela é e o quão sem graça eu sou. Acho que minha roupa nova está finalmente fazendo a sua mágica. Acabei ajudando a Joyce a fazer o café da manhã como quando dormia aqui há muito tempo. Estranho o quão rápido você pode voltar para uma velha rotina.


Eu devo ter ativado o "modo nostalgia" da Joyce porque ela mostrou o velho álbum de fotos. Sou uma das poucas pessoas que adora ver fotografias antigas. Como era aquela frase do Alfred Hitchcock sobre filmes serem "partes do tempo"? Como o Sr. Jefferson disse, os fotógrafos também são.


Eu acho que ela queria que eu visse o novo marido dela de uma boa perspectiva. Quando vi o David feliz e rindo com a Joyce em uma fotografia, eu quis dizer: "E quem é esse?" Além disso, tenho certeza de que não foi coincidência ter uma foto da Rachel usando exatamente as mesmas roupas que eu. Ela é realmente impressionante. E, de alguma forma, parecia ser mais punk rock que a Chloe.


A imagem mais triste foi a última fotografia que o William Price tirou: a Chloe e eu fazendo panquecas na cozinha. A Joyce realmente sente falta daquela garota otimista e alegre... Eu sei que ela ainda existe... quando a Chloe sorriu para mim hoje de manhã, eu a vi. A fotografia parece resumir tudo que passamos quando criança e perdemos quando viramos adultas... seja lá o que "adultas" signifique.


O que foi uma perfeita deixa para a Chloe brotar na sala e começar uma treta com a Joyce. Isso me deu uma cobertura cruel para que pudesse entrar escondida na garagem e finalmente desbloquear os Arquivos X[5]do David Madsen...


Então hoje finalmente descobri o que estava nos arquivos secretos do David... e tenho que admitir, esperava que fosse pior. Fiquei aliviada por não ser, então vou pegar mais leve do que deveria. Não foi surpreendente ele ter arquivos detalhados sobre a Kate E a Rachel, listando as localizações delas com fotografias de vigilância. O David ainda não está fora da minha lista negra, mas admito que é um bom investigador. Está claro que o Frank e a Rachel tinham algum tipo de relacionamento... não acho que a Chloe ficará muito contente ao saber disso. Ela precisa começar a acordar. Todos nós precisamos.


Quando o David chegou em casa, a chapa esquentou.

David de licença temporária>
Ele foi demitido, mas ficou impaciente quando me viu usando as roupas da Rachel.

David trabalhando normalmente>
Ele parecia mais indignado que o normal, mas ficou impaciente quando me viu usando as roupas da Rachel.

Ele estava tão fora de si... Talvez eu nunca veja o David que a Joyce tanto ama. Ela e a Chloe se viraram contra ele, na verdade. Essa foi a primeira vez que vi elas unidas desde quando éramos crianças...


Apoiou a Chloe>
De repente, também não consegui mais aguentar e estourei. Foi meio que torrencial, mas foi INCRÍVEL. Esperei muito para jogar tudo aquilo na cara do David. Foi a pior situação possível, né, poder de voltar no tempo? Mas eu queria que a Joyce soubesse a intensidade da paranoia bizarra dele. Ela ficou tão triste e com raiva quando contei sobre as fotografias da Rachel e a Kate, sem falar nas câmeras em casa. A Joyce chutou ele para fora de casa. Para a alegria da Chloe.

Apoiou o David>
Mas o meu sentido aranha me disse que o David precisava de alguém para defendê-lo. Mesmo que apenas dessa vez. Eu só acho que ainda não temos provas para realmente culpá-lo por tudo. Sim, ele é um valentão atormentador com um fetiche por vigilância, mas parece estar coletando informações para a própria investigação. O meu lado misterioso gosta disso e espera que possamos usar a pesquisa dele para polir a nossa...


Apesar das provas do David e da pulseira, a Chloe se recusou a acreditar que a Rachel estava envolvida com o Frank. Essa é a parte da Chloe da qual eu não gosto muito: ela fica rabugenta se as coisas não forem do jeito dela. Ou se ouvir algo que não gosta. Pura negação. Eu até entendo, mas não facilita na hora de lidar com ela. Então desisti e sugeri que víssemos o trailer do Frank.

Eu sabia que a Chloe ficaria indignada e que faria de tudo para descobrir o tipo de relacionamento que ele tinha com a Rachel.


Mas, primeiro, precisávamos conseguir a droga da chave do trailer. Ou seja, fui ao restaurante Two Whales e fiquei em um pinball do tempo entre o Frank, o Nathan Prescott e o policial Berry, acabando com eles. Ainda fico tonta só de pensar em como consegui me safar. Parabéns para a Max.

Às vezes, sinto que estou roubando na vida...


Jogou o osso na estrada>
Minha nossa! Eu não quero pensar que machuquei o pobre coitado... mas, quando joguei o osso para o cão assustador do Frank pegar, ele correu direto para a rua... e eu ouvi o barulho de freios e um ganido alto.

Jogou o osso no estacionamento>
A primeira coisa que tivemos que fazer foi tirar o cachorro assustador do Frank do trailer. Então, fizemos a clássica rotina de desenho animado "dê ao cão um osso" e o Cujo[6] virou o Scooby Doo[7] em um piscar de olhos.


O trailer do Frank era basicamente o que eu esperava: a lixeira de um traficante. Mas não tão psicopata quanto eu temia. Nós revistamos o lugar e encontramos o que a Chloe não queria que encontrássemos...


Achei uma pena a Chloe ter que ver as fotografias da Rachel posando para o Frank, mesmo que ela realmente se importasse com ele. Para ela, é apenas outra traição, apenas outra pessoa amada abandonando-a. Todas as pessoas que ela amou, ela perdeu de uma forma ou de outra. Só eu voltei do passado... pra quê? Para complicar ainda mais a vida da Chloe? Eu só queria usar o meu poder de voltar no tempo para voltar aos dias em que ficávamos cobertas em farinha de panqueca[8]... A vida era simples...


Não tentou atirar no Frank e abriu os armários no trailer do Frank>

Não devolver à Chloe>
Encontrei a arma da Chloe (ou deveria dizer a arma do David?) e decidi não devolvê-la. Sinceramente, não sei se a Chloe fica mais segura com a arma, principalmente considerando a forma idiota que age quando está com ela. Mas eu não quero o Frank atrás da Chloe... Eu só tenho que garantir que ele não faça isso.

Devolver à Chloe>
Encontrei a arma da Chloe (ou deveria dizer a arma do David?) e, com relutância, eu a devolvi. Sinceramente, não sei se a Chloe fica mais segura com a arma, principalmente considerando a forma idiota que age quando está com ela. Mas eu com certeza não quero o Frank atrás da Chloe com a arma dela.


Realidade Alternativa

4 de setembro de 2013

Tanto a se fazer... Queria que o tempo passasse lentamente, principalmente para registrar todas as coisas legais que aconteceram desde que voltei para Arcadia Bay.

A Blackwell é demais!


21 de setembro de 2013

Sim, estou mais velha, e graças à Vic e ao Nathan, agora um pouco mais na moda também. Eles me surpreenderam com o mais lindo chapéu pork pie de palha, embrulhado em estilo furoshiki. Melhor festa de aniversário de todas. E, também, a mais bêbada. Não consigo dormir.


4 de outubro de 2013

Olá, querido diário, lembra-se de mim? Max ocupada. Ocupada. Ocupada. Não posso escrever agora. Tenho que tirar fotos. Viver. Fazer amigos. Tenho que me reaproximar da Chloe também.

Mas primeiro tenho que... Vortex! Hora da festa!!!!!!

Episódio Quatro - "Dark Room"

Quinta-feira, 10 de outubro

Querido diário. Nunca mais viajaremos no tempo de novo. Nem sei como começar a explicar o que houve. Se eu pensar demais sobre as ramificações, meu cérebro vai derreter. Quando tento descrever, é como se tivesse acontecido a outra pessoa.


A Chloe ficou muito chateada quando descobrimos que a Rachel estava envolvida com o Frank Bowers e estourou. Eu nunca consigo falar com ela desse jeito e estou cansada de ter que pegar leve com as emoções dela. Ela ainda culpa o William pela vida zoada, mesmo sabendo que está sendo injusta. Não posso dizer que não ficaria tão abalada quanto ela. Não que eu não esteja da minha própria maneira.


No meu quarto, só conseguia pensar, "Queria poder voltar no tempo e ajudar a Chloe" e, de repente, estava olhando para a fotografia que o William tirou de nós no dia em que morreu... e tudo começou a pulsar como se estivesse em 3D, como se eu conseguisse ver DENTRO da fotografia.


E aí me vi dentro da fotografia... quando tinha 13 anos. Eu estava na cozinha da Chloe no ano de 2008.

Com a Chloe. E o William.


Logo antes de ele buscar a Joyce pela última vez. Como os meus poderes de alguma forma atingiram esse novo nível de viagem, decidi que não podia deixar o William morrer de jeito nenhum. Então, brinquei de "esconder as chaves" até ele não ter outra opção a não ser pegar um ônibus.


Fiquei bem feliz por ter salvado o William. Nunca pensei no que poderia dar errado...


Eu soube que tinha ferrado tudo quando voltei da minha viagem épica e vi a Victoria Chase... dizendo que era minha AMIGA. E que eu era MEMBRO do Clube Vortex. Já chega por aí.


Sabia que tinha feito merda. Enlouqueci pensando no que poderia ter acontecido com a Chloe... Tive uma certa ideia quando vi o David Madsen dirigindo o ônibus escolar. Com certeza não parecia mais tão ameaçador... Nem quis saber como ele acabou como motorista de ônibus escolar em vez de estar com a Joyce...


Senti meu coração latejar quando corri para a casa da Chloe. E, quando o William abriu a porta, me preparei para o pior...


Foi quando a Chloe avançou com sua cadeira de rodas. Paralisada do pescoço para baixo. Nem soube o que dizer, então cobri a boca num típico gesto de choque e estupidez. Mas o sorriso da Chloe foi tão genuíno e lindo que quase chorei.


Tive que me ajustar a tudo sem enlouquecer nem contar para a Chloe que alterei o tempo e espaço para salvar o pai dela, mas que acabei colocando-a em um acidente, fazendo com que nunca mais andasse. Enfim, ainda era a Chloe, só que com menos raiva. Essa Chloe só estava feliz por estar viva e por ter a família ao seu lado.


A Chloe implorou para que eu passasse a noite lá e, é claro, aceitei. Notei como o térreo da casa estava, comparado a antes. Vi os equipamentos incrivelmente caros que a Chloe precisa agora, incluindo o novo quarto na garagem. Foi mal, David.


Apesar de me sentir péssima e desconectada, a Chloe estava feliz e empolgada por estar comigo de novo, especialmente porque sumi completamente depois do acidente. Mesmo em um universo paralelo, sou uma péssima amiga.


O mundo da Chloe era tão novo e único para mim, especialmente por sua força, bondade... e dor. Ela precisou de muitos remédios para aguentar o dia. Eu não senti pena dela... fiquei em choque com sua postura. Essa Chloe não culpava ninguém pela sua condição, mesmo que tivesse esse direito. Demos uma volta na praia e vimos as baleias encalhadas que provaram que algo ruim estava acontecendo nas duas realidades...


E depois a Chloe pediu para eu fazê-la dormir. Para sempre.


O acidente acabou bastante com o corpo dela. Os pulmões pararam de funcionar direito e ela estava tendo uma morte lenta e dolorosa. Ela também se sentia culpada pelo sacrifício e os gastos enormes que seus pais estavam fazendo. Não foi excêntrica nem torturada ao fazer esse pedido, apenas... prática. O que fez com que eu me sentisse pior ainda por tê-la colocado nessa situação.


Aceitou o Pedido da Chloe>
Eu concordei em ajudá-la, simplesmente porque ela explicou que queria poder fazer uma escolha pela última vez na vida... Como eu poderia argumentar contra isso? Principalmente porque eu sabia que tinha ferrado o universo inteiro tomando uma "simples" decisão. E eu sabia que teria de voltar em algum momento e aceitar a linha do tempo que realmente aconteceu... Então eu e a Chloe tivemos uma última noitada de filmes vendo "Blade Runner", dormindo ao som de Vangelis e, quando acordei, coloquei minha melhor amiga para dormir... para sempre.

Recusou o Pedido da Chloe>
Mas eu não tinha como ajudar minha melhor amiga a tirar a própria vida. Eu não poderia fazer isso, especialmente depois do que aconteceu com a Kate. Eu sei que deveria ter feito o que a Chloe pediu, levando em consideração o fato de que eu era a culpada da situação. Mas como eu poderia entupir ela de morfina e assisti-la morrer? Eu sabia que ela estava chateada, mas tinha que me convencer de que essa realidade... não era real.


Depois da minha visita ao novo mundo da Chloe, eu sabia que estava na hora de dar uma de Max Para o Futuro[9]. Vi os resultados da minha alteração atemporal e fiquei com medo de o meu poder não funcionar mais. Isso seria um péssimo carma. Felizmente, consegui me projetar na fotografia de novo e desfiz tudo que tinha feito...

Adeus, William. De novo.

Olá, David. De novo.


Beijou a Chloe>
Nunca fiquei tão feliz por ver a Chloe na minha vida. Assim que vi seu cabelo azul e aquela cara emburrada linda dela, eu quis beijá-la de novo.

Não Beijou a Chloe>
Nunca fiquei tão feliz por ver a Chloe na minha vida. Assim que vi seu cabelo azul e aquela cara emburrada linda dela, eu meio que me arrependi de não a ter beijado quando ela me desafiou. Talvez se ela tivesse insistido um pouco mais...


E eu nem pude contar a ela onde estive... nem o porquê. Seria só mais uma coisa para alienar a Chloe de mim e do mundo. Eu tinha que me concentrar de novo em nossa busca pela Rachel. A Chloe se ocupou com o trabalho de investigação, enquanto eu estava na linha do tempo alternativa.


Apoiou a Chloe>
É claro que foi bem mais fácil explorar a garagem do David, já que a Joyce o botou para fora. Isso deixou a Chloe feliz como nunca vi desde que voltei. Eu ainda sinto pena do David, mas ele abusou da autoridade. Dispensado. E é bem mais fácil pegar os arquivos X do David quando ele não está lá!

Apoiou o David>
É claro que ela já estava chateada porque eu defendi o David, mesmo apesar de eu não gostar daquela besteira de vigilância dele. Mas parece que ele está tentando ajudar, apesar de eu não saber como. E admito que simplesmente não sei o que diabos ele está tramando. Não que isso tenha me impedido de usar algumas habilidades ninjas para driblá-lo e conseguir mais alguns dos arquivos X dele...


Depois que coletamos nossas informações como doces no dia das bruxas, amei ver a Chloe ativando o modo "Sherlock" enquanto procurávamos todas as pistas em um grande quadro de desenhos. É claro que nós sabemos que ela está mais para um Dr. Watson, certo? Elementar!


Sinceramente, com toda a tristeza e perdição iminente, eu me senti tão... feliz. Apenas por estar de volta à ação com minha melhor amiga e seu belo cabelo azul.

Isso aí, porra.


Salvou a Kate>
Mas prioridades são prioridades. Eu tinha muito que ver a Kate. Nunca visitei alguém no hospital antes, muito menos alguém que tentou cometer suicídio, então fiquei feliz por a Chloe querer ir junto para me dar apoio. O cheiro de antisséptico e os salões brancos infinitos sempre me incomodaram um pouco. Ou talvez apenas seja eu projetando o meu próprio medo da mortalidade.

Quando vi a Kate no quarto dela (rodeada de cartas, flores e balões), tudo que pude pensar foi quando eu a vi pela última vez... no telhado. O rosto dela estava tão triste, sincero e sem esperanças, e... agora ela estava com mais vida, como eu não via há muito tempo.

Eu não sabia o que dizer a alguém naquela situação ("Como você está, depois de quase ter pulado de um telhado?"), mas o espírito gentil da Kate facilitou. Fiquei muito feliz ao ver que ela tinha voltado a desenhar e estava fazendo planos para o futuro. Incluindo fazer justiça pelo que o Nathan Prescott fez com ela. Ou, como eu digo, VINGANÇA.


Então, depois de conseguir informações e ajuda de outros membros da nossa equipe, eu e a Chloe fomos ao dormitório masculino, vulgo "Covil do Nathan". A Chloe vigiou o corredor enquanto eu fui furtivamente ao quarto do Nathan.


E mesmo eu tendo me tornado uma grande espiã e detetive, ainda me surpreendo com o que vejo ou encontro... como a caverna expressionista e lustrosa do mano Nathan. Foi como ir da luz à sombra em um único passo. Eu juro, pude sentir a temperatura cair assim que entrei. Enfim, o Nathan tem conhecimento sobre fotografia e sabe que o filme e o equipamento não podem esquentar (eu guardo o meu filme reserva na sala do Sr. Jefferson).


Falando em coisas frias, o quarto do Nathan era bizarro. Fotografias impressionantes mas perturbadoras, provas do bullying do pai dele e, provavelmente, a pista mais importante encontrada até o momento: o celular dele, provavelmente carregado de mensagens e mistérios. Não é legal eu estar espionando e roubando tanto na última semana... Heroína do Cotidiano, tá ligado?


E foi quando o Nathan Prescott apareceu. Ele estava tão furioso e fora de controle que senti uma ponta de simpatia, de que ele precisava claramente de ajuda. Mas aí eu lembrei que ele era um completo cuzão e que foi extremamente perigoso para mim, Chloe e Kate. Então, antes que eu pudesse voltar no tempo, o Warren entrou em cena e meu Cavaleiro Branco deu uma CABEÇADA no Nathan, uma grande vingança. Não acreditei. Nem o Nathan.


Interveio>
Na verdade, o Warren literalmente começou a fazer uma MACACADA na cara do Nathan. Não foi legal, mas os meus nervos estavam tão exaustos e eu estava tão de saco cheio dos valentões da Blackwell que quase não quis impedir o Warren de bater no Nathan. O Warren tem os próprios problemas para resolver com o Nathan, mas esse não é o lugar nem a hora. Embora o Nathan merecesse e eu ficaria muito contente em ver o Warren mostrar quem é o chefe da Blackwell agora.

Ficou de Fora>
Na verdade, o Warren literalmente fez uma MACACADA na cara do Nathan. Não foi legal, mas os meus nervos estavam tão exaustos e eu estava tão de saco cheio dos valentões da Blackwell que nem tentei impedir o Warren de bater no Nathan. O Warren tinha os próprios problemas para resolver com o Nathan.


Ninguém se Machucou>
Depois do rolo no dormitório, eu e a Chloe fomos à praia falar com o Frank e ver se conseguíamos trazer ele para o nosso lado. Tive que tomar muito cuidado para não deixá-lo enfurecido. Ele estava bem indignado porque alguém invadiu o trailer e "pegou emprestado" o livro de contas dele, mas quando viu que não nos importávamos com drogas nem dinheiro e só com a Rachel, ele mudou a postura.

Eu só conseguia pensar, "Estou tentando fazer um traficante me ajudar a encontrar uma garota desaparecida". Por incrível que pareça, o Frank concordou em ajudar! Ele sabe o quão ingênuas e perdidas nós somos e espero que nossa sinceridade o tenha influenciado.

Ainda tenho minhas dúvidas sobre ele e não posso ser tão inocente a ponto de deixar minha guarda do poder abaixada Eu não sei nada além do fato de ele vender drogas, ter um péssimo temperamento e amar a Rachel. Mais até que os feijões dele.

Então conseguimos outro membro para a nossa equipe... UHUL!

Frank Machucado>
Depois do rolo no dormitório, eu e a Chloe fomos à praia falar com o Frank e ver se conseguíamos trazer ele para o nosso lado. Infelizmente, o Frank não estava no clima. Ele enlouqueceu e atacou a Chloe. Ela o feriu na perna, o que me assustou bastante, mesmo tendo visto a Chloe levar tiros a semana inteira. Só conseguia pensar, "Isso está acontecendo mesmo. Estou do lado de fora de um trailer em uma briga com um traficante".

Então nossa missão de trazer o Frank para o nosso lado foi impossível. Agora ele está ainda mais chateado com a Chloe... e comigo. Parte de mim acha que ele tem razão, já que ferimos ele na perna, mas a outra parte acha que o Frank seria atacado por alguém uma hora ou outra. Ele tem sorte que fomos nós.

Espero que a perna dele esteja bem e que isso não traga um péssimo carma. Não era assim que eu queria que fosse a nossa visita. E eu não quero que a Chloe se torture ainda mais pelo que aconteceu. Ela me defendeu. Afe.

Mas nós temos Franks maiores com quem lidar. Ou a quem foder. Em frente.

Frank Morto>
Depois do rolo no dormitório, eu e a Chloe fomos à praia falar com o Frank e ver se conseguíamos trazer ele para o nosso lado. Tive que tomar muito cuidado para não deixá-lo enfurecido. Ele estava bem indignado porque alguém entrou no trailer e "pegou emprestado" o livro de contas dele... Quando tentei argumentar com o Frank, ele sacou um arma. Só conseguia pensar, "Isso está acontecendo mesmo. Estou do lado de fora de um trailer em uma briga armada com um traficante".

E a Chloe atirou nele em legítima defesa. O Frank Bowers morreu. Vimos ele morrer na nossa frente. Eu não sabia no que pensar nem como... Eu nem voltei no tempo... Eu sei que a Chloe está muito mais chocada que eu. Foi surreal olhar para o corpo do Frank ao lado do oceano onde brincávamos quando éramos crianças... Então nossa missão de trazer o Frank para o nosso lado acabou na morte dele.


Agora estamos com mais problemas... problemas com a lei. Eu sei que a Chloe atirou nele para me salvar e que foi em legítima defesa, mas se não tivéssemos vindo até aqui, ele ainda estaria vivo. Não era assim que eu queria que fosse a nossa visita. E eu não quero que a Chloe se torture ainda mais pelo que aconteceu. Independente do ocorrido, ela salvou a minha vida.

Mas ainda sou responsável por tirar uma vida. O que diabos estamos fazendo?


Minha vida agora parece tão surreal, não sei mais como reagir. Posso voltar no tempo e espaço, mas isso está me envelhecendo prematuramente? Estou descobrindo coisas que não deveria, causando muita treta... até com a minha própria história? Obviamente, os sangramentos e as tonturas são um sinal de que estou exagerando com os meus poderes, mas ele se tornou parte da minha natureza... ou talvez um hábito. Corrupção do poder? Não ainda. Espero eu.


Lembro daquele famoso episódio do Star Trek original, em que Kirk tem que voltar no tempo e deixar a pessoa que ama morrer para que os nazistas não vençam a guerra... Que tipo de escolha fodida é essa? O que teria acontecido se eu não estivesse no banheiro da escola para salvar a Chloe naquele dia?[10]

Mas, caramba, eu estava lá e, portanto, era para estar lá. DESTINO.


Ninguém se Machucou>
E o fato de termos convencido o Frank a nos ajudar nos deu a maior esperança recentemente. Sim, eu e a Chloe fomos idiotas ao enfrentar o Frank dessa forma, levando em consideração como reagiu antes, mas não sei como alguém pode dizer que ele não ama a Rachel Amber.

Ele não deveria ter apontado uma faca para a Chloe e eu não gosto do fato de ele vender todos aqueles remédios perigosos para adolescentes, especialmente para o Nathan. Ele precisa de supervisão psiquiátrica, não pacotes de pílulas. Pelo menos ele não irá mais atrás do Frank.

Ainda não sei como a Chloe ou até mesmo a Rachel iriam querer sair com o Frank, mas não posso mais pensar nisso. Talvez, se não tivesse deixado a cidade, eu julgaria menos... Mas agora temos o celular do Nathan, as coordenadas do David, o livro de contas do Frank e um grande quadro de pistas, o que nos deixa mais próximas de encontrar a Rachel Amber. Finalmente. Talvez a maré esteja finalmente mudando... ou o tempo...

Frank Machucado>
Então as coisas ficaram um pouco fora de controle com o Frank, mas sinceramente, o que deveríamos esperar? Ele não é exatamente um herói do cotidiano, e provavelmente foi idiota da nossa parte esperar alguma mudança, mas fazer o quê, tivemos que enfrentá-lo. Tentamos persuadi-lo dizendo que estávamos do mesmo lado, mas foi uma perda de tempo.

No fim, tivemos que nos defender e machucá-lo na perna, mas independente da raiva em seus olhos, ele nos deu o que estávamos procurando. Ele estava prestes a liberar o inferno em nós, mas acho que evitamos o pior. Espero que nossos caminhos não se cruzem tão cedo.

Ainda não sei por que a Chloe ou até mesmo a Rachel iriam querer sair com o Frank, mas não posso mais pensar nisso. Talvez, se não tivesse deixado a cidade, eu julgaria menos, mas não vejo nada de bom nele... De qualquer forma, nós tentamos, né? E agora temos o celular do Nathan, as coordenadas do David, o livro de contas do Frank e um grande quadro de pistas, o que nos deixa mais próximas de encontrar a Rachel Amber. Finalmente.

Frank Morto>
Então, agora que somos responsáveis por acabar com a vida do Frank, mesmo que tenha sido em legítima defesa, ele deveria morrer daquela maneira? Encharcado com o próprio sangue no chão imundo? Eu não sei se aguento mais mortes e violência essa semana... Mas sei que há algo maior que o Frank ou eu. Talvez uma tempestade que destruirá Arcadia Bay... e o que mais?

Eu não conseguiria explicar isso para a Chloe. Ela está devastada por causa do Frank e eu não posso culpá-la. Mas ela não pode desistir agora. A Chloe é durona, mas não tem o luxo dos meus poderes, então tem que confiar em mim que esse é o nosso destino. Certo?

Eu não posso ser uma heroína sem a minha fiel companheira... E a Chloe tem que saber que ela pode ter a maior função em toda essa merda apocalíptica. E agora temos o celular do Nathan, as coordenadas do David, o livro de contas do Frank e um grande quadro de pistas, o que nos deixa mais próximas de encontrar a Rachel Amber. Finalmente.


Este é o momento no qual todas as pistas se juntam e finalmente temos um local fora da cidade que possa nos levar direto à Rachel Amber... e além.


Depois de tudo que aconteceu com o Frank, tive que convencer a Chloe a seguir em frente comigo, já que sinto que estamos no fim da nossa jornada... felizmente, não no fim do mundo. Mas, seja lá qual for a raiva que a Chloe tem dentro de si que a torna tão autodestrutiva, ela está junto com a coragem e bravura dela. Sim, a Chloe quase fez com que eu morresse, mas sei que ela morreria por mim. E não posso esquecer que a coloquei para morrer lentamente em uma cadeira de rodas em outra realidade...


E a Chloe está mais concentrada do que antes. Disse a ela para seguirmos em frente independente do que acontecesse e que eu não conseguiria encontrar a Rachel sozinha. Foi o suficiente.

Agora está na hora de iluminar a Sala Escura...


Eu e a Chloe anotamos as coordenadas e pegamos a estrada. Estávamos quietas, mas empolgadas... é difícil explicar a sensação. Mesmo com todas essas coisas terríveis acontecendo, eu me peguei pensando que éramos parte de algum mistério maior que envolvia tempo, espaço e os nossos destinos. Nunca tive muita fé, não que nem a Kate Marsh, mas não acreditaria que estamos condenadas a uma perdição depois de tudo que aconteceu essa semana.

Mas eu não estava preparada para a Sala Escura.


As coordenadas nos levaram a uma antiga fazenda "abandonada" da família Prescott e eu não deveria ter me surpreendido tanto por alguém estar guardando um bunker bizarro super protegido cheio de lembranças dos Prescott... e coisas piores.


Se existe o mal absoluto, esse era o lugar. Um armário cheio de fichários vermelhos com nomes confirmaram os nossos piores pesadelos... não que eu tivesse ideia de que o nosso trabalho amador de detetive nos levaria a esse tipo de inferno profissional. Quando vi o fichário marcado com o nome "Victoria", meu coração começou a bater como uma britadeira. Foi quando eu me dei conta do que aquilo era...


Nem quero pensar sobre as imagens que vimos da Kate Marsh inconsciente com aquele filho da puta do Nathan Prescott. Ela sabia da verdade sobre o que aconteceu com ela mesmo sem conseguir se lembrar de todos os detalhes sórdidos... E depois, a Rachel Amber. Fotografias delicadamente compostas da Rachel drogada e em cima do Nathan como um casal gótico doentio. Não aguentei ver a cara da Chloe olhando para as fotos de seu anjo sofrendo abuso. Fiquei enjoada. Parecia que toda a esperança que dei à Chloe evaporou. Em seguida, vimos onde a montagem bizarra do Nathan com a Rachel aconteceu. No lixão.


Finalmente encontramos a Rachel Amber. Morta e enterrada. Sinto muito, Rachel. Sinto muito, Chloe. Sinto muito, Kate. Sinto muito, William.

VÁ SE FODER, ARCADIA BAY.


"O ensino médio deveria ser a melhor época da sua vida", foi o que ouvi inúmeras vezes dos meus pais e outros especialistas. Eles sabem de alguma merda? Falem isso para a Rachel Amber. Ou para a Kate.
Nunca vi a Chloe tão fria e dura. Ela não larga a arma. Temos que encontrar o Nathan antes que a Chloe o mate. E, se isso acontecer, será difícil voltar no tempo.


Mas estamos o mais próximo possível do fim desse pesadelo e eu tenho que esquecer aquelas imagens da Kate Marsh e da Rachel Amber que ficarão queimadas nas minhas retinas para sempre. Ainda existe um último segredo para desvendar e nada nos deterá agora. Nem mesmo a droga de um tornado.


Eu e a Chloe paramos no estacionamento da Blackwell e chegamos na festa "Fim do Mundo". Ah, que ironia! Tivemos que nos livrar do pobre Warren rápido, que queria demonstrar sua glória alfa e sair comigo e com a Chloe. Eu não posso colocar outro dos meus amigos em perigo. É tão bizarro ver todos os alunos vestidos com roupas caras ou fantasias de dia das bruxas, falando, rindo, fumando e bebendo, como se não tivesse um psicopata na mesma festa ou como se a cidade não estivesse em perigo ecológico...


Como se fosse para me lembrar do dia do julgamento final de Arcadia Bay, vi duas luas no céu sobre o horizonte... ou pelo menos o que parecia ser logo antes de as nuvens taparem tudo. Eu pisquei os olhos e esfreguei-os como uma idiota para ter certeza de que minha visão estava clara. Outro sinal ou apenas uma ilusão ambiental? Outras pessoas também viram... Exceto a Chloe, que só via vingança. Ela foi ao ginásio atrás do Nathan antes que eu pudesse alcançá-la. O Nathan não sabe que também está ficando sem tempo. Sem ironias. Todos estamos.


Minha primeira e última festa do Clube Vortex. Luzes piscantes e o DJ Doom (sem comentários) animando. Em uma realidade alternativa, eu poderia ter ido a essa festa, ficado no canto tímida e nervosa, esperando que alguém me chamasse para dançar e aterrorizada de que alguém o fizesse... E esse seria o limite dos meus problemas. Agora olhe para mim.
Mas eu tenho que encontrar a Chloe primeiro, depois o Nathan, antes que ela atire nele.


Conseguiu Avisar a Victoria>
Não importa o quão má a Victoria foi, ela é só uma pessoa terrivelmente insegura com talento, paixão e uma tendência a ser uma retardada cruel por nenhum motivo. Eu tenho que ver além do nosso drama ridículo, e considerar que ela tem algum papel nessa história toda. Então conversamos como seres humanos e eu avisei a ela, sem dar detalhes, sobre o Nathan. Ela acreditou em mim e foi tão legal estabelecer uma conexão com minha antiga "inimiga". Uma luz no fim do túnel de pura escuridão. Que haja mais.

Não Conseguiu Avisar a Victoria>
Não importa o quão má a Victoria foi, ela é só uma pessoa terrivelmente insegura com talento, paixão e uma tendência a ser uma retardada cruel por nenhum motivo. Mas isso não significa que ela irá mudar a postura para olhar para mim sem ódio. Tentei ver além do nosso drama ridículo, levando em consideração que ela tem algum papel nessa história toda, mas a Victoria não queria me escutar e eu tinha que encontrar a Chloe. Então eu avisei a ela e fui embora, esperando que o ser humano bem no fundo da Victoria recebesse as informações e considerasse levá-las a sério. Justo?

Não Avisou a Victoria>
Não importa o quão má a Victoria foi, ela é só uma pessoa terrivelmente insegura com talento, paixão e uma tendência a ser uma retardada cruel por nenhum motivo. Mas isso não significa que ela irá mudar a postura para olhar para mim sem ódio. Tentei ver além do nosso drama ridículo, levando em consideração que ela tem algum papel nessa história toda, mas a Victoria tornou isso impossível e eu tinha que encontrar a Chloe. Me senti péssima por não avisá-la, mas espero que a Victoria seja a única pessoa que o Nathan deixaria em paz, seja apenas por amizade ou pelo fato de aqueles dois cuzões se darem bem.


Episódio Cinco - "Polarized"

Sexta-feira, 11 de outubro

11 de outubro (... eu acho)


Eu vi a Chloe morrer de novo.
Assassinada pelo meu professor favorito. Por quê?
Porque fomos idiotas e deixamos o Jefferson nos enganar com uma mensagem mascarada.
[11]


Então acabamos voltando ao lixão, caindo na armadilha dele. Deveríamos ter chamado a polícia assim que encontramos a Rachel, mas eu e a Chloe fomos longe demais. Sempre acho que sou invencível, que sou uma verdadeira heroína do cotidiano... mas não, sou só a Max Caulfield.


Talvez os meus poderes sejam um acidente do destino. Ou estou sendo punida como a Chloe? O que fizemos para merecer toda essa dor? O que a Rachel fez? A Kate? O William?
E tem o Mark Jefferson... Nem consigo chamá-lo de "senhor" mais.


Ainda estou chocada por ele ser a pessoa por trás da Sala Escura... mas, pensando em todas aquelas "pequenas partes do tempo", o Jefferson deixou pistas em todos os lugares. Fico enjoada em pensar há quanto tempo ele vem fazendo isso... e com quem.


A agulha... Ainda consigo sentir a agulha na minha pele. Ainda bem que não lembro do Jefferson me fotografando na maior parte de sua sessão doentia. Imagino todas essas outras pessoas que tiveram que sofrer esse terror... como a Rachel e a Kate. Isso me deixou determinada a sair daquela sala, pelo menos para detê-lo e salvar a Chloe. Tive que usar o meu foco de voltar no tempo em várias fotografias tantas vezes que até fiquei confusa.


Pior ainda, eu sabia que estava zoando várias realidades de novo, mas não tive outra escolha. A Chloe não morreria em um lixão ao lado da Rachel Amber. E nem fodendo que o Jefferson seria a última pessoa que eu veria na vida. Eu nunca conseguiria me imaginar naquele estúdio com o Jefferson agindo daquela forma... Tudo era tão limpo e estéril, mas com uma sensação de ser o lugar mais imundo da Terra. Se eu não tivesse a habilidade de mexer com o tempo, o que teria feito? O que eu poderia ter feito? Às vezes, sinto como se eu estivesse do lado de fora, me vendo passar por esse inferno. Mas graças à fotografia da aula do Jefferson, ele próprio me ajudou a fugir.


Conseguiu Avisar a Victoria>
Eu também me sinto terrível por a Victoria ter acabado aqui comigo só porque a avisei sobre o Nathan. Eu já devia saber que ela correria ao Jefferson atrás de proteção. Em vez disso, ele a raptou e quase a assassinou. Por minha causa.


Nunca esquecerei como o Jefferson olhou para mim, tão frio e malvado... Me senti como se estivesse em um dos programas sobre crimes que minha mãe assiste. Como alguém se torna tão maligno? Ele atirou na cabeça da Chloe.... simples assim. Filho da puta.


Culpou o Nathan
Queria que a polícia tivesse levado o Nathan depois que contei ao diretor Wells que ele drogou a Kate. Ele ainda poderia estar vivo e, talvez, teria derrubado o Jefferson também...

Culpou o Jefferson>
Ainda bem que culpei o Jefferson pela Kate, então há registros de suas ações. Se eu tivesse as informações do David Madsen... E pensar que me senti culpada por acusar o Jefferson...

Culpou o David>
Agora me sinto horrível por ter culpado o David pela Kate... especialmente porque ele estava atrás do Jefferson o tempo todo. Poderíamos ter trabalhado juntos se ele não fosse tão paranoico.


Não acredito que fui capaz de voltar para a minha selfie da aula de artes na segunda. Eu entreguei a minha foto para a competição, depois de mandar uma mensagem para o David avisando sobre o Jefferson. Ufa. Eu só não entrei em uma crise porque tenho esse poder incrível. Tenho que usá-lo certo de uma vez por todas... e, talvez, nunca mais.


Foi estranho estar na aula com o Jefferson como se não tivesse acabado de ser torturada por ele em um bunker subterrâneo. Eu o vi pela primeira vez como ele é: um psicopata assustador e manipulador. Ele usa a arte e a paixão para seduzir as pessoas, mas, por trás, não há nada além de ódio e perversão. Só rezo para consertar essa linha do tempo em vez de foder com ela.


Max para o futuro. Parece que eu finalmente ajeitei as coisas. A Chloe está viva. O David Madsen se tornou um verdadeiro herói do cotidiano pegando o Jefferson e a sala escura, junto com o Nathan e o pai dele. Os Prescotts perderam o controle de Arcadia Bay. Agora sou a verdadeira "Heroína do Cotidiano", indo para São Francisco com o diretor Wells, que é bem mais engraçado e descontraído quando não está estressado por causa da Academia Blackwell. É difícil para mim relaxar completamente, mas todas essas partes do tempo parecem estar se encaixando em seus lugares.


A Galeria Zeitgeist foi uma viagem. Por que alguém tão tímida como eu quer ser famosa pelas fotografias? Eu não me importo com pessoas puxando o meu saco, só quero sair com os grandes artistas e aprender com eles. Foi tão legal o meu trabalho ser exposto em uma galeria respeitada e pude experimentar a resposta do público. Mas não sou fã dos holofotes. Aquele repórter de Berkeley fez com que eu nem soubesse o que dizer. "Ah, sim, essa selfie representa a minha alma". Eu rasgaria todas as minhas fotos se tivesse dito isso.


Mas foi tão legal ter um momento pacífico e seguro para mim, onde os meus sonhos se tornaram realidade no lugar dos pesadelos. Eu tive uma verdadeira visão do meu futuro e de quem queria ser. Então não me sentirei mal em voltar no tempo de novo para destruir a minha foto da competição.


A tempestade ainda está indo para Arcadia Bay, o que significa que a vida da Chloe ainda está em perigo. Nenhum prêmio ou exposição vale perdê-la de novo. Pelo menos posso usar a minha fotografia por um motivo realmente importante e tentar, de novo, consertar a maquinaria do tempo que continuo quebrando...


Então eu fiz isso. Voltei ao meu quarto para apagar outra linha do tempo... ou essa realidade segue sem mim? Eu só estou criando nós no tempo? O meu maior medo é não ser capaz de voltar no tempo quando eu mais precisar... ou nem mesmo lembrar do que fiz.


E parece que a minha cabeça vai explodir se eu continuar fazendo isso. Meus sangramentos nasais são um mau presságio. Mas ainda estou aqui, posso rasgar a minha foto da competição e mesmo assim avisar ao David sobre o Jefferson. Isso só significa que não irei para São Francisco. Ainda. E eu tenho que proteger a Chloe de uma tempestade.


Sabia que estava fácil demais. Estraguei tudo. Como sempre. O Jefferson ficou indignado porque rasguei minha foto da competição, louco com o meu "talento desperdiçado". O maldito queimou meu diário e nem pude voltar no tempo com minha selfie da aula. Então meu plano foi em vão e não pude avisar o David... E foi assim que eu voltei para a sala escura, depois de achar que tinha fugido.


Conseguiu Avisar a Victoria>
A pior coisa foi ver que a Victoria tinha sumido e saber que o Jefferson já tinha a matado... tudo por minha causa. Eu nunca me senti tão sem esperança e impotente na minha vida. Eu até fiquei mais determinada a voltar no tempo e salvar a Victoria também...


Felizmente, foi o David Madsen quem apareceu para me salvar. Graças à vigilância pessoal dele, ele ficou na sombra do Jefferson e rastreou-o até a fazenda. Fui capaz de usar o meu poder para o bem e ajudei o David a combater o Jefferson. Sei que a única maneira de salvar a Chloe agora é conseguir a foto que o Warren tirou de nós no estacionamento. Só espero que ele esteja bem nesta tempestade.


Contou para o David>
No fim, contei ao David que a Chloe estava morta... e ele matou o Jefferson. Não tenho mais nada a dizer.

Não Contou para o David>
No fim, não contei ao David sobre a Chloe... Não consegui. Ele poderia ter matado o Jefferson.


Pela primeira vez desde as minhas visões, fui capaz de ver a tempestade nesta realidade. Quando senti o vento forte do tornado, tudo ficou mais desesperador. Foi também um alívio falar com o Warren, mas ele está preso no restaurante Two Whales com a fotografia. Sim, esse parece um trabalho para a Super Max.


Peguei o carro do Jefferson emprestado para correr e descobri que o Nathan me deixou uma mensagem de voz triste. Ele só tentou me avisar para não ser culpado pela Rachel. Mas o Jefferson não o perdoaria...


Apocalipse de Arcadia Bay.
Nunca senti a força bruta da natureza, mas essa tempestade é extrema. Minha cidade está sendo destruída e estou tão furiosa que não prestei atenção às visões. Eu podia ter avisado e salvado tantas pessoas... em vez de assisti-las morrer ao meu redor.


Decidi que precisava aceitar o meu destino, seja lá qual fosse, usar os meus poderes para o bem e, mais importante ainda, não ter medo. Não tinha mais tempo para ter medo. Então eu cheguei na cidade e ajudei o quanto pude, até ter que voltar no tempo e impedir que um fogo que se alastrava explodisse o restaurante. Pelo menos consegui fazer algo.


Não Machucou o Frank>
Eu quase chorei quando vi a Joyce e o Warren, apesar de eles estarem com medo. Mas eles foram fortes e ajudaram todos no restaurante. Incluindo o Frank, que fiquei feliz por ver que estava vivo.

Machucou o Frank>
Eu quase chorei quando vi a Joyce e o Warren, apesar de eles estarem com medo. Mas eles também foram fortes e ajudaram todos no restaurante. Incluindo o Frank, que claramente me odeia.

Matou o Frank>
Eu quase chorei quando vi a Joyce e o Warren, apesar de eles estarem com medo. Mas eles também foram fortes e ajudaram todos no restaurante.


Beijou a Chloe>
Fico feliz por o Warren ser um bom amigo. Considerando o quão insana foi a minha vida essa semana, beijar a Chloe em vez de beijá-lo não pareceu tão estranho. Parecia que eu e a Chloe estávamos saindo do universo cruel... E se eu fosse morrer, iria querer um beijo da minha melhor amiga.

Beijou o Warren>
Considerando o quão insana foi a minha vida essa semana, beijar o Warren no meio de uma tempestade mortal não pareceu tão estranho. Parecia como se estivéssemos saindo do universo cruel... e se eu fosse morrer, iria querer um beijo de um garoto de quem gosto.

Beijou os Dois>
Considerando o quão insana foi a minha vida essa semana, beijar a Chloe e depois o Warren, não me pareceu tão estranho. Nas duas vezes parecia que estávamos saindo do universo cruel... e seu eu fosse morrer, iria querer um beijo das duas pessoas de quem mais gosto.

Não Beijou Nenhum>
Considerando o quão insana foi a minha vida essa semana, beijar a Chloe ou o Warren no meio de toda essa viagem temporal seria muito estranho. Nem consigo pensar sobre minha vida amorosa... ou a falta dela. Mas, se eu fosse morrer, talvez devesse ter beijado um deles apenas por precaução...


O mais importante é que eu tinha conseguido a foto do Warren e tinha mais uma chance de salvar a Chloe. Fiquei enjoada pensando na bagunça que fiz, mas não tinha mais como voltar.


O Warren é demais. Consegui voltar à festa Fim do Mundo com a foto e me senti como se estivesse mais confiante com minhas habilidades de viagem no tempo. É sempre difícil lidar com a Chloe quando sou a única com o benefício de saber o futuro dela. Mas a coisa que a Chloe mais aprecia é honestidade, então contei tudo a dela, desde quando ela ficou paralisada até a Sala Escura e São Francisco. Ela não queria acreditar que o David foi tão heroico, mas sabia que eu não mentiria. E eu posso dizer que ela se sentiu mal pelo que o Jefferson fez comigo.


A Chloe está de volta!
Eu nem me importei se era de fato o fim do mundo, foi ótimo abraçá-la novamente depois de tudo que passamos. Pensei em todas aquelas linhas do tempo pelas quais passei pela Chloe e como ela sempre foi muito importante para mim...
Nossas vidas sempre estiveram entrelaçadas.


Beijou a Chloe>
Como isso pode não ser um tipo de destino? Apesar de sermos opostas em várias formas, também somos bastante parecidas. Sempre fomos piratas de espírito e sempre quisemos dominar o mundo... Sei que é idiota falar que ela é a minha heroína, mas se não fosse, quem seria? Às vezes, eu e a Chloe somos que nem yin e yang.
Quem sabe? Talvez estejamos aqui para dar força uma à outra... ou até mais.

Não Beijou a Chloe>
Como isso pode não ser um tipo de destino? Apesar de sermos opostas em várias formas, também somos bastante parecidas. Sempre fomos piratas de espírito e sempre quisemos dominar o mundo... Gosto de pensar que eu e a Chloe estamos aqui para ajudar uma à outra.
Melhores amigas para sempre, né?


Não há nada como a sensação de alívio depois de acordar de um pesadelo vívido. Apesar de todas as coisas terríveis que aconteceram nesta semana, eu me senti tão livre e esperançosa quando finalmente acordei. E o meu pesadelo era tão óbvio... todos os meus medos sobre ser uma artista, sobre o meu poder de voltar no tempo e, é claro, sobre a minha parceira no crime e no tempo, a Chloe Price.


Passamos por tantas coisas juntas e talvez passemos por mais, dependendo de como tudo acabar... seja pro céu ou pra porra... Foi mal, não resisti.


Beijou a Chloe>
A Chloe é mais do que minha melhor amiga, mas quem sabe como ela me vê de verdade? Ela me desafiou a beijá-la, mas ficou surpresa quando beijei. Eu também fiquei, mas não me arrependo nem por um só segundo. Talvez seja por isso que odiei ver a Chloe ser tão cruel no pesadelo, me xingando e flertando com todas aquelas pessoas... Fiquei tão surpresa que senti uma dor de verdade no coração. Esse é o poder da amizade... ou do amor?
Acho que você está prestes a descobrir, Max Caulfield.

]Não Beijou a Chloe>
A Chloe sempre vai ser a minha melhor amiga, mas quem sabe como ela me vê de verdade? Sei que ela ficou chateada por eu não tê-la beijado... Eu sinto como se fôssemos mais família do que um casal... só duas crianças que cresceram em um mundo fodido e incrível. Talvez seja por isso que odiei ver a Chloe ser tão cruel no pesadelo, me xingando e tentando me machucar... Fiquei tão surpresa que senti uma dor de verdade no coração. Esse é o poder da amizade... ou do amor?
Acho que você está prestes a descobrir, Max Caulfield.

Referências

  1. Referência à série protagonizada por Chuck Norris, Walker, Texas Ranger.
  2. Referência aos soldados de elite da saga Star Wars
  3. Série americana.
  4. Série da Disney Channel.
  5. Referência à série americana Arquivo X (The X-Files, no original)
  6. Referência ao cachorro do filme de mesmo nome, baseado no livro homônimo de Stephen King.
  7. Referência ao cachorro da série animada de mesmo nome.
  8. Isso é um prenúncio dos que eventos que terminam o episódio três. Chloe e Max faziam panquecas juntas, fotografadas por William na última foto que ele tirou antes de morrer.
  9. Referência ao filme De Volta Para o Futuro.
  10. Isso é claramente um grande prenúncio do que está por vir.
  11. Referência ao livro O Apanhador no Campo de Centeio (phony, no original)

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.